artigos

ELEIÇÕES 2020: A largada queimada e uma nova data

Publicado

*Por Hugo Fernandes

Em tempos de muitas incertezas no ceio da pandemia do novo coronavírus no Brasil, o que parece estar cada vez mais certo é o pleito 2020. Se ainda pairavam dúvidas neste céu de nuvens carregadas, o processo agora passa a ter mais segurança na miragem de um céu de brigadeiro com data marcada. Foi aprovado pelo Senado Federal, na noite desta terça-feira (23), por 64 votos a 7, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 18/2020. Ela define a data do primeiro turno para o dia 15 de novembro e 29 de novembro em caso de dois turnos.

No caso de Mato Grosso, soma-se a isso um fato inédito que incrementa consideravelmente a disputa. Não se tratam mais de candidaturas viúvas, como se rotulava nos meses de março e abril. A certeza de que a briga pela vaga deixada pela juíza Selma Arruda (PSL) – caçada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por prática de crimes eleitorais como abuso de poder econômico e de ‘Caixa 2’ – será casada com as candidaturas de prefeitos e vereadores. É mais lenha na fogueira eleitoral; mais uma peça importante no xadrez político.

Não bastasse candidaturas majoritárias às prefeituras, haverá também a imagem de outro cabeça de chapa colada. Impacto na comunicação. Do santinho até o programa eleitoral. Ao todo, 10 sonham ocupar a vaga ora preenchida pelo senador – que alguns denominam de ‘biônico’ – Carlos Fávaro (PSD). Aos poucos, equipes de assessores já começam a ser preparadas. É temporada de pré-campanha. E a largada fora queimada logo de cara, já que a inédita decisão colocou Fávaro – terceiro lugar nas urnas – em situação de vantagem.

O discurso do pensamento político e social figurado num ato de bondade e generosidade para reforçar a representatividade no Congresso Nacional, transformou-se em disparidade. Coloque-se no lugar de fala em que encontra-se Carlos Fávaro hoje. Do alto do pedestal do cargo. E que muito em breve estará na sua telinha ou telona, apresentando seu balanço de ações do mandato relâmpago. Aliás, preciso admitir. Neste quesito, ele parece uma fábrica de projetos em larga escala; dá a impressão até que eles já estavam prontos. Para a locomotiva que segue a todo vapor, as eleições 2018 nunca terminaram.

Deixando pela tangente a análise das desigualdades da disputa pela senatoria, considero importante acrescentar neste debate uma característica que marcará essa disputa. As ações de enfrentamento à Covid-19 serão transformadas em slogans e darão o tom dos discursos e debates, como arma e escudo na batalha eleitoral. O tema, aliás, já está e continuará sendo fortemente explorado durante o processo. Discursos sobre infraestrutura, educação e segurança deverão ceder mais espaço à saúde pública.

E nessa esteira da caminhada que antecede o processo eleitoral, aproveito para lançar um alerta aos pré-candidatos. Cuidado para não errar a mão ao explorar o tema da pandemia, pois ela fala direto ao coração. Se for utilizá-la, faça com sabedoria e sensibilidade. E aproveite para construir sua reputação na internet. É tempo de gerar autoridade e engajamento. Preparar ou reforçar sua imagem para a disputa. Com o artifício da ferramenta de impulsionamento de publicações liberado neste período, o tempo urge. É hora de começar a apresentar suas plataformas e bandeiras, colocando seu nome evidência para ser testado nas urnas. Sem pedir apoio ou votos, claro.

E para concluir, quero compartilhar uma boa notícia aos pré-candidatos ainda desconhecidos da maior parte do público. O acréscimo de 43 dias na corrida traz uma grande oportunidade para se tornar mais conhecido do público, aproveitando o fenômeno do isolamento social e a recente ampliação do tempo de permanência do brasileiro nas redes sociais por conta do distanciamento físico. Sem sombra de dúvidas, essa eleição será a mais digital de todos os tempos. Por isso, invista no seu marketing digital. E lembre-se do velho adágio popular. “Pássaro que acorda cedo bebe água fresca”. Fávaro que o diga… esse nunca dormiu!

*Hugo Fernandes é jornalista especialista em Comunicação Estratégica, Assessoria de Imprensa e Marketing Político.

 

Comentários Facebook
publicidade

artigos

Estamos em guerra contra o mesmo inimigo

Publicado

Por Luiz Antonio Pôssas*

Em março deste ano Cuiabá começou uma guerra contra um inimigo invisível: o coronavírus, causador desta doença terrível que é a COVID-19. O que muita gente não sabe, é que a Prefeitura começou a se armar para este combate em janeiro, quando ainda não tínhamos nenhum caso no Brasil. Nossa valorosa equipe técnica da Saúde enxergou que teríamos dias difíceis e começamos a nos organizar em fevereiro, fazendo a aquisição de insumos, EPIs e equipamentos para nossos hospitais. Também montamos um comitê com os mais diversos especialistas, que desde então vêm fazendo estudos e norteando as ações tomadas pela gestão frente à pandemia.

Todos nós da Secretaria Municipal de Saúde, juntamente com o prefeito Emanuel Pinheiro estamos trabalhando muito, até bem tarde, sem direito a sábados, domingos e feriados. Se administrar uma secretaria de saúde já é um desafio imenso, com milhares de problemas, imagine o que é conduzir uma secretaria de saúde durante uma pandemia? É algo inimaginável! Os problemas, que já eram muitos, não param de se multiplicar e é preciso resolver cada um deles para a engrenagem continuar a funcionar.

Neste momento todos nós, sem exceção, temos apenas um inimigo: o coronavírus. As medidas de contenção que tomamos ainda em março foram para diminuir a velocidade de transmissão do vírus para dar tempo de organizarmos nossos hospitais, pois sabíamos que teríamos muitas pessoas doentes. E conseguimos nos organizar.

Mas, como aconteceu no resto do mundo, além da população ficar doente, nossos profissionais de saúde começaram a ficar doentes também. Esse vírus é altamente contagioso, e, mesmo com todo o cuidado, muitos profissionais da saúde adoeceram. Para esses, que estão na linha de frente, cuidando da população, salvando vidas, eu só tenho a agradecer. Vocês são verdadeiros heróis, que honram as profissões que escolheram. É preciso gostar de gente para cuidar de gente, e vocês, médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, entre vários outros profissionais que atuam na linha de frente merecem o agradecimento e a admiração de toda a população.

Quando eu falo dos profissionais que se acovardaram, em momento algum me refiro a estes que estão lutando para salvar vidas. Também não me refiro aos que estão afastados por serem do grupo de risco, seja por idade ou por comorbidade. Me refiro aos que entraram com pedido de afastamento usando atestados sem terem motivos reais para isso. Tivemos pedidos de afastamento de mais de 1500 profissionais da saúde desde que a pandemia começou e cada pedido destes foi periciado. Muitos destes pedidos foram indeferidos pelo médico que fez a perícia, pois ele constatou que não havia motivos para estes profissionais não trabalharem. São esses profissionais que eu disse que se acovardaram, pois ao invés de se juntarem às equipes que estão combatendo a pandemia, decidiram se esconder atrás de um atestado fajuto.

Peço desculpas aos profissionais da saúde que estão na linha de frente do combate à pandemia e que se sentiram ofendidos pela colocação que eu fiz. Tenham certeza de que a minha fala não foi direcionada a vocês. Como filho de médico que sou, tenho um grande respeito por quem trabalha nesta área, de maneira séria e comprometida.

Neste momento venho a público pedir que todos nós nos unamos para ganharmos essa luta contra o coronavírus. Estamos fazendo todo o possível para continuar salvando vidas. Estamos correndo contra o tempo para abrir mais 40 leitos de UTI na próxima semana, para que mais pacientes tenham chance de sobreviver. Agora não é hora de brigas políticas, de boicotes, de acusações… Agora é hora de união contra este inimigo que já ceifou mais de 60 mil vidas no país e quase 200 só aqui em Cuiabá. Precisamos do apoio da União, do Governo, dos Conselhos de Classe, sindicatos, dos políticos, da imprensa e de toda a população para vencermos este vírus. Nós, gestores e os profissionais da saúde não somos o inimigo! Nós estamos trabalhando arduamente para salvarmos vidas! Precisamos de toda a ajuda possível para ganharmos esta guerra e voltarmos ao normal. E só vamos ganhar se estivermos unidos!

*Luiz Antonio Pôssas de Carvalho é Secretário Municipal de Saúde de Cuiabá

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana