Saúde

Diabetes: uma ameaça chamada hipoglicemia

Publicados

em

A hipoglicemia também precisa ser controlada
Arquivo pessoal

A hipoglicemia também precisa ser controlada

Quando falamos em diabetes, logo associamos ao nível elevado de glicose no sangue, que, se não controlado, pode trazer complicações sérias para a vida da pessoa. Entre eles estão infarto, derrame, problemas renais, amputações e perda de visão. Calma, não é para se desesperar! Isso pode acontecer após muito tempo convivendo com os níveis elevados de açúcar no sangue, ou seja, não fazendo um tratamento adequado.

Mas o que muita gente não sabe ao receber o diagnóstico de diabetes é que existe também o risco de ter hipoglicemia. Eu, por exemplo, descobri isso dá pior forma possível: tendo uma crise hipoglicêmica e não sabendo o que fazer para tratar.

Assim como eu, muitas pessoas me escrevem ou relatam que não foram avisadas pelo médico sobre hipoglicemia após o diagnóstico de diabetes. Foi assim com a Josefa Sousa, mãe do pequeno Wemersson, de 8 anos, que convive com diabetes tipo 1. A família mora no sertão do Piauí. “Meu filho começou a passar mal de madrugada e eu não sabia do que se tratava. Coloquei os sintomas que ele estava tendo na internet para descobrir o que estava acontecendo. Foi assim que descobri o que era hipoglicemia. Consegui tratar na hora e salvei a vida do meu filho”, relata Josefa.

Josefa Sousa só aprendeu sobre hipoglicemia quando o filho já estava em crise
Arquivo pessoal

Josefa Sousa só aprendeu sobre hipoglicemia quando o filho já estava em crise

A hipoglicemia ocorre quando o nível de glicose no sangue está muito baixo, glicemias inferiores a 70mg/dl. Apesar de ser mais comuns em pessoas com diabetes que fazem uso de insulina ou até mesmo medicações para baixar a glicose, a hipoglicemia não pode e não deve ser tratada com normalidade, como explica a endocrinologista e pesquisadora Denise Franco. “Crises de hipoglicemia fazem com que a pessoa tenha uma perda do reflexo, podendo resultar em acidentes, por exemplo. Além disso, a crise pode causar convulsão e, em caso mais severo, até levar à morte quando não tratada a tempo.”

Além do risco imediato à saúde e à vida da pessoa, a hipoglicemia também afeta o controle do diabetes, sendo um dos principais fatores para não adesão do tratamento, já que muitos pacientes deixam de usar as medicações ou a insulina por medo.

Principais causas de hipoglicemia em pessoas com diabetes:

  • Dose excessiva de insulina ou medicamentos utilizados no tratamento de diabetes 
  • Ingestão de bebida alcóolica
  • Excesso de atividade física
  • Jejum por muitas horas

Atenção: hipoglicemia não é embriaguez

Em alguns casos, as crises de hipoglicemia são confundidas aparentemente para as pessoas que desconhecem a causa com embriaguez, isso pode atrasar o socorro. Portanto, separei os principais sintomas de glicose baixa:

  • Tremor
  • Suor
  • Calafrios
  • Confusão mental
  • Tontura
  • Taquicardia
  • Fome excessiva
  • Náusea
  • Sonolência
  • Visão embaçada
  • Dor de cabeça
  • Convulsões
  • Inconsciência 

Tratamento da hipoglicemia

Em casos de hipoglicemia em que a pessoa está consciente, o tratamento deve ser feito com ingestão rápida de 15g de carboidrato simples, por exemplo:

  • 1 copo de 150ml de água com açúcar, suco natural ou refrigerante com açúcar
  • 3 balas moles

Depois de 15 minutos é preciso fazer um novo teste para saber se a glicose subiu. Caso a crise de hipoglicemia persista, repita as orientações acima e, se mesmo assim não melhorar, procure ajuda de emergência.

Nos casos mais graves, o serviço de urgência precisa ser chamado ou a pessoa deve ser levada ao Pronto-Socorro mais próximo.


Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Entenda o que é tremor essencial, doença que acomete Djavan e Caetano

Publicados

em

O cantor e compositor Djavan revelou que teve tremor essencial
Divulgação

O cantor e compositor Djavan revelou que teve tremor essencial

Em entrevista exclusiva publicada nesta terça-feira, o cantor e compositor Djavan revelou ao GLOBO que teve tremor essencial. A condição também já afetou Caetano Veloso e outras celebridades, como a atriz Katherine Hepburn e o ator Rob Mallard, que interpreta o personagem Daniel Osbourne em Coronation Street.

Mas afinal, o que é tremor essencial? A condição é considerada o transtorno de movimento mais comum do mundo e ocorre até 6% da população, dependendo do estudo e da etnia. Embora possa aparecer em qualquer idade – Mallard foi diagnosticado aos 14 anos – a incidência é maior entre idosos.

Apesar de ser relativamente comum, sua causa exata ainda é desconhecida. Sabe-se, no entanto, que há um forte componente genético: cerca de 50% dos casos ocorrem em pessoas que tem histórico familiar.

O tremor essencial é uma doença neurológica caracterizada por um tremor incontrolável, que ocorre principalmente durante o movimento, em diferentes partes do corpo. As áreas mais afetadas são geralmente mãos, braços, cabeça, laringe, língua e queixo. O acometimento das penas é menos comum, mas pode ocorrer quando as mãos e o restante do corpo já apresenta o tremor.

A doença em si não gera uma ameaça à vida do paciente. A maioria das pessoas é capaz de viver normalmente com esta condição. Por outro lado, ela pode impactar negativamente em sua qualidade de vida, já que interfere eu sua autonomia e autocuidado, ao gerar dificuldade na realização de atividades diárias como comer, se vestir ou escrever. Quando os tremores se agravam, ela pode se tornar incapacitante.

Há ainda a questão do estigma, pois a doença é frequentemente confundidos com Parkinson e outras condições neurológicas. É o que aconteceu com o cantor e compositor Caetano Veloso. Quando ele apareceu com as mãos tremendo enquanto dedilhava o violão na live que fez junto com os filhos em 2020, muita gente se perguntou se ele havia desenvolvido a doença.

O diagnóstico é feito com base na história familiar, no tipo de tremor e no exame neurológico completo. Se os sintomas forem leves, pode não haver necessidade de tratamento. Mas quando o tremor se intensifica e interfere na capacidade funcional ou social do paciente, é possível melhorar os sintomas com medicamentos. Em casos resistentes ou em que a medicação é contra-indicada, a estimulação cerebral profunda pode haver indicação de cirurgia.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana