POLÍTICA NACIONAL

Eduardo Cunha declara patrimônio cinco vezes maior do que em 2014

Publicados

em

 

Cunha teve o mandato cassado em 2016
Cunha teve o mandato cassado em 2016

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que quer retomar o mandato de deputado federal, registrou sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e declarou um patrimônio de R$ 14,1 milhões. O valor é mais de cinco vezes maior do que apresentado por Cunha em 2014, quando concorreu pela última vez, já levando em conta a inflação.

Há oito anos, Cunha informou ao TSE ter 1,6 milhão em bens. Corrigido pelo IPCA acumulado nesse período, o valor seria de R$ 2,6 milhões hoje. O ex-deputado trocou de partido e de estado: deixou o MDB e o Rio de Janeiro e vai concorrer pelo PTB, em São Paulo.

A maior parte do patrimônio de Cunha — R$ 12,5 milhões — foi cadastrada apenas como “outros bens e direitos”. O TSE restringiu a divulgação dos bens de candidatos, que agora ocorre de forma genérica.

A cassação de Cunha — e sua posterior prisão — envolveu uma acusação de possível ocultação de patrimônio. Ele perdeu o mandato por quebra de decoro, pela avaliação de que mentiu ao dizer que não possuía contas na Suíça.

Candidatura incerta

No mês passado, o desembargador Carlos Augusto Pires Brandão, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), devolveu os direitos políticos do ex-presidente da Câmara, que estava inelegível em razão da cassação. A decisão é provisória e foi baseada em um pedido de Cunha, que apontou “vícios no processo” que resultou na perda do seu mandato.

Entretanto, o Ministério Público Federal (MPF) recorreu contra a decisão, argumentando que não houve irregularidades no processo nem na investigação que detectou contas na Suíça atribuídas a Cunha e seus familiares.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

“A fome é séria na Europa. Sem o Brasil, passam fome”, diz Bolsonaro

Publicados

em

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso
Reprodução/YouTube – 17.08.2022

Jair Bolsonaro citou Macron em seu discurso

Nesta quarta-feira (17), o presidente Jair Bolsonaro alfinetou o presidente da França, Emmanuel Macron, e afirmou que a Europa tem passado por problemas de abastecimento, correndo sério risco da população passar fome. Na opinião dele, o continente europeu necessita do Brasil.

“Há 40 dias, pegou fogo nas poucas florestas da França. Imagina se fosse ao contrário, o que diria o Macron daqui do Brasil. Nós lamentamos, até porque tudo isso está associado à onda de calor, e tem matado muita gente […] Eles estão com problemas sérios e começa a aparecer o fantasma do desabastecimento”, disse o presidente.

Após provocar o presidente francês, Bolsonaro explicou ao público que os incêndios atingiram outros países, como a Espanha. Ele então comentou que os líderes europeus querem fechar o mais rápido possível um acordo com o Mercosul para resolver o problema de desabastecimento. “A fome não é apenas uma preocupação, é uma coisa muito séria na Europa no momento. O mundo sabe que sem o Brasil, eles passam fome”, completou.

A fala foi feita durante a reunião com prefeitos de cidades brasileiras no hotel Royal Tulip, em Brasília.

Bolsonaro cutuca Alckmin e Lula

Durante seu discurso, o chefe do executivo federal resolveu defender as ações do seu governo no combate à corrupção e aproveitou para provocar Geraldo Alckmin (PSB) e mandar indireta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Alguns querem voltar? Voltar para que? Voltar para a cena do crime, como disse o seu Geraldo Alckmin? Parece que é o que alguns querem no Brasil”, comentou.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana