AGRO & NEGÓCIO

Embrapa e Andermatt lançam produto biológico para controle de 100% da lagarta-do-cartucho

Publicados

em


Logo após o anúncio do Plano Safra 2021/2022, nessa terça-feira, 22, com recursos de R$ 251,22 bilhões para custeio e investimento na agropecuária brasileira e com abrangência ao financiamento da produção de bioinsumos, a Embrapa e o grupo suíço Andermatt Biocontrol lançaram o Spodovir, novo produto biológico 100% eficaz contra a lagarta-do-cartucho. A live de lançamento, realizada na noite da última terça-feira, contou com mais de 1.500 visualizações no canal da Embrapa no YouTube e reuniu representantes da Embrapa e do grupo Andermatt da Suíça, do Canadá e do Brasil.

“A parceria entre a Embrapa e a Andermatt é um dos exemplos que demonstram uma crença genuína nos procedimentos técnico-científicos, legais e industriais para a produção de qualidade de produtos biológicos relevantes e com posicionamento mercadológico. Isso é o que poderíamos caracterizar de meta de impacto no mercado de bioinsumos no Brasil”, comentou o chefe-geral da Embrapa Milho e Sorgo Frederico Ozanan Machado Durães. “O lançamento do Spodovir é um momento estratégico para a agricultura brasileira, dentro da busca por sustentabilidade”, reforçou.

Para Daniel Zingg, CEO do grupo Andermatt (Suíça), parcerias com instituições como a Embrapa são estratégicas para o lançamento de produtos desenvolvidos a partir de microrganismos. “Estamos convencidos de que temos uma solução altamente eficaz contra a lagarta-do-cartucho”, disse. Ainda segundo ele, o objetivo do grupo é distribuir o Spodovir em todos os países em que a Spodoptera frugiperda seja problema nas culturas agrícolas. Laura Forbes, gerente de negócios da Andermatt no Canadá, explicou que a produção do Spodovir está a todo vapor na fábrica canadense. “Queremos levar esse produto para todos os agricultores brasileiros, já que ele apresenta um controle excelente da lagarta-do-cartucho”, afirmou.

Praga pode reduzir a produção em até 60% no milho

Principal praga da cultura do milho no Brasil, tanto na safra de verão quanto na segunda safra, podendo reduzir a produção em até 60%, a lagarta-do-cartucho ataca mais de 180 culturas, como arroz, trigo, soja, feijão, pastagens e até frutíferas, como a maçã. Presente em todos os continentes, o problema no Brasil é agravado pelo modelo intensivo de produção agrícola, com diversas culturas plantadas em todas as regiões durante todo o ano, provocando a chamada “ponte verde”. “O biodefensivo provoca a perda de apetite nas lagartas, reduz a mobilidade e pode controlar a praga em até 100%”, explicou o pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo Fernando Hercos Valicente, desenvolvedor e responsável pela tecnologia na Empresa.

Segundo ele, os biodefensivos à base de baculovírus têm melhor ação quando as lagartas são pequenas. “O posicionamento do Spodovir no campo é essencial para causar a mortalidade desejada e é dependente da região e do início de ataque da praga”, pondera o pesquisador, frisando que a eficácia de 100% do produto, obtida em experimentos, foi também resultado da aplicação correta dele. Valicente destaca que o Spodovir deve ser ingerido pelos insetos para fazer efeito, por via oral. O produto deve ser aplicado, quando possível, após as 16h, período com menor incidência de raios ultravioletas (UV), que desativam as partículas virais no campo. Outro motivo é que a lagarta-do-cartucho possui hábito noturno, iniciando sua alimentação no início da noite.

O CEO da Andermatt Biocontrol Brasil, Markus Ritter, apresentou as principais oportunidades para a adoção do controle biológico na agricultura tropical, como a sustentabilidade econômica e ecológica; o restabelecimento da regulação natural; o fortalecimento do manejo integrado de pragas e do manejo de resistência; a possibilidade de restaurar a biota do solo e a oportunidade de atender a demanda por cultivares convencionais. O custo de uma aplicação do produto por hectare seria de aproximadamente 0,75 saca de milho e de 0,45 saca de soja. O produto Spodovir pode ser adquirido pelo site da empresa: https://andermatt.com.br/ .

SERVIÇO:

Produto biológico Spodovir

O que é: Produto biológico à base de baculovírus registrado para o controle da lagarta-do-cartucho, Spodoptera frugiperda

Onde encontrar: Grupo Andermatt do Brasil, Curitiba-PR

Tels.: (41) 99113-8703 | (41) 99164-7334

E-mail: [email protected]

Site: https://andermatt.com.br/

Grupo Andermatt

A Andermatt Biocontrol foi criada na Suíça, em 1988, com o objetivo de oferecer alternativas biológicas para a agricultura. Atualmente, o Grupo Andermatt está presente em mais de 60 países, sendo representado por filiais, parceiros ou distribuidores, e conta com portfólio de mais de 30 produtos. Com sede em Curitiba, no Paraná, a Andermatt do Brasil foi criada em 2014. O processo de produção do Spodovir ocorre totalmente no Canadá, em uma das unidades da Andermatt especializadas na produção e formulação de baculovírus.

Live de lançamento

A live de lançamento do Spodovir, realizada na noite da última terça-feira, 22, está gravada e pode ser assistida no canal da Embrapa no YouTube: www.youtube.com/watch?v=sKLq1zQPUEM .

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Embrapa vai participar ativamente do VII Congresso Brasileiro sobre Gestão do Ciclo de Vida

Publicados

em


A Embrapa vai participar do VII Congresso Brasileiro de Gestão de Ciclo de Vida – GCV 2020/21, que ocorre de 28 de setembro a 1 de outubro, evento on-line que terá como tema central “Contribuições para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”.

Promovido pela Associação Brasileira de Ciclo de Vida (ACBV) desde 2008, o evento vem ganhando importância a cada edição na agenda técnico-científica sobre a temática no Brasil. Busca aproximar cientistas, profissionais, empresas, formuladores de políticas públicas e de fomento à pesquisa, estudantes e indústrias, visando ao avanço do conhecimento e à adoção da metodologia de ACV.

Os debates se darão sobre a avaliação e gestão do ciclo de vida e suas aplicações à rotulagem ambiental, inovação, economia circular, políticas públicas, métodos e modelos. Os temas abordados irão abranger e conectar também diferentes setores produtivos, como energia e transporte, indústria, cidades, alimentação, entre outros.

Conforme explicou a pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Marília Folegatti Matsuura, estarão envolvidas no evento quatro Unidades da Embrapa – Meio Ambiente, Gado de Leite, Pantanal e Agroindústria Tropical, que apresentarão algumas dezenas de trabalhos com aderência ao tema.

Segundo Marília, o evento é uma oportunidade para a Empresa apresentar os trabalhos desenvolvidos pela pesquisa e ainda ter a possibilidade de debater, com os diversos atores, a gestão e a governança destas informações, que são, na prática, a base para a construção de sistemas pautados em sustentabilidade.

Já o pesquisador da Embrapa Pantanal, Fernando Dias, ressalta que a preocupação com a sustentabilidade de sistemas de produção agropecuária não é algo novo, e ela tem crescido. De acordo com ele, a abordagem por Avaliação de Ciclo de Vida começou com indústrias de processo e manufatura e cada vez mais é adotada na agropecuária. “Um País como o Brasil, já há muito percebido como o celeiro do mundo, precisa cada vez mais de ACV na sua produção. Eventos como GCV 2021 são mais do que oportunos: são necessários,” disse.

Trabalhos

A Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) apresentará dezenas de trabalhos no Congresso, com destaque para dois estudos: Pegada de carbono do café arábica produzido em diferentes sistemas de produção, que descreve os principais sistemas de produção de café arábica em grãos praticados no sul de Minas Gerais e avalia a cultura quanto à pegada de carbono, identificando os pontos críticos para a melhoria do desempenho ambiental. O outro destaque fica por conta do trabalho Desempenho ambiental do amendoim produzido em sistema de rotação com pastagem – estudo que buscou avaliar o desempenho ambiental de um sistema de produção de amendoim com pastagem, típico da região da Alta Paulista, usando a ACV do berço ao portão da fazenda. Além da apresentação de trabalhos, pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente ministrarão dois minicursos dentro do tema do Congresso já no primeiro dia do evento (ver abaixo).

A Embrapa Gado de Leite (Juiz de Fora, MG), participará com a apresentação de quatro trabalhos, com destaque para Desafios para construção de inventário de ciclo de vida da produção de leite no Brasil – trabalho que vai na direção da necessidade de construção de Inventários de Ciclo de Vida (ICV) da produção de leite representativos, regionalizados, os quais vão possibilitar a elaboração de estratégias adaptadas para o incremento de soluções em direção a um desenvolvimento sustentável da pecuária leiteira.

Pela Embrapa Pantanal (Corumbá, MS), entre os trabalhos que serão apresentados, destaque para Avaliação dos impactos ambientais da produção de forragens para caprinos e ovinos no Semiárido brasileiro.

A Unidade da Embrapa Agroindústria Tropical (Fortaleza, CE) também apresentará trabalhos no evento.

Minicursos
 
O VII GCV 2020/21 está oferecendo aos participantes alguns minicursos dentro do tema. A equipe de ACV da Embrapa Meio Ambiente é organizadora e docente em dois minicursos a serem realizados em 28 de setembro de 2021, a saber:

Introdução à ICVCalc Embrapa: conceitos básicos + Mudança de uso da terra em ACV de produtos agropecuários

Horário: 8h às 11h

Ministrantes: Marília Ieda Da Silveira Folegatti Matsuura, Anna Leticia Montenegro Turtelli Pighinelli, Ricardo Antonio Almeida Pazianotto, Renan Milagres Lage Novaes, Vinícius Gonçalves Maciel, Danilo Trovo Garofalo e Fernando Henrique Cardoso, todos da Embrapa Meio Ambiente.

Descrição: Curso com foco na elaboração de inventários de ciclo de vida (ICV) de produtos agropecuários, tendo como base as ferramentas da Embrapa ICVCalc e BRLUC, esta última voltada para estimativas de mudança de uso da terra. O curso é voltado para profissionais e estudantes interessados em realizar estudos e análises dessa natureza. Serão apresentados conceitos e especificidades dos temas alinhados com os principais protocolos internacionais, assim como as funcionalidades das ferramentas de uso gratuito. Espera-se que o conteúdo do curso forneça subsídios para estudos de ACV e ICV mais ágeis e acurados.

Modelo PEST-LCI para condições brasileiras + SICV Brasil: como utilizar o banco Brasileiro para melhorar seus inventários

Parte 1 – horário: 14h às 16h

Ministrantes: Marcelo Augusto Boechat Morandi, Marília Ieda da Silveira Folegatti Matsuura, Robson Rolland Monticelli Barizon da Embrapa Meio Ambiente, Michelle Tereza Scachetti e Vitória Ferreira de Lanes da Fundação Espaço Eco.

Descrição: O modelo PEST-LCI calcula a partição de pesticidas para os diferentes compartimentos ambientais a partir de características químicas das moléculas e condições edafoclimáticas dos locais de aplicação, suprindo a atual lacuna observada na elaboração de ICVs de produtos agrícolas (adoção de 100% de emissões para o compartimento solo ou outras premissas mais simplificadas). Visando explorar o diferencial do modelo, permitindo a estimação das emissões de maneira mais assertiva, o curso é voltado para profissionais e estudantes que estejam desenvolvendo ou tenham interesse em gerar ICVs para produtos da cadeia agrícola. Serão apresentados em detalhes o modelo e sua parametrização para o contexto brasileiro e realizadas simulações de como aplicar o modelo, além de discussões sobre os resultados encontrados.

Parte 2 – horário: 16h30 às 18h30

Ministrantes: Tiago Braga (Ibict); Thiago Rodrigues (Ibict); Juliana Gerhardt (Ibict); Diogo Aparecido Lopes Silva (UFSCar); Marília Ieda da Silveira Folegatti Matsuura (Embrapa Meio Ambiente); Màri Luisa Shiosawa (Embrapa Meio Ambiente); Gustavo Costa do Nascimento (Embrapa Meio Ambiente); João Victor Encide Salla (Embrapa Meio Ambiente); Rafael Pereira Albuquerque (Embrapa Meio Ambiente).

Descrição: o curso tem como objetivo demonstrar a importância do SICV Brasil para o desenvolvimento sustentável do País, com foco no funcionamento do banco nacional: como fornecer e como usar datasets; ferramentas básicas; conversor e qualidade dos inventários submetidos. Também serão abordadas limitações e possibilidades para o SICV Brasil. Espera-se que o curso possa subsidiar ferramentas para a correta utilização do Banco Nacional de Inventários do Ciclo de Vida, bem como disseminar o seu uso entre profissionais, pesquisadores e estudantes.

Serviço:
Consulte todos os minicursos neste link:

https://www.ufrgs.br/gcv2020/minicursos/

Plataforma de inscrições para os minicursos: http://schenautomacao.com.br/gcv/

Dúvidas:  [email protected]

Postagens do evento nas redes sociais (curta e compartilhe):

https://www.instagram.com/gcv2020/
https://www.facebook.com/gcv2021
https://www.linkedin.com/in/gcv2020/

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana