MULHER

Descubra quais são os signos mais individualistas

Publicados

em


source

Alto Astral

Descubra quais são os signos mais individualistas
Reprodução: Alto Astral

Descubra quais são os signos mais individualistas

Algumas pessoas possuem tendências específicas: umas são mais calorosas, outras distantes e, por meio das características dos signos do zodíaco, podemos identificar quem são os mais sérios e fechados. Veja quem são os signos mais distantes do zodíaco e suas peculiaridades, válido para o signo solar e ascendente.

Áries – Domina o mundo

Os arianos sempre foram conhecidos por sua independência e não se importam se tem ou não companhia para seguir um novo caminho. Apesar de serem pessoas que gostam de estar com os amigos e pessoas queridas, Áries precisa ter um momento só seu. Este signo sempre vai dar preferência por fazer certas atividades sozinhos, sem ter alguém por perto enchendo o seu saco.


Gêmeos – Ninguém o reconhece de fato

Se você pensou no clichê do geminiano duas caras, pensou quase certo. A questão é que os geminianos não se mostram totalmente para as pessoas, mesmo sendo alguém com um círculo social grande. Não são pessoas que se apegam facilmente e, mesmo que isso aconteça, seu apego é diferente do que estamos habituados. Gêmeos tem muitas facetas e não mostra todas, pois não abrem mão do seu espaço pessoal e precisam ficar sozinhos quando precisam de um tempo.

Virgem – Sabe de nada inocente

Virgem já é um signo bem reservado e fala muito pouco sobre o que estão sentindo ou fazendo. Os virginianos falam somente o necessário de suas vidas para dar um breve contexto na conversa e, achar que sabe da vida dessas pessoas por esse pouco que elas falam, é um grande engano. Os virginianos não contam, mas eles vivem diversas lutas e não fala nem um ⅓ do que sentem e vivem.

Escorpião – Se esconde nas sombras

Os escorpianos podem ser bastante alegres e adoram um desafio, mas quando estão com as emoções bagunçadas e com os pensamentos a mil, ele dão um chá de sumiço. Escorpião tem a tendência de ficar quietinho no seu lugar de conforto até conseguir colocar seu sentimentos no lugar, e não tem quem tire eles de lá. Pessoas desse signo guardam sentimentos e intuições que tiveram sobre algo e só contam quando sabem que não era paranoia deles. Quando Escorpião não estiver bem, respeite seu espaço que logo, logo ele sai da caverna.

Capricórnio – O que os olhos não vêem, o coração não sente

Certamente o Capricórnio é o mais distante de todos os outros signos citados aqui, são pessoas que sempre lidaram bem em fazer as coisas sozinhos. Não se importam se vão ter companhia para ir ou fazer alguma coisa, são pessoas bem reservadas e se mostram bem pouco para quem os conhecem. Sua tendência ao isolamento se abrange em todos os seus aspectos, mas não se engane, os capricornianos se apegam rápido e são bastante atenciosos. São pessoas que valorizam as pessoas que estão ao seu lado, mas precisam ter a sua individualidade respeitada.

Aquário – Um livro escrito em latim

Os aquarianos são um livrinho aberto quando querem falar sobre eles mesmo, são bastantes sociáveis e adoram trocar memes, porém, o aquariano não gosta que forçam a intimidade, precisam se sentir à vontade para mostrar seu lado mais íntimo. Para quem os conhece pouco, parecem pessoas bem distantes e frias, mas é só conquistar a confiança deles que verá que são um livro aberto e são bem fácil de ler. Por isso, o aquariano só precisa saber se pode contar com a pessoa para sentir que pode mostrar seu jeito doido típico do signo.

Você viu?

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

MULHER

FRAPs: conheça os chamados Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias nos cães

Publicados

em


source

Alto Astral

FRAPs: conheça os chamados Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias nos cães
Reprodução: Alto Astral

FRAPs: conheça os chamados Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias nos cães

Sabe quando seu cachorro sai correndo pela casa como um foguete? Esses momentos de agitação têm um nome: Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias, ou, na sigla em inglês, FRAPs ( Frenetic Random Activity Periods ). Esses períodos nada mais são do que um acúmulo extremo de energia que ocorre nos cães, podendo ser comparados às descargas de adrenalina nos seres humanos.

Mas fique tranquilo. Segundo Frederico Fontanelli Vaz, docente e coordenador do curso de medicina veterinária da Faculdade Anhanguera ABC, o comportamento é totalmente normal. “É um comportamento natural dos animais”, ele ressalta. Além disso, essa descarga de energia não dura mais do que alguns minutos – em cães de grande porte, pode se prolongar por mais tempo do que em raças pequenas.

Vaz esclarece que o comportamento costuma ocorrer após episódios que desencadeiam algum tipo de estímulo no animal. O médico usa como exemplo o banho, uma refeição ou cochilo e até mesmo a volta de seu tutor ao lar depois de um intervalo longo de tempo. “Isso acontece porque são momentos em que eles estão prontos para gastar a energia reposta”, complementa o veterinário.

E para quem está se perguntando: sim, os bichanos também podem apresentar tal comportamento. Mas, de acordo com o médico veterinário, há algumas diferenças. Ele explica que os gatos são caçadores por natureza. “Por isso, instantes antes do animal apresentar um FRAPs, os tutores podem perceber que ele está em estado de alerta, parecendo que viu ou ouviu algo ameaçador ou curioso”. Mas, assim como nos cães, também é possível que o gato apresente o comportamento após as refeições ou após horas de sono.

Todavia, Vaz pontua que, apesar de natural, essa descarga de energia só é um bom sinal quando esporádica e diz que, se os períodos forem muito repetitivos, é preciso ficar atento. O profissional recomenda procurar por um médico veterinário “a qualquer sinal diferente do comportamento natural”.

Você viu?

No caso dos cães, ele ainda comenta que os Períodos Frenéticos de Atividades Aleatórias podem ser confundidos com o TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo). “Neste caso, os cães podem perseguir a cauda, seguir sua própria sombra ou ‘morder o ar’, como se estivessem tentados a pegar um inseto”, ele pontua.

O médico veterinário também faz questão de lembrar um ponto importante: os tutores devem evitar correr atrás do animal. Isso porque a ação pode levar o pet a pensar que está sendo perseguido, fazendo-o correr ainda mais. “Imagine se isso ocorrer em um local aberto, é perigoso”, ele comenta. Portanto, na rua, para evitar acidentes, controle sempre seu cão e mantenha-o na guia ou coleira. “Em casa, o tutor deve evitar deixar objetos pelo chão para que o cão ou gato não se machuque”, finaliza Vaz.

Consultoria: Prof. Frederico Fontanelli Vaz, graduado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Lavras (2011) e doutor em Ciências pelo programa de Patologia Experimental e Comparada na Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia – USP. Atualmente, atua como docente e coordenador do curso de medicina veterinária na Faculdade Anhanguera ABC.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana