AGRO & NEGÓCIO

Embrapa disponibiliza publicação com análise de dados agropecuários de Rondônia para a safra 2021/2022

Publicados

em

O café deve alcançar produção de 2,65 milhões de sacas de 60 kg, a maior da sua história, com a produtividade ultrapassando 40 sacas por hectare

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa Rondônia acaba de lançar a oitava edição do Informativo Agropecuário de Rondônia. A publicação reúne um conjunto de informações sobre o desempenho da produção de algodão, arroz, banana, café, feijão, mandioca e soja no estado de Rondônia. Além disso, são analisados preços de produtos agrícolas e da pecuária pagos aos produtores, Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de Rondônia e dados de exportações.

O editor técnico da publicação, Calixto Rosa Neto, analista que atua no Setor de Prospecção e Avaliação de Tecnologias (SPAT) da Embrapa Rondônia, destaca os dados relativos à cafeicultura do Estado: “A produção de café deve alcançar 2,65 milhões de sacas de 60 kg, a maior da sua história, com a produtividade ultrapassando 40 sacas por hectare”.

Segundo a Conab, em dados de 2022, o bom desempenho da cafeicultura local, deve-se, dentre outros fatores, à regularidade das chuvas, a partir de novembro de 2021, às condições climáticas, que se tornaram mais favoráveis ao desenvolvimento da cultura, impactando positivamente na produção nesta safra.

Em relação à produção brasileira de café, a estimativa do segundo levantamento da safra de café, realizado pela Conab em 2022 (incluindo as espécies arábica e canéfora) é de que sejam produzidas 53,4 milhões de sacas de 60 kg nesta safra, 12% superior à da safra de 2021.

Os dados que servem de referência para as análises apresentadas na publicação foram obtidos de fontes secundárias, como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Emater-RO, entre outros.

Produção de Grãos – O Brasil deverá colher 271,3 milhões de toneladas de grãos na safra 2021/2022, 6,2% superior à da safra 2020/2021. Com relação ao levantamento anterior, de maio de 2022, houve um pequeno acréscimo, de 0,4%. A soja, com produção estimada de 124,3 milhões de sacas, deve responder por 45,8% dos grãos produzidos pelo país nesta safra.

Em Rondônia, a produção de grãos na safra 2021/2022 está estimada em quase três milhões de toneladas, 14,7% maior do que a da safra 2020/2021. A área plantada com os principais grãos produzidos no estado – arroz, caroço de algodão, feijão, milho e soja – deverá crescer 20,2%, alcançando 789,9 mil hectares, entretanto, deverá apresentar retração de 4,5% da produtividade, que está estimada em 3.774 kg por hectare, 2,6% superior à produtividade média do País.

Banana – A produção de banana deve apresentar pequeno aumento na safra 2022 com relação à de 2021, com estimativa de colher 94,9 mil toneladas. Embora a área colhida apresente estimativa de crescimento de 18,9%, a produtividade deverá decrescer 15,7%. (Conab, 2022a).

Mandioca – A produção estimada de mandioca na safra 2022 é de 441,1 mil toneladas, 3,6% maior da que foi obtida na safra de 2021, sendo que a área colhida deve crescer 9,8%%, com queda de 5,6% da produtividade

Produção pecuária – O abate de animais bovinos apresentou índice 2,8% superior ao obtido no primeiro trimestre de 2022, em número de cabeças. Os dados da pesquisa trimestral de abate de animais, do IBGE (2022b), indicam o abate de 471,3 mil animais em Rondônia, com peso de carcaça de 125,9 mil toneladas de carne.

Com relação ao rebanho suíno, foram abatidos, no primeiro trimestre de 2022, 331 animais, com peso total das carcaças de 18,2 toneladas. A suinocultura em Rondônia se caracteriza pela produção familiar, com poucas unidades processadoras e selo de inspeção apenas municipal.

A produção de ovos no primeiro trimestre de 2022 foi de 3,3 milhões de dúzias, por um rebanho de 593,8 mil galinhas poedeiras. Com relação à produção aquícola, Rondônia produziu, em 2021, 59,6 mil toneladas de peixes de diversas espécies, 9% a menos do que em 2020, quando a produção alcançou 65,5 mil toneladas (Peixe BR, 2022).

Produção leiteira – No primeiro trimestre de 2022, ocorreu o processamento de 136,6 milhões de litros de leite, por 43 unidades produtivas de Rondônia, sendo 18 delas com selo de inspeção federal, 17 estadual e oito municipal, correspondendo a uma aquisição diária de 1,5 milhão de litros. Desse total, 93,8% foram captados pelos laticínios com inspeção federal (IBGE, 2022d).

Preços de produtos agrícolas pagos aos produtores – Os produtos agrícolas considerados para a análise de preços médios pagos aos produtores foram: arroz, feijão, milho, soja, café, mandioca de mesa e farinha de mandioca. Desta cesta de sete produtos, seis (feijão, milho, soja, café, mandioca de mesa e farinha de mandioca) apresentaram variação de preços positiva, somente o arroz oscilou negativamente, tendo sido utilizado como base de comparação o comportamento dos preços médios nominais desses produtos referentes aos cinco primeiros meses (janeiro a maio) dos anos de 2021 e 2022. 

O café foi o produto que apresentou a maior variação de preços no período analisado, de 108,5%, seguido do feijão (31,5%) e da farinha de mandioca (27,5%). No caso do café, menor perspectiva de produção da safra brasileira de café arábica em 2022, em virtude de problemas climáticos, contribuiu para o aumento dos preços, visto que o produto é uma commoditie, com preços negociados em bolsas de valores.

Quanto ao feijão, estiagem e geada reduziram a oferta na segunda safra de 2022 no Brasil de forma geral, além da área plantada ter sido reduzida, pressionando os preços. Já o incremento nos preços da farinha de mandioca pode ser explicado pelo aumento dos preços da mandioca industrial, sua matéria-prima.

Cabe ressaltar que o índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA, calculado pelo IBGE (2022e), foi de 14,8% no período de janeiro de 2021 a abril de 2022. Com relação ao arroz, o aumento da oferta em virtude da entrada da safra gaúcha, aliado ao maior volume das importações, vem pressionando os preços negativamente no país, com a consequente queda dos preços no varejo.

Preços de produtos da pecuária – Para a análise dos preços dos produtos da pecuária utilizou-se uma cesta de seis produtos (boi gordo, suínos, leite, tambaqui, pirarucu e ovos). No caso do preço da arroba do boi gordo foram considerados os preços pagos à vista e com prazo de 30 dias. Comparando os preços médios de janeiro a maio de 2022 em relação ao mesmo período de 2021, verifica-se que o preço do ovo apresentou a maior variação positiva de preços, com evolução de 54,5%, seguido do peixe tambaqui.

Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) – O VBP de Rondônia, para 2022, está estimado em 21,7 bilhões de reais, resultado 5,7% maior do que o obtido em 2021. Os produtos agrícolas de melhor desempenho em 2022, quando comparados entre si com 2021, são: o café, a soja e o algodão. Apenas o arroz apresenta resultado desfavorável, com redução de 29,4% do VBP.

Exportações – As exportações de carne bovina e soja nos cinco primeiros meses de 2022 geraram receitas de US$ 281 milhões e US$ 475,9 milhões, respectivamente. No caso da carne, o valor exportado foi 12,2% superior ao do mesmo período de 2021; já a soja apresentou variação positiva de 11,6%.

As edições periódicas desse Informativo, iniciadas em fevereiro de 2018, tem colocado a disposição dos leitores um conjunto de informações sobre a agropecuária do estado que está disperso em diversas fontes de dados oficiais, permitindo o acesso aos dados de maneira agregada e com análises. Além disso, a citação das fontes consultadas possibilita ao leitor se aprofundar no assunto, consultando-as diretamente.

A oitava edição do Boletim Agropecuário de Rondônia – junho/2022, com as informações completas,  está disponível para download gratuito no site: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1144073/informativo-agropecuario-de-rondonia-n-8-junho2022

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Workshop aborda experiências para Inovação Social na Amazônia

Publicados

em

Começou nesta terça-feira (28/6) o Workshop Inovação Social: Contribuições dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) na Amazônia, promovido pela Embrapa. O evento ocorre no período de 28,29 e 30 de junho, no auditório da Inspetoria Laura Vicuña, bairro Aleixo, em Manaus, AM. Mais de 80 pessoas participam do evento, que contará com palestras, rodas de conversas, exposições de experiências e a sistematização das inovações apresentadas por agricultores, pesquisadores e agentes sociais.

Na abertura do evento, o pesquisador Everton Cordeiro, chefe-geral da Embrapa Amazônia Ocidental, saudou os participantes manifestando satisfação pela realização do primeiro grande evento presencial após dois anos que assumiu o cargo. Disse que a grande missão da Embrapa é melhorar a qualidade de vida dos produtores rurais e enfatizou a importância das redes de relacionamentos para se alcançar objetivos.  

O coordenador do evento, Lindomar Silva, pesquisador da Embrapa, explicou que o Workshop tem por objetivo promover a troca de experiências, fazer uma escuta ativa e semear novas ideias. “O impacto que a gente espera é que o diálogo ativo entre pesquisadores, comunidades rurais, ribeirinhas, quilombolas e indígenas na construção de alternativas participativas, com a integração de diversas instituições e, também, tecnologias formuladas pela Embrapa”, comentou Lindomar.

A Embrapa possui 34 portfólios de projetos de pesquisa sendo um estratégico para a inovação social na agricultura com carteira de projetos. Os portfólios são instrumentos de apoio gerencial para organização de projetos em temas estratégicos, com a missão de direcionar a produção de soluções em pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I) para demandas nacionais e suas interfaces com as demandas regionais.

A representante deste portfólio, pesquisadora da Embrapa, Christiane Amancio, mostrou como foi construída a agenda e as atividades em inovação social na Empresa. Segundo ela, o maior desafio é construir redes mais sólidas dessas comunidades e dar valorização ao patrimônio cultural alimentar local, como uma alternativa na diversificação da dieta.

Durante a abertura do evento, a representante da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Faepam), Liliane Valente, destacou sobre a importância das pesquisas voltadas para o fortalecimento e alcance das ODS e, sobretudo, a importância das iniciativas inovadoras que visam fortalecer o ecossistema local, promovendo no Amazonas o fomento à cultura empreendedora, à agricultura local e, principalmente às pesquisas.

“Como é importante para a Fapeam participar de um encontro como esse, que desperta vocações regionais, onde as comunidades e agricultores apresentam suas ações inovadoras construídas por eles próprios. Que os desafios apresentados possam transpassar pelos setores econômicos, políticos, sociais e ambientais”, acrescentou Liliane.

Durante o evento serão apresentadas  iniciativas de inovações disponibilizadas por instituições públicas e privadas, construídas por ações das próprias comunidades e agricultores que possuem potencial para contribuir para o alcance dos ODS, que são uma agenda mundial composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030, que estão diretamente relacionadas aos desafios ambientais, políticos e econômicos mais urgentes presentes no mundo contemporâneo.

Programação – O primeiro dia focalizou a experiência dos agricultores familiares, dando ênfase nas redes e parcerias. O segundo dia terá como foco a participação feminina e a inovação social em comunidades indígenas e tradicionais e o terceiro dia será dedicado às discussões e propostas das contribuições das instituições públicas para o alcance da inovação social na Amazônia.

Lançamento de livro – Na quarta-feira (29/6), às 19h, será lançado o livro “50 anos do Instituto de Pesquisa e Experimentação Agropecuária da Amazônia Ocidental (IPEAAOc)”, uma publicação comemorativa ao cinquentenário da criação do Instituto, instituição precursora da Embrapa no Amazonas, e relata os primórdios da pesquisa agropecuária no Amazonas. O Instituto existiu de 1969 a 1973 e promoveu várias ações de pesquisa, que focaram nos principais produtos amazônicos com alta demanda pela população e com grande potencial para gerar renda e emprego no meio rural: seringueira, guaranazeiro, juta e culturas alimentares, principalmente arroz, feijão e mandioca.

Apoio do evento – Para a realização do Workshop, a Embrapa contou com o patrocínio do Governo do Estado do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), via Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (Parev – Edital n° 005/2021).Conta com apoio da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Rede de Recursos Humanos e Inteligência para Sustentabilidade na Amazônia (Rhisa) e da Coordenação dos Povos Indígenas de Manaus e Entorno (Copime).

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana