Saúde

Covid na Coreia do Norte: 3 questões para entender a explosão de casos

Publicados

em

source

BBC News Brasil

Covid na Coreia do Norte: 3 questões para entender a preocupante explosão de casos no país
Norberto Paredes – @norbertparedes – Da BBC News Mundo em Londres

Covid na Coreia do Norte: 3 questões para entender a preocupante explosão de casos no país

Norberto Paredes – @norbertparedes – Da BBC News Mundo em Londres

Depois de anos enfrentando a pandemia de covid-19, muitos países encerraram suas quarentenas e estão lentamente voltando ao normal. Mas na Coreia do Norte a história é diferente.

Após dois anos sem relatar um único caso de covid, Pyongyang informou em 16 de maio que mais de um milhão de pessoas adoeceram com o que é chamado na imprensa estatal de “febre”.

Os números reais podem ser muito maiores do que os oficiais, já que o governo do país de 25 milhões de habitantes é conhecido por seu sigilo. Além disso a Coreia do Norte possui capacidade de teste limitada.

Até agora, pelo menos 56 pessoas morreram, mas não se sabe quantos desses casos suspeitos testaram positivo para o vírus.

A Coreia do Norte anunciou apenas na semana passada seus primeiros casos confirmados de covid, embora especialistas acreditem que o vírus provavelmente esteja circulando há algum tempo.

“A propagação desta epidemia maligna é a maior reviravolta que aconteceu em nosso país desde sua fundação”, disse Kim Jong-un, líder do país, segundo a agência de notícias oficial KCNA.

Consequentemente, seu governo impôs um controle de “emergência máxima” em nível nacional. A Coreia do Norte já é o país mais isolado do planeta.

Liz Throssell, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), expressou preocupação na terça-feira (17/5) sobre o “provável impacto nos direitos humanos” do confinamento imposto pelas autoridades.

Três questões ajudam a entender como a Coreia do Norte chegou neste ponto.

1. Rejeição da ajuda internacional

A Coreia do Norte rejeitou a ajuda da comunidade internacional para fornecer vacinas ao país, acreditando que poderia manter o vírus sob controle apenas com o fechamento de fronteiras imposto em janeiro de 2020.

Vacinas contra a covid.

Getty Images
A Coreia do Norte rejeitou ofertas da comunidade internacional para fornecer vacinas ao país

Alistair Coleman, especialista da BBC em Coreia do Norte, diz que as razões do país Norte para rejeitar ofertas de doses de vacinas do exterior não são claras.

“Algumas fontes acreditam que eles estão esperando por vacinas de mRNA mais eficazes, em vez de imunizar a população com injeções menos eficazes”, explica.

“Outra linha de pensamento é que os suprimentos estrangeiros de vacinas vêm com condições inaceitáveis ​​para Pyongyang.”

Para Kee Park, professor de Saúde Global e Medicina Social da Universidade de Harvard, há outros motivos. Em primeiro lugar, a tradicional teoria filosófica norte-coreana conhecida como “juche” enfatiza a autossuficiência.

“Pedir ajuda não é fácil para eles”, explica o professor em entrevista à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

Além disso, ele explica que desde o início da pandemia, a entrada de carga humanitária na Coreia do Sul foi reduzida porque as autoridades veem a entrada de carga e pessoal externo como uma possível via de entrada para o vírus.

“Com o vírus já dentro do país, eles teriam que reavaliar o risco e o benefício da ajuda externa”, acrescenta Park.

Nos últimos dias, um grupo de aviões da Air Koryo, companhia aérea estatal norte-coreana, fez vários voos para a China, depois de ficarem estacionado por mais de dois anos.

“Esses voos podem sugerir uma mudança na disposição da Coreia do Norte em aceitar carga aérea”, diz o especialista.

Segundo ele, isso poderia ter implicações significativas se eles finalmente decidirem aceitar a ajuda de outras organizações internacionais.

2. Deficiências do sistema de saúde

Atualmente, a Coreia do Norte não tem capacidade de testar sua população, aumentando a escassez de medicamentos e equipamentos essenciais para lidar com o coronavírus.

Medicamentos e equipamentos de proteção individual estão em falta na Coreia do Norte

Getty Images
Medicamentos e equipamentos de proteção individual estão em falta na Coreia do Norte

O professor Kee Park diz que a Coreia do Sul é um país de baixa renda com um sistema de saúde limitado.

“Apesar de uma densidade relativamente alta de profissionais de saúde, o sistema teria dificuldades para lidar com o aumento de pacientes”, diz ele.

Alistair Coleman, especialista em Coreia do Norte, explica que a resposta de Pyongyang à covid sempre foi negar que o vírus exista no país.

“A resposta do Estado foi fechar as suas fronteiras e implementar uma estratégia de higiene para prevenir infeções, pulverizando locais públicos como estações de trem, escolas, hospitais, etc.”

Mas o país não poderia estar menos preparado para combater a doença.

“O sistema de saúde é bem terrível”, diz Jieun Baek, fundador da Lumen, uma ONG que monitora a Coreia do Norte.

“É um sistema muito deficiente. Fora os dois milhões de pessoas que vivem em Pyongyang, a maior parte do país tem acesso a cuidados de saúde de muito baixa qualidade.”

Pessoas que fugiram da Coreia do Norte afirmaram no passado que as agulhas de seringa são reutilizadas até enferrujar e que as garrafas de cerveja são transformadas em recipientes improvisados ​​​​de soro.

Além de uma população não vacinada, há escassez de medicamentos e equipamentos de proteção individual.

Un agente tomándole la temperatura a un alumno como parte de los procedimientos anti covid-19 en Pyongyang el 22 de junio de 2021.

Getty Images

E os testes são muito limitados: apenas 64 mil testes foram realizados desde o início da pandemia, segundo dados da Organização Mundial da Saúde.

Em comparação, a Coreia do Sul realizou até agora 172 milhões de testes.

3. Baixa imunidade coletiva

Como consequência da rejeição de Pyongyang à ajuda da comunidade internacional para vacinar a população, a imunidade coletiva no país é extremamente baixa.

Apesar dos rumores de que alguns membros da elite da Coreia do Norte foram vacinados, a grande maioria dos norte-coreanos não recebeu nenhuma dose contra a covid.

De fato, durante a pandemia, a mídia estatal alertou sobre a ineficácia e os perigos das vacinas contra a covid.

Sem casos confirmados de covid-19 nos últimos dois anos, a população é “imunologicamente frágil ao vírus Sars-Cov-2” e todas as suas variantes, diz o professor de Harvard Kee Park.

“Até agora eles não tiveram nenhum surto, então ninguém desenvolveu imunidade. Além disso, eles ainda precisam vacinar a população. Eles essencialmente não têm proteção imunológica”, acrescenta.

Agricultores norte-coreanos

Getty Images
Há temores de que a explosão de casos agrave a escassez de alimentos na Coreia do Norte

A Organização Mundial da Saúde expressou nesta segunda-feira sua “preocupação” com a situação na Coreia do Norte, já que a variante ômicron parece já ter afetado quase 1,5 milhão de pessoas no país asiático desde o final de abril.

“Como o país ainda não iniciou a vacinação contra a covid-19, existe o risco de o vírus se espalhar rapidamente, a menos que seja reduzido com medidas imediatas e adequadas”, alertou o diretor regional da OMS, Khetrapal Singh, em comunicado.

Liz Throssell, porta-voz do ACNUDH, destacou que, na ausência de uma campanha de vacinação, a propagação da pandemia “poderia ter um impacto devastador na situação dos direitos humanos no país”.

Em comunicado publicado na terça-feira, Throssell apelou às autoridades norte-coreanas para discutirem com as Nações Unidas a abertura de canais de apoio humanitário, incluindo medicamentos, vacinas, equipamentos e outros apoios para salvar vidas.

“Também pedimos às autoridades que facilitem o retorno de funcionários internacionais e das Nações Unidas para ajudar na prestação de apoio, incluindo populações vulneráveis ​​e aqueles que vivem em áreas rurais e de fronteira.”


Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal .

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Monkeypox: OMS muda o nome das variantes do vírus; entenda motivo

Publicados

em

Micrografia eletrônica de transmissão colorida de partículas do vírus da varíola dos macacos (amarelo) encontradas dentro de uma célula infectada (verde), cultivadas em laboratório
Reprodução/NIAD 13.08.2022

Micrografia eletrônica de transmissão colorida de partículas do vírus da varíola dos macacos (amarelo) encontradas dentro de uma célula infectada (verde), cultivadas em laboratório

Um grupo de especialistas reunidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a mudança nos nomes das variantes do vírus monkeypox, causador da varíola dos macacos , nesta sexta-feira. Em vez de carregarem o nome das regiões da África onde são predominantes, agora as linhagens serão reconhecidas por meio de algarismos romanos, em busca de uma nomenclatura “não discriminatória”.

A equipe trabalha para renomear tanto as cepas, como a própria doença, desde junho, quando a organização atendeu a um pedido de diversos virologistas internacionais. O nome que irá substituir o termo varíola dos macacos, no entanto, ainda não foi decidido.

Segundo a OMS, as alterações seguem as melhores práticas atuais para nomear doenças e patógenos, que devem “evitar ofender qualquer grupo cultural, social, nacional, regional, profissional ou étnico e minimizar qualquer impacto negativo no comércio, viagens, turismo ou bem-estar animal”, explica a instituição em comunicado.

Antes chamadas de Clado do Congo – variante predominante na África Central – e Clado da África Ocidental, agora as linhagens são oficialmente nomeadas de Clado I e Clado II, respectivamente. O Clado II é dividido ainda em duas sublinhagens, o Clado IIa e o Clado IIb .A decisão foi tomada pelo Comitê Internacional de Taxonomia de Vírus (ICTV) em reunião realizada no dia 8 de agosto.

De acordo com a OMS, o grupo segue trabalhando para o novo nome que substituirá “monkeypox”, e consequentemente “varíola dos macacos”, em português. A denominação da doença já recebia críticas, uma vez que os macacos não são portadores da doença.

A confusão começou em 1958, quando o vírus foi isolado pela primeira vez. Para isso, os pesquisadores utilizaram um macaco cinomolgo (Macaca fascicularis), espécie natural da Ásia. Porém, os principais animais que carregam o vírus são roedores.

Na última terça-feira, a OMS chegou a lamentar relatos de ataques a primatas ocorridos no Brasil pelo medo da contaminação pela varíola dos macacos, e reforçou que o surto atual é causado pela transmissão entre humanos.

A declaração veio após indivíduos da espécie terem sido envenenados e feridos numa reserva natural em Rio Preto, no Estado de São Paulo. Equipes de resgate e ativistas suspeitam que os animais foram alvos depois que três casos da varíola símia foram confirmados na região.

Além da referência aos macacos, os especialistas reclamavam principalmente da associação das variantes às localidades da África. Em junho, cerca de 30 profissionais ao redor do mundo fizeram uma publicação no virological.org – site em que virologistas compartilham informações sobre vírus em tempo real – pedindo a alteração nos nomes.

Chamada de “Necessidade urgente de uma nomenclatura não discriminatória e não estigmatizante para o vírus monkeypox”, o documento tem entre seus assinantes o brasileiro Tulio de Oliveira, um dos responsáveis por sequenciar a variante Ômicron do Sars-CoV-2 na África do Sul e que foi escolhido como um dos cientistas do ano em 2021 pela revista científica Nature.

O movimento tem argumento semelhante ao realizado no ano passado, quando a OMS passou a adotar letras gregas para as cepas da Covid-19, no lugar da referência ao país em que ela foi identificada. Na época, a epidemiologista-chefe da OMS e líder da resposta ao novo coronavírus, Maria Van Kerkhove, destacou que “nenhum país deve ser estigmatizado por detectar e relatar novas variantes”. Foi, por exemplo, quando a antiga “variante indiana” passou a ser chamada de variante Delta.

Segundo os pesquisadores, a retirada das regiões africanas nos nomes das variantes do vírus monkeypox é uma iniciativa importante, especialmente pelo vírus estar se disseminando agora por todos os continentes.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana