artigos

Cuidado com o ‘Efeito do Feriado de Natal’

Publicados

em

Por Max Lima

Final de ano é comum as festas com muita comida e bebida, gerando um trabalho a mais para o nosso sistema cardiovascular. Com isso todos estamos sujeitos ao chamado “Efeito do Feriado de Natal”, ou em inglês, “Christmas holiday effect” que é caracterizado pela elevada mortalidade cardiovascular no período de 25 de Dezembro a 7 de Janeiro.

Num estudo Neo- Zelandês, foi analisada a mortalidade no período de festas por 25 anos, tendo como resultado 197.109 mortes de causa cardíaca, considerada maior que nas semanas que circundam as festas.

Parece curioso, mas em 1978, Philip Ettinger descreveu o que ele chamou de “Síndrome Cardíaca dos Feriados”, em tradução livre, ou “Holiday Heart Syndrome” (HHS), em inglês.

A doença descrita foi denominada assim por ter sido diagnosticada nos primeiros pacientes em feriados públicos ou em fins de semana. A síndrome se manifesta pelo consumo agudo de álcool por indivíduos previamente saudáveis, que desencadeia arritmias, sendo a mais frequente dela a fibrilação atrial.

Também é comum acontecer uma intoxicação por álcool, o chamado Bloqueio Cardíaco dos Feriados. (“Holiday Heart Block”). O bloqueio é temporário e é revertido espontaneamente, após a metabolização da substância.

O paciente deve ser monitorado para que esse bloqueio não evolua para bloqueios atrioventriculares mais graves. A intoxicação pode, ainda, agravar os atrasos de condução em pacientes com doença do nó atrioventricular preexistente.

Além de causarem efeitos agudos, as festas de final de ano estão associadas a exacerbações de doenças preexistentes, como é o caso da Insuficiência Cardíaca. Foi demonstrado um aumento no número de internações hospitalares por insuficiência cardíaca.

Os principais fatores de exacerbação citados são aumento do estresse emocional, menos exercícios e adiamento de consultas médicas ao longo do período de festas.

Não estamos dizendo que não se deve confraternizar com a família, mas que os pacientes devem ficar atentos quanto aos efeitos do consumo agudo de álcool, horários de medicações e consultas médicas. Até porque o verdadeiro sentido do feriado é descansar e estar com que se gosta. Mas não se pode descuidar da saúde, pois o feriado passa, mas suas consequências por conta de exagero pode perdurar.

Max Lima é médico especialista em cardiologia e terapia intensiva, conselheiro do CFM, médico do corpo clínico do hospital israelita Albert Einstein, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida , Saúde e Diagnóstico. CRMT 6194

 

 

Comentários Facebook
Propaganda

artigos

Dia do advogado, data a ser comemorada.

Publicados

em

Advogado, Pedro Paulo Peixoto da Silva Junior

Por Pedro Paulo Peixoto

Em 1827, no dia 11 de agosto, foram criadas as duas primeiras faculdades de Direito no Brasil, quais sejam, Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo, e a Faculdade de Direito de Olinda, em Pernambuco respectivamente. E por este motivo, convencionou-se de que esta data seria utilizada para se comemorar o “Dia do Advogado”.

Os advogados são os profissionais responsáveis por representar os cidadãos perante a justiça, garantindo a igualdade, a liberdade e a defesa dos direitos humanos. Seu trabalho é indispensável para o exercício da cidadania e da democracia e por este motivo, o legislador constituinte dedicou um artigo específico para garantir o exercício da profissão e sua indispensabilidade para a garantia da justiça. Por essa razão, a advocacia não é simplesmente uma profissão, mas, um munus publicum, ou seja, um encargo público, já que, embora não seja agente estatal, compõe um dos elementos da administração democrática do Poder Judiciário.

Pode-se afirmar que a advocacia, enquanto política, disciplina a liberdade dentro da ordem. Enquanto manifesto ético, é um exercício constante da virtude. Para tanto, é preciso agir em prol do constante serviço aos supremos valores que regem a conduta humana com serenidade, aplicando o conhecimento dos princípios da Justiça.

Par atingir o objetivo traçado pela profissão e até mesmo pela constituição federal, o profissional do direito dedica boa parte do seu tempo ao estudo e atualização para que possa aplicar as diretrizes legais no dia-a-dia do cidadão. Muitas vezes, abdica parte do seu tempo com a família, amigos e até mesmo do lazer para cumprir sua missão social.

Na condição de operador de direito e professor universitário, quando provocado a me manifestar sobre a profissão e como melhor exercê-la, comumente cito as lições deixadas pelo mestre uruguaio Juan Eduardo Couture Etcheverry, catedrático de Processo Civil, Decano da Faculdade de Direito de Montevidéu. Na sua concepção, assim como na de muitos juristas, o profissional do direito que pretende obter sucesso em sua carreira deve aplicar as seguintes regras: 1º- Estudar, 2ª- Pensar, 3ª-Trabalhar, 4ª-Lutar, 5ª- Ser leal, 6ª-Tolerar, 7ª-Ser paciente, 8ª- Ter fé, 9ª- Esquecer. A 10ª regra sugerida por ele, a meu sentir, auxilia em muito as que antecederam, qual seja: Amar a tua profissão. Ele completa “seus conselhos” sugerindo: “Trata de conceber a advocacia de tal maneira que no dia em que teu filho te pedir conselhos sobre seu destino ou futuro, consideres uma honra para ti propor-lhe que se faça advogado.”    

Apesar das relevantes obrigações sociais assumidas pela profissão e a dificuldade para executá-las de forma plena, o profissional do direito comemora o dia 11 de agosto com orgulho e altivez face ao relevante papel que exerce perante a sociedade. A insígnia do IASP – Instituto dos Advogados de São Paulo expressa muito bem sobre a profissão afirmando que a advocacia é: Clarivs qvam grativs officivm, ou seja:Profissão mais ilustre que agradável”.

Por fim, encerro o texto cumprimentando os nobres colegas que decidiram ombrear essa batalha conosco com a finalidade de contribuir com a sociedade através dos seus conhecimentos. 

Pedro Paulo Peixoto da Silva Junior é advogado, especialista em Direito Tributário pela Escola Paulista de Direito, Doutorando em Ciências Sociais e Jurídicas pela UMSA, Professor Universitário e de Cursinhos preparatórios da Disciplina de Direito Tributário, Presidente do IAMAT – Instituto dos Advogados Matogrossenses.

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana