AGRO & NEGÓCIO

Embrapa lança obra sobre dinâmica agropecuária e da paisagem natural no Brasil

Publicado


.

No Brasil, a produção agropecuária é estratégica para a segurança alimentar, a geração de biocombustíveis e no uso que faz a indústria farmacêutica. Também é primordial para a economia interna e de exportação. As atividades agrícolas regionais podem variar ao longo do tempo, em função de características econômicas, técnicas, políticas, infraestruturais, logísticas, históricas, culturais e ambientais, influenciando na geração de demandas e oportunidades.

Para orientar no conhecimento dessas variações no território brasileiro, a Embrapa lança a publicação “Dinâmica da Produção Agropecuária e da Paisagem Natural do Brasil nas últimas décadas”.

 “Levantamentos periódicos nacionais têm possibilitado o acesso a dados sobre o País em diversas escalas geográficas e temporais, mas há carência de informações integradas abrangendo a variação espaço-temporal de características multidisciplinares do território brasileiro, com abordagens em diversas escalas”, explica a editora e coordenadora técnica da publicação Elena Charlotte Landau, pesquisadora da Embrapa Milho e Sorgo.

“A obra inclui análises padronizadas sobre a evolução da agropecuária e da paisagem natural do ponto de vista quantitativo, reunindo dados sobre a variação geográfica de aspectos das áreas rurais do Brasil. São informações referentes a 33 culturas agrícolas, silvicultura, pastagem, bovinocultura, avicultura, suinocultura e apicultura. Aborda também temas como agricultura familiar, agricultura orgânica, uso de agrotóxicos, agricultura irrigada, serviços ambientais, cobertura vegetal, Cadastro Ambiental Rural e Zoneamento de Risco Climático. Adicionalmente, apresenta características demográficas, econômicas, sociais e ambientais relevantes para auxiliar no estudo integrado da dinâmica da agropecuária e da paisagem natural nas últimas décadas no País”, relata a pesquisadora.

“A análise integrada de mudanças no espaço rural permite auxiliar em futuras tomadas de decisões estratégicas de planejamento adequado de programas governamentais e políticas públicas, e no direcionamento de pesquisas e investimentos baseados numa visão mais ecossistêmica e abrangente da realidade”, cita Charlotte.

A obra está organizada em quatro partes. O Volume 1 apresenta dados sobre o “Cenário Histórico, Divisão Política, Características Demográficas, Socioeconômicas e Ambientais”. O Volume 2 mostra a variação geográfica da produção de importantes “Produtos de Origem Vegetal”, e o Volume 3, dos principais “Produtos de Origem Animal e da Silvicultura”. Já o Volume 4 reúne aspectos sobre os “Sistemas Agrícolas, Paisagem Natural e Análise Integrada do Espaço Rural”.

No total, os quatro volumes têm 57 capítulos e 2.171 páginas. A obra reúne contribuições de especialistas de várias áreas do conhecimento. São 28 autores de capítulos e 17 autores de imagens. Entre os autores de capítulos há pesquisadores de diversas Unidades da Embrapa, professores da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e da Universidade Federal de Minas Gerais  (UFMG) e um analista de Ciência & Tecnologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; além de graduandos, mestrandos e doutorandos de diversas universidades.

Temas estratégicos da Embrapa e Objetivos do Desenvolvimento Sustentável

A obra apresenta resultados relacionados à metade dos portfólios ou temas estratégicos de pesquisa da Embrapa, reunindo capítulos alinhados principalmente com três desafios de inovação propostos pela Empresa baseados em megatendências identificadas no documento “Visão 2030”

Entre os Desafios de Inovação definidos no âmbito do portfólio “Inteligência, Gestão e Monitoramento Territorial”, está incluído o conhecimento da “dinâmica territorial das cadeias produtivas de grãos, fibras, biocombustíveis, proteína animal, madeireira/celulose como apoio à definição e monitoramento de políticas públicas”; o portfólio “Serviços Ambientais” prevê uma “abordagem integrada de dados espaço-temporais e alterações na dinâmica de serviços ambientais em diversos biomas”; e o portfólio “Agricultura Irrigada” abrange a organização de dados por meio de geotecnologias e tecnologias da informação para contribuir no “planejamento e gestão do uso da água em áreas irrigadas”.

A publicação também contribui para o atendimento de diversos objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Destacam-se, principalmente, o Objetivo 10: “Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles”; o Objetivo 2: “Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável”; e o Objetivo 15: “Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação de terra e deter a perda de biodiversidade”.

“Nosso objetivo é auxiliar profissionais, estudantes, gestores e público interessado a conhecer aspectos do território nacional, e subsidiar o planejamento adequado de estratégias territoriais, políticas públicas e futuras tomadas de decisões em prol da sustentabilidade e melhoria da qualidade de vida no Brasil”, destaca Charlotte.
Esta pesquisa foi realizada com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento (Faped).

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
publicidade

AGRO & NEGÓCIO

Mulheres vencem a Jornada Científica da Embrapa Meio-Norte

Publicado


As mulheres voltaram a vencer a Jornada Científica da Embrapa Meio-Norte, versão 2020, que terminou nesta sexta-feira 27. Elas conquistaram os três primeiros lugares na modalidade Iniciação Científica, que é a base do estudo dos bolsistas na instituição. Também no concurso de fotografias relacionadas à pesquisa científica, categoria Estudante, deu mulher “na cabeça”. 

O primeiro lugar foi o trabalho “Assimetria flutuante como bioindicadora de estresse ambiental em Melipona subnitida Ducke”. Autora: Vanessa Gomes de Moura, que foi orientada pela pesquisadora Fábia Pereira. O segundo trabalho premiado foi “Componentes da produção do milho inoculado com bactérias promotoras de crescimento vegetativo, em Teresina, Piauí. Autora: Thais Santiago de Sousa. A orientadora foi a pesquisadora Rosa Maria Mota.

A estudante Cleidiane Macêdo Santos ficou em terceiro lugar com o trabalho de nome bem científico: “Diferenciação de Trichogramma Westwood 1833 (Hymenoptera : Trichogrammatidae) com base no gene citocromo oxidase I (COI) e na região do espaço transcrito interno 2 (ITS2). O pesquisador Paulo Sarmanho foi o orientador do trabalho..

O concurso de fotografia, que já é tradição nas seis versões da Jornada Científica da Embrapa Meio-Norte, este ano estreou a modalidade Empregado. O vencedor foi o técnico Francisco Gustavo Carvalho de Sousa, que é supervisor de campos experimentais em Teresina, com a foto “A lagarta”. Na categoria Estudante, deu empate entre as estudantes Ana Beatriz Sousa Silva, com a foto “Doce Mel, mel uruçu”, que ilustra esta notícia; e Gabriela Rodrigues Alencar Ferry, com a fotografia “Abelha na flor”. 

Todos os premiados receberão troféus. O evento, que foi 100% virtual e que já faz parte do calendário universitário de Teresina, foi coordenado pela pesquisadora Fábia Pereira.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana