POLÍTICA NACIONAL

Eduardo Leite diz que prévias do PSDB “não são resolução absoluta”

Publicados

em


source
Eduardo Leite (PSDB) justificou renúncia ao cargo de governador
José Cruz/Agência Brasil – 11.06.2019

Eduardo Leite (PSDB) justificou renúncia ao cargo de governador

Ao comentar sobre as prévias realizadas pelo PSDB, ocorridas em novembro do ano passado , o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, disse que o processo não é “uma resolução absoluta”. A votação foi feita dentro do partido para definir quem iria concorrer à presidência pela sigla nas eleições deste ano.

“Não estou aqui fazendo deslegitimação das prévias, mas é um processo de discussão e eventualmente tomar uma discussão diversa. As prévias não são uma resolução absoluta”, disse ele nesta terça-feira (29), afirmando que “respeita” o método e o governador de São Paulo, João Doria, que saiu vitorioso da disputa .

Nessa segunda (28), Leite anunciou que vai renunciar ao cargo de governador, mas permanecerá no PSDB . O gaúcho tinha um convite do PSD do ex-ministro Gilberto Kassab para entrar na corrida presidencial .

Hoje, em entrevista à BandNews TV , ele disse que a renúncia será feita no dia 31 de março. “Eu renunciei para me apresentar para o meu partido.”

“Temos que olhar essa eleição pelo sentimento que está presente no eleitor, e o sentimento que está presente é de muita rejeição sobre os dois protagonistas desta eleição. E muita gente está indicando voto em um, para evitar o outro. E quando começar o debate eleitoral para valer, queremos mostrar que há caminho alternativo”, afirmou.

Na ocasião, o gaúcho também disse que, apesar de respeitar Doria, neste momento, é preciso analisar “quem tem a capacidade eleitoral”.

Leia Também




“Eu recebi um chamado do partido, mais de 20 lideranças do partido me enviaram uma carta assinada com diversas pedidos de manifestação de apoio ao meu nome”, acrescentou.

No último dia 18,  lideranças do PSDB divulgaram uma carta em que pedem que Leite permaneça na sigla e desista de voltar à corrida presidencial pelo PSD de Gilberto Kassab. O documento contou com 28 assinaturas de integrantes da legenda e foi articulado pelo senador Tasso Jereissati.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.


Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Ciro diz que polarização pode criar um ‘estelionato eleitoral’ no país

Publicados

em

Ciro Gomes no Roda Viva
Reprodução/Youtube

Ciro Gomes no Roda Viva

Ciro Gomes , candidato do PDT nas eleições presidenciais, criticou a polarização política entre esquerda e direita observada atualmente no Brasil. De acordo com o pedetista, o país corre o risco de produzir um “estelionato eleitoral”.

“Se eu não conseguir salvar o Brasil desta absurda e despolitizada polarização, o aprofundamento dos ódios estará produzindo o maior estelionato eleitoral da história do Brasil”, afirmou. 

“Você vai ver o desastre se eu não conseguir salvar o Brasil”, completou o ex-governador do Ceará durante o programa Roda Viva, exibido na TV Cultura. 

Corrupção

Durante o programa, Ciro foi questionado sobre o fato de, mesmo tendo como um dos principais focos da sua campanha a luta anticorrupção com a intenção de atingir tanto Lula e Bolsonaro, os seus números nas pesquisas ainda estarem muito abaixo dos seus adversários nas eleições. 

Em resposta, ele lamentou o fato de alguns grupos estarem “relativizando” a corrupção no país com o intuito de continuarem apoiando tanto o candidto do PT, como o atual chefe executivo do país.

“Se você tem uma elite, intelectuais, cientistas, artistas, juventude, relativizando valores, essa sociedade está doente”, disse Ciro.

“Isso destrói uma nação. Bolsonaro e Lula são dois corruptos, dois corruptores, e nós estamos fazendo de conta que não estamos vendo isso”, completou o ex-governador. 

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana