artigos

É hora de agir

Publicados

em

Por José Rodrigues Rocha Junior

O Brasil tem uma população estimada de 211.755.692 habitantes (IBGE 2020).

Desse total 15.002.707 (Censo IBGE 2010) viviam em situação de extrema pobreza.

Atualmente, 77.463.767 pessoas estão no Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal – Cadúnico. Desse universo, 39.990.357 vivem em situação de extrema pobreza no País.

14.285.634 famílias receberam benefício do Bolsa Família em dezembro de 2020. Logo, 15.448.980 de famílias estão no Cadúnico, mas não recebem o Bolsa Família.

Aproximadamente 70 milhões de pessoas receberam ao menos um pagamento do auxílio emergencial do Governo Federal, pago pela Caixa Econômica Federal.

Nesse cenário de preocupação, de aumento de infecção pelo Coronavírus, no qual os empregos ainda não foram reestabelecidos e a economia não voltou a crescer, é chegada a hora dos Governos Estaduais e Municipais tomarem providências.

Assim como fez o Governo Federal, os Governos dos Estados e as Prefeituras Municipais deveriam se preocupar com os mais pobres.

Criar no âmbito de suas competências programas sociais de transferência de renda para as famílias, cujo um de seus membros, foi infectado pelo Coronavírus, com comprovação formal (exame) feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Nesse contexto, deveriam criar habilitação para que as famílias dos infectados, que certamente sofrerão impacto em seus rendimentos, pois as pessoas deverão ficar em isolamento, ao menos por 14 dias.

As famílias que sobrevivem do trabalho autônomo, tem impacto de 100% em seus rendimentos, por exemplo.

Assim, de maneira a auxiliar os mais pobres, nesse momento de indefinição do Governo Federal, se haverá continuidade ou não do auxílio emergencial, os outros Entres Federados deveriam cumprir com suas obrigações constitucionais. A fome não espera.

Ficariam de fora, não perfazendo o direito ao recebimento da transferência de renda criada pelos Governos Estaduais e Municipais, as famílias que já recebem o Bolsa Família e os que vierem a perceber o auxílio emergencial do Governo Federal, caso seja reestabelecido. Logo, esse programa seria complementar.

Considerando que os preços dos alimentos tiveram uma alta considerável no ano de 2020, o valor sugerido a ser pago mensalmente é de R$200,00, em três parcelas iguais e sucessivas.

Os recursos a serem destinados para o custeio dessas despesas, deveriam ser retirados das verbas previstas para gastos com publicidade. Não é hora de fazer propaganda, é hora de cuidar de quem mais precisa.

Esses programas, se criados, terão impacto considerável na vida das famílias mais pobres, extremamente pobres, e também no comércio local, dando a eles um pouco de dignidade, nesse momento de sofrimento e dor, não só pela carência financeira, mas pela perda dos entes queridos, levados pela doença.

José Rodrigues Rocha Junior é Advogado, Pós Graduado em Direito Constitucional, Administrativo e Tributário, Presidente do Colegiado Nacional dos Gestores Municipais de Assistência Social – Congemas (2014/2016), atualmente é Presidente do Conselho Municipal de Assistência Social de Cuiabá, Mato Grosso.

Comentários Facebook
Propaganda

artigos

Técnica de imaginação

Publicados

em

Por Francisney Liberato

Imagine algo novo para sua vida e pense o quanto isso pode ser real, e ele será.

A técnica da imaginação consiste em imaginar algo no futuro e visualizar como seria o lugar, as circunstâncias, as pessoas etc. O nosso cérebro não sabe distinguir o que efetivamente é real daquilo que é imaginário.

O site “Administradores” apresenta um estudo que diz: “Um experimento incrível embasa essa habilidade que o cérebro tem de utilizar os mesmos circuitos durante a percepção de uma realidade externa e de uma realidade interna. Foi solicitado a um grupo de pessoas que sentassem ao piano e treinassem determinado acorde musical. Eles iriam ficar sentados ao piano durante uma hora, por 30 dias, treinando o acorde. A um outro grupo de pessoas foi solicitado que apenas imaginassem que estavam sentados ao piano treinando esse acorde musical, durante uma hora, por 30 dias. Ao final desse experimento, ambos os grupos foram analisados. Foi feito um mapeamento cerebral dos participantes e não houve diferença entre um grupo e outro. As mesmas áreas cerebrais foram ativadas”.

Se eu te disser que você ganhou um presente agora e que este presente é um carro novo, qual seria a sensação? Creio que seja de muita alegria e felicidade, pois você ganhou um belíssimo presente. No seu cérebro teremos a produção de neurotransmissores, como a dopamina, que vai te dar uma sensação boa de prazer.

Continuando com o raciocínio anterior, se eu falar que você ganhou um carro, mas que você o receberá se estudar 5 horas por dia, durante 3 meses, qual será a sensação? Creio que também seja de muita alegria, liberando os neurotransmissores, apesar de o presente ser condicionado, aposto que o seu empenho durante os meses seguintes será de muito foco e dedicação, pois saberá que ao final dele o presente estará garantido.

No período até chegar os 3 meses, penso que a sua imaginação será bem frutífera, ou seja, você imaginará qual o carro, o modelo, a potência, você pensará em si mesmo dentro dele, apresentando o veículo aos amigos, passeando no shopping e em outros lugares, e assim por diante. A cada pensamento, com o futuro, o seu corpo e a sua mente mantêm o foco e a concentração, para concluir o período combinado. Consigo ver você acordando mais disposto e animado, se cuidando melhor, aprendendo mais, pois tudo vai valer a pena, uma vez que basta estudar por 90 dias e o prêmio estará garantido.

A técnica da imaginação funciona desta forma: eu não tenho nada no presente, mas tenho perspectivas de sonhar e conseguir no futuro.

Para fins de concursos públicos, funciona assim também, pois você sonhará com o cargo que escolheu. Você se imaginará tomando posse no cargo, entrando em exercício e começando a trabalhar, aprendendo novos assuntos na prática, se relacionando com novos colegas de trabalho e recebendo o tão sonhado salário do cargo. Ao pensar e imaginar esse propósito, a sua vida e os seus estudos fluirão melhor.

No livro “Alta Performance”, do autor Paulo Vieira, ele diz que todas as vezes que nos comunicamos com o nosso corpo, ele lê, pensa, sente e age para atingir os seus objetivos.

Para entender melhor: se você disser e reafirmar que é um indivíduo dotado de pouca inteligência, o seu cérebro vai entender assim, você terá esse sentimento e, provavelmente, ficará triste e ressentido, e pensará que não vale a pena estudar, pois você não é uma pessoa inteligente.

Se você sonha, pensa, sente e age como uma pessoa vitoriosa, uma pessoa melhor e alegre, um excelente estudante, o mais inteligente da turma, saiba que você será essa pessoa, contudo, se você pensar de outra forma, sabe que você será aquilo que pensou e sonhou. Nas duas formas de pensar, entenda que você terá razão, mas não quer dizer que isto seja o melhor para a sua vida.

A decisão é sua! Toda grande mudança deve começar pela imaginação e pensamentos. Você tem a possibilidade de utilizar a técnica de imaginação para que o seu corpo e cérebro trabalhem em função do que sonhou e o que deseja para a sua vida. Os neurotransmissores estarão à disposição da nossa vida, aproveite e utilize o máximo que puder dessas substâncias para turbinar o seu cérebro.

Francisney Liberato é Auditor do Tribunal de Contas. Escritor, Palestrante, Professor, Coach e Mentor. Mestre em Educação pela University of Florida. Doutor em Filosofia Universal Ph.I. Honoris Causa. Bacharel em Administração, Bacharel em Ciências Contábeis (CRC-MT) e Bacharel em Direito (OAB-MT). Vice-presidente da Associação Brasileira dos Profissionais da Contabilidade – ABRAPCON. Membro da Academia Mundial de Letras. Autor dos Livros: “Mude sua vida em 50 dias”, “Como falar em público com eficiência”, “A arte de ser feliz”, “Singularidade”, “Autocontrole”, “Fenomenal”, “Reinvente sua vida” e “Como passar em concursos – Vol. 1 e 2”, “Como falar em público com excelência”, “Legado”, “Liderança” e “Ansiedade”. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana