arqueologia

Cuiabá

Publicados

em


Júlio Rocha

Casa Barão de Melgaço

A capital mato-grossense possui enorme potencial em arqueologia urbana. O centro histórico de Cuiabá com peculiar originalidade do traçado das ruas e a conservação feita de adobe e pau-a-pique, foi tombado pelo IPHAN na década de 1980 e ocupa área de 62 hectares em mais de 1000 imóveis entre comerciais e residenciais.
Após o Tombamento da área do antigo centro, o IPHAN tem tomado iniciativas positivas ordenando e fiscalizando a região tombada. A forte pressão urbanística, sentida a partir das décadas de 1960/70, aliada à necessidade de se proceder a uma efetiva gestão nas zonas urbanas arqueologicamente sensíveis e ao estudo e salvaguarda das estruturas arquitetônicas gera expectativa de ação premente das autoridades competentes em salvaguardar o que ainda resta do centro histórico de Cuiabá.

Júlio Rocha
Centro histórico de Cuiabá

Por falta de meios humanos e financeiros, grande parte do rico e variado espólio histórico cuiabano não é objeto de um tratamento sistemático e profundo, de forma a potencializar todos os seus aspectos científicos, pedagógicos e culturais. Inúmeros projetos, idéias e propostas foram apresentados visando recuperar ou mesmo melhorar o centro histórico de Cuiabá. Alguns são sérios e visam revitalizar toda área tombada, outros nem tanto.
Com apoio do IPHAN foi aprovado um projeto apresentado pelo IHGMT – Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, no valor de 7 milhões de reais, visando o rebaixamento da fiação elétrica e telefônica, obra essencial para a restauração do centro histórico. Tal projeto necessita de captação de recursos via Lei Rouanet, e não mereceu, ainda, atenção por parte das autoridades competentes, infelizmente.

Comentários Facebook
Propaganda

arqueologia

Estudo publicado analisou cerca de 230 genomas

Impactos do desenvolvimento

Publicados

em

Por


Isabela Moreira 

 

Pela primeira vez cientistas analisaram o DNA de humanos que viveram antes, durante e depois da revolução agrícola, ocorrida há cerca de 8,5 mil anos. O objetivo é simples:  dos nossos ancestrais de forma a entender como essas alterações influenciaram a sociedade ao longo dos séculos. Até então, os únicos materiais de estudo dos pesquisadores eram ossos e restos físicos da história da Europa. Em termos de comparação, os ossos mais recentes são de 45 mil anos atrás. 

 

“Há décadas temos tentado descobrir o que aconteceu no passado”, disse Rasmus Nielse, geneticista da Universidade da Califórnia, Berkeley, nos Estados Unidos, em entrevista ao The New York Times. “E agora temos um estudo que é quase uma máquina do tempo.”

 

Nielse se refere ao uso de DNA de esqueletos antigos. A partir deles é possível saber, além dos impactos da agricultura nos humanos, a origem do genoma dos europeus contemporâneos. Para realizar o estudo em questão, publicado na Nature na última segunda-feira (23), o geneticista David Reich, da Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos, e sua equipe analisaram os genomas de 230 europeus que viveram entre 8,5 mil e 2,3 mil anos atrás. Os cientistas compararam esses genes com o de humanos vivos atualmente. 

 

A pesquisa sugere que, antes da revolução agrícola, a Europa era composta por populações de caçadores e coletores. Isso mudou com a chegada de um novo povo, cujo DNA lembra o das pessoas do Oriente Médio – tudo indica que eles trouxeram as técnicas de agricultura consigo ao chegar na região.

Por meio da pesquisa, foi possível desmentir alguns boatos que corriam há anos, como o de que os europeus passaram a beber leite a partir do momento em que começaram a criar gado, por exemplo. De acordo com Reich, o gene LCT, relacionado à digestão do leite, de fato se tornou mais comum do que era antes na Europa com a introdução da agricultura, mas ele só começou a aparecer com frequência há somente 4 mil anos. 

 

O estudo permitiu que os pesquisadores mapeassem as mudanças na cor da pele dos europeus. Há 9 mil anos os coletores e caçadores que viviam na Europa tinham origem africana e possuíam pele escura. Os agricultores que chegaram na região em seguida tinham a tez mais clara, o que se reforçou com um gene variante que surgiu anos depois. 

Por fim, os cientistas revelaram que após o advento da agricultura, os europeus ficaram mais baixos, principalmente no sul do continente. 

 

 

*Com supervisão de André Jorge de Oliveira

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana