Saúde

Crise em Manaus: pacientes internados fogem ou pedem para ‘morrer em casa’

Publicados

em


source
Manaus
Bruno Fonseca

Profissional de saúde relata drama durante colapso da saúde em Manaus

MANAUS — Cenas de pavor em alas de hospitais lotados e medo de morrer longe da família estão fazendo com que doentes infectados com Covid-19 fujam de hospitais e unidades de saúde de Manaus e até peçam para “morrer em casa”. O relato foi feito por enfermeiras que atuam na rede pública de saúde da capital.

Segundo elas, alguns pacientes não estão suportando o estresse causado pelo caos no sistema de saúde causado pelo aumento no número de casos de Covid-19 e pela instabilidade no abastecimento de oxigênio hospitalar.

O Amazonas vive o pior momento desde o início da epidemia de Covid-19, no ano passado.

Na semana passada, faltou oxigênio hospitalar em unidades de saúde e houve relatos de mortes de pacientes por asfixia. O pânico fez com que centenas de pessoas se aglomerassem nas portas de empresas que produzem oxigênio hospitalar de Manaus em busca de um cilindro do produto para os seus familiares.

A enfermeira Arlene Loureiro de Albuquerque, que atua no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), contou o caso de um paciente estava internado no Hospital 28 de Agosto, maior de Manaus, que não suportou as cenas vivenciadas nas alas lotadas da unidade e fugiu.

— Ele ficou alucinado vendo tantas coisas. Em questão de horas, algumas pessoas morreram perto dele, e ele ficou com medo e fugiu. Quando chegou em casa, a família tentou internar ele de volta. Ele está com Covid-19 e estava nas alas destinadas a pacientes com a doença. É horrível. Ele não aguentou essa pressão — disse a enfermeira. Segundo ela, o homem, que tem 46 anos, voltou a ser internado.

Você viu?

Ao lado dela, outra enfermeira que trabalha no Hospital 28 de Agosto, mas pediu para não ter o nome divulgado, narrou um caso parecido. Ela contou que, na semana passada, um paciente com Covid-19 demonstrou sinais de estresse diante da movimentação causada pela escassez de oxigênio. Ela disse que o paciente estava em situação moderada e implorava para ir embora.

— Ele queria ir embora pra casa. Ele falava que ia fugir porque, se fosse pra morrer, que morresse em casa e não longe da família — contou a enfermeira.

Horas mais tarde, ela disse, o paciente, que não tinha alta prevista, não estava mais na unidade.

Situação tende a se agravar nas cidades do interior

O caos no sistema de saúde do Amazonas voltou a chamar a atenção na semana passada após os relatos de mortes por asfixia em unidades de saúde do estado.

No dia 14, o governador Wilson Lima (PSC) decretou toque de recolher na cidade como forma de diminuir o avanço da doença. Ao mesmo tempo, o Ministério da Saúde iniciou a transferência de pacientes internados no Amazonas para outros estados.

Apesar do envio de cilindros e tanques de oxigênio, a situação ainda não está normalizada e tende a se agravar em municípios do interior. Segundo a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), a lotação dos leitos de UTI em Manaus está em 98%. A taxa de ocupação de leitos clínicos está em 92,8%.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Pazuello espera vacinar 170 milhões de brasileiros até o fim deste ano; entenda

Publicados

em


source
De acordo com o ministro, não existe nenhuma ação que não esteja sendo feita para garantir a vacinação
Foto: Najara Araújo/Câmara dos Deputados

De acordo com o ministro, não existe nenhuma ação que não esteja sendo feita para garantir a vacinação

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse hoje (25) que espera imunizar até junho 50% da população vacinável do país, atingindo 100% até o final do ano. Pelos cálculos do ministro, isso totalizaria cerca de 170 milhões de brasileiros. Segundo Pazuello, a conta exclui as pessoas que estão na faixa etária até 18 anos, mulheres grávidas, portadores de comorbidades graves e pessoas imunodeprimidas. “Tem pessoas que ainda não podem ser vacinadas.”

Pazuello informou que, desde o início da campanha de vacinação até o momento – em torno de 35 dias –, foram distribuídos entre 13 milhões e 14 milhões de doses de vacina. “É uma vitória do nosso país, com produção própria, em alguns casos; com importação, em outros; e com a capacidade logística de distribuir isso para os estados e para 5.570 municípios de forma simultânea.”

De acordo com o ministro, não existe nenhuma ação que não esteja sendo feita para garantir a vacinação. Pazuello destacou que foram contratadas todas as vacinas “possíveis de ser contratadas. Falo do cronograma com contratos assinados e entregues”. Quem não cumprir os contratos sofrerá medidas cabíveis, advertiu.

Pazuello ressaltou a responsabilidade de cada um no Sistema Único de Saúde (SUS) neste momento da pandemia. “Não podemos deixar de fazer nada”. Ele afirmou que, na ponta da linha, os secretários estaduais e municipais de Saúde e os diretores de hospitais têm que fazer de tudo para aumentar a capacidade de atendimento, de pronto atendimento “e de salvar vidas”.

O ministro prometeu apoio aos secretários, “com tudo que for necessário”, e se disse convicto de que não deixou nada, nem ninguém para trás.

Você viu?

Cepas Pazuello admitiu que diversas cepas do coronavírus já estão no Brasil e destacou que o modo como se desenvolvem em cada cidade e região depende de fatores climáticos, sociais, de saneamento e de cultura.

Segundo o ministro, em Manaus, as medidas implementadas reduziram o número de pacientes infectados, inclusive em unidades de terapia intensiva (UTIs). “Hoje, a informação é que não haveria mais fila em Manaus. É uma grande notícia e isso mostra resultados de um grande trabalho.”

Ele informou, porém, que o número de casos aumentou no oeste do Pará, em Belém, nas capitais do Ceará e da Paraíba, em Goiás, na cidade catarinense de Chapecó e no Rio Grande do Sul, com pontos focais subindo. “Na nossa visão, estamos enfrentando uma nova etapa da pandemia. Ela tem esse vírus mutável que nos dá três vezes mais contaminação. E a velocidade com que isso acontece em pontos focais pode surpreender o gestor em termos de estrutura de apoio. Essa é a realidade que nós vivemos hoje no Brasil.”

O ministro disse que a nova realidade não está centrada apenas no Norte e Nordeste do país, como ocorreu em 2020 e que há outros locais impactados agora. Por isso, destacou a necessidade de o país estar alerta e preparado para combater o vírus.

Com esse objetivo, Pazuello citou três grandes ações. A primeira é o atendimento imediato nas unidades básicas de saúde. A segunda envolve a estruturação da capacidade em leitos para atendimento, incluindo desde recursos humanos e equipamentos até o uso de leitos remoto, ou seja, remoções. E a terceira é a vacinação. “Com essas três grandes estratégias, nós vamos enfrentar a pandemia nessa nova etapa”, afirmou.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana