economia

Dólar cai nesta sexta, mas fecha mês com alta de 2,17%

Publicado


Graças a uma intervenção do Banco Central (BC), o dólar encerrou a sexta-feira (30) em queda, mas acumulou, em outubro, alta pelo terceiro mês seguido. A bolsa de valores caiu pela quarta vez na semana e encerrou o mês com o pior desempenho semanal desde o início da pandemia do novo coronavírus, em março.

O dólar comercial fechou esta sexta-feira vendido a R$ 5,737, com recuo de R$ 0,027 (-0,47%). A divisa ultrapassou a barreira de R$ 5,80 perto das 12h, forçando o Banco Central (BC) a intervir no câmbio, vendendo US$ 787 milhões das reservas internacionais à vista. Somente por volta das 13h, a cotação passou a cair, passando a operar em baixa no restante do dia.

Apesar da queda nesta sexta-feira, o dólar subiu 1,97% na semana e encerrou outubro com alta de 2,17%. Em 2020, a divisa acumula valorização de 43%.

Ações

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela cautela. Depois de uma recuperação ontem (29), o índice Ibovespa, da B3, fechou o dia com recuo de 2,72%, aos 93.952 pontos. O indicador acumulou queda de 7,22% na semana, o pior desempenho para uma semana desde março.

O Ibovespa, que vinha numa trajetória de alta e chegou a operar acima dos 100 mil pontos na semana passada, despencou nesta semana, revertendo os ganhos recentes. Em outubro, o índice acumulou queda de 0,69%.

O avanço nos casos de covid-19 na Europa abalou os mercados globais nos últimos dias. A imposição de novas medidas de lockdown em diversos países do continente influenciou as projeções de recuperação da economia europeia.

O mercado também está sendo influenciado pelas tensões com a proximidade das eleições norte-americanas, na próxima terça-feira (3). A indefinição no resultado e a possibilidade de contestação de votos enviados pelos correios tem deixado os investidores nervosos em todo o planeta.

*Com informações da Reuters

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
publicidade

economia

Guedes classifica de exemplar parceria com Congresso em 2020

Publicado


O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou de “exemplar” a parceria com o Congresso Nacional em 2020. Ao comentar a aprovação da nova Lei de Falências pelo Senado, ele negou que o governo não tenha um plano para sair da crise econômica.

Guedes citou o desempenho da bolsa de valores, que voltou aos melhores níveis desde fevereiro, para justificar que as medidas tomadas pelo governo para enfrentar a crise estão dando resultado. Também destacou a manutenção da nota de risco do Brasil pela Agência Fitch, anunciada na semana passada, e os elogios recentes do Fundo Monetário Internacional (FMI) às medidas adotadas pelo Brasil durante a pandemia.

“Aí o ministro está fazendo um trabalho, a economia voltou em ‘V’ [forte queda seguida de forte retomada], a arrecadação está subindo, a economia está retomando o crescimento, já estava começando a crescer, foi atingida pela doença. Aí todo mundo estava achando que ia ser a pior coisa do mundo, a economia começa a voltar. A tragédia está aí, nos machucou, atingiu nossas famílias, é péssimo. Agora, o que adianta ficar jogando pedra?”, comentou o ministro.

Parceria

Em relação à parceria com o Congresso, Guedes citou, além da Lei de Falências, a aprovação de medidas para enfrentar a pandemia de covid-19. Ele destacou a aprovação do auxílio emergencial, de mais recursos para a saúde durante a pandemia do novo coronavírus e do pacote de ajuda aos estados e aos municípios, em troca do congelamento de salários no funcionalismo até o fim do ano que vem.

Ele disse ter conversado recentemente com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), com a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) e com “senadores da oposição” para provar que tem “interlocução total” com o Congresso.

Avanços

O ministro citou a reforma da Previdência e a aprovação de novos marcos legais, como o do saneamento e do gás, como provas de que a agenda econômica está avançando. No entanto, também mencionou propostas paradas, como o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia (que precisa ser ratificado pelos parlamentos de todos os países), o pacto federativo e a reforma administrativa, como exemplo de que o Executivo está fazendo sua parte.

“Não peço elogios. Mas vocês deviam estar observando os fatos empíricos. Não se falou tanto em ciência, em fatos? Olhem os fatos, olhem o que foi feito antes. Nós entramos, fizemos a reforma da Previdência imediatamente, derrubamos os juros, economizamos agora mais R$ 300 bilhões com a reforma administrativa e mais de R$ 150 bilhões quando combinamos que não vai haver aumento de salários para o funcionalismo no meio da pandemia. Estamos fazendo coisas importantes”, afirmou o ministro.

Bolsa de valores

O ministro destacou a recuperação da bolsa para rebater críticas de que a equipe econômica está sem credibilidade. “A Bolsa sobe todo dia e o ministro está sem credibilidade? Eu sempre aprendi que é o contrário. A economia está acelerada, a geração de empregos está acelerada, a Bolsa sobe todo dia”, declarou.

Guedes acrescentou que a velocidade de implementação do plano da equipe econômica depende de timing político. Ele disse que o governo, no início, não tinha articulação política, mas está evoluindo. Afirmando haver “falsas narrativas”, o ministro disse haver uma “crise de desrespeito” no Brasil.

“Uma pessoa que eu nem sei quem é diz que eu estou desacreditado. O mercado faz novas altas todos os dias, mostrando que há confiança na política econômica brasileira. O dólar descendo, a bolsa subindo, a economia voltando em ‘V’, os investimentos entrando”, comentou.

Guedes deu entrevista nesta quarta-feira (25) na portaria do Ministério da Economia após a aprovação do texto final da Lei de Falências. Ele estava acompanhado do secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, e do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana