turismo

Cruzeiro naufragado há 22 anos é atração turística nas Ilhas Salomão

Publicados

em

source
MS Discoverer naufragou nas Ilhas Salomão em 2000
Reprodução/Instagram

MS Discoverer naufragou nas Ilhas Salomão em 2000

Um cruzeiro alemão que naufragou há pouco mais de 22 anos se tornou uma atração turística nas Ilhas Salomão. Os restos enferrujados e deteriorados da MS World Discoverer, embarcação construída em 1974, permanecem desde 30 de abril de 2000 encalhados em uma baía das Ilhas Florida, que compõem a nação insular.

Algumas tentativas de retirar o navio do local foram feitas, mas sem sucesso.  Desde então, os destroços do MS Discoverer se tornaram uma atração turística nas Ilhas Salomão. Vídeos e fotos dos naufrágio podem ser encontrados com facilidade nas redes sociais.

Na época do naufrágio, o navio pertencia à Society Expeditions Cruises, empresa americana especializada em viagens a locais inóspitos como a Península Antártica. Em abril de 2000, o MS Discoverer passeava com seus passageiros pelas Ilhas Salomão.

O navio bateu em um recife que não havia sido ainda detectado por navegadores. Sob o comando do capitão Oliver Kruess, o MS Worls Discoverer, já danificado pela colisão, foi conduzido até o litoral para que não afundasse no mar.

Ao adentrar a Rodrick Bay, a embarcação acabou tendo de ser abandonada pela tripulação e passageiros, que foram resgatados. Ninguém ficou ferido.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Propaganda

turismo

Ilha de Canouan: o lugar onde os bilionários se escondem

Publicados

em

source
O grupo Mandarin Oriental instalou seu primeiro hotel no Caribe
Divulgação

O grupo Mandarin Oriental instalou seu primeiro hotel no Caribe

Corre nas altas rodas do Hemisfério Norte que os bilionários já têm um destino para se esconder dos milionários: a Ilha de Canouan, parte do Arquipélago das Granadinas, no Caribe. Embora pareça exagerado, o lugar se tornou o novo hot spot do luxo, jogando St. Barth, até então a queridinha das celebridades, para trás da fila.

Chegar a esse pedaço do mapa exige um tiquinho de esforço. Voos diários partem de Miami — ou seja: é necessário ter um visto americano — direto para Barbados, parada fundamental nessa conexão. Da terra de Rihanna, que tem sua imagem estampada por todos os lados, um jato particular leva os turistas VIPs até ao aeroporto de Canouan, construído com madeira e palha (não esqueça de levar na mala de mão o certificado da vacinação contra a febre amarela). A ilha tem 7,6 quilômetros e cerca de dois mil habitantes. “Temos mais tartarugas do que gente”, afirma um funcionário do campo de aviação.

Ilha de Canouan
Divulgação

Ilha de Canouan

De certos pontos, com a ajuda de binóculos, é possível avistar as vizinhas estreladas: Bequia, Mustique e Petit St. Vincent, que costumam atrair pessoas abastadas, dispostas a espalhar seus iates por marinas poderosas — a de Canouan é abarrotada de lojas e restaurantes e é avaliada em US$ 250 milhões. Mas nesse pedaço de terra o que salta aos olhos são as ruas calmas e as montanhas desobstruídas, que entregam nas curvas uma visão espetacular de uma das maiores barreiras de corais do Caribe. Os moradores — a maioria agricultores e pescadores — também encantam com sua simpatia e desenvoltura na cozinha em pratos como fruta-pão assada e peixe-gato frito.

No meio dessa “simplicidade”, o grupo Mandarin Oriental instalou seu primeiro hotel no Caribe. São 26 suítes, dois tipos de vilas — oito Patio Villas (que seguem a linha contemporânea) e seis Lagoon Villas (com layout colonial). Alguns quartos têm acesso direto à praia. O que mais impressiona, no entanto, é o sistema computadorizado que controla iluminação, cortinas, ar-condicionado e som por meio de um tablet. Há ainda serviço de mordomo privê.

“As 32 ilhas e ilhotas de São Vicente e Granadinas têm sido um refúgio tropical precioso para viajantes, com praias idílicas e isoladas e acres de terreno intocados e exuberantes”, diz Pietro Addis, gerente-geral do Mandarin Oriental Canouan.

 A ilha tem 7,6 quilômetros e cerca de dois mil habitantes. O paraíso faz parte do Arquipélago das Granadinas, no Caribe
Divulgação

A ilha tem 7,6 quilômetros e cerca de dois mil habitantes. O paraíso faz parte do Arquipélago das Granadinas, no Caribe

Na propriedade, há duas cabanas sobre as águas que funcionam como salas de spa, com tratamentos exclusivos executados por terapeutas asiáticos. Experimente os tratamentos do sono e os faciais com ingredientes naturais da região. Há outras salas ativadas ao lado de montanhas. No roteiro cabem ainda aulas de kitesurf e pesca em alto mar, na Union Island.

“O hotel reúne o que mais amo num destino: o mar azul-turquesa a perder de vista, as praias praticamente desertas, o serviço impecável e a exclusividade. Achei incrível a decoração cor-de-rosa”, avalia a travel blogger Lala Rebelo, que esteve no local em fevereiro de 2020.

O grupo Mandarin Oriental instalou seu primeiro hotel no Caribe
Divulgação

O grupo Mandarin Oriental instalou seu primeiro hotel no Caribe

E não para por aí. O próprio Mandarin organiza esses passeios para outras ilhas da região, como Tobago Cays, onde pode-se almoçar em pleno mar. A trilha para Mount Royal é imperdível e tem vista privilegiada do arquipélago. À noite, a pedida é uma visita ao Scruffy’s Bar — a dica é provar a cerveja local Hairoun.

Dentro do hotel há cinco restaurantes, especializados em culinárias asiática e europeia. Guarde para seu último pôr do sol na ilha o brinde no 13º buraco do campo de golfe do espaço. Dali, é possível contemplar de um lado o Oceano Atlântico e do outro o mar do Caribe.

Siga o perfil geral do Portal iG no Telegram.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana