Saúde

Covid-19: Vacinação de crianças avança pelo mundo e impulsiona estudos

Publicados

em


source
Covid-19: Vacinação de crianças avança pelo mundo e impulsiona estudos
Pixabay

Covid-19: Vacinação de crianças avança pelo mundo e impulsiona estudos

A imunização mundial contra a Covid-19 viveu ontem um dia histórico. O comitê consultivo da FDA, a agência regulatória dos Estados Unidos, validou a segurança e a eficácia do uso da vacina da Pfizer em  crianças de 5 a 11 anos. O sim do grupo formado por especialistas americanos de diversas especialidades médicas, abre caminho para o aval definitivo da agência, que deverá acontecer nos próximos dias. E, com isso, como de praxe, provoca efeito em cascata, levando diversos países a dar início à vacinação nesta faixa etária em breve.

Para infectologistas e pediatras, a extensão da imunização abaixo dos 12 anos é uma notícia extraordinária. Crianças e adolescentes correspondem a 32% da população mundial e um quarto da população do Brasil. Só os pequenos representam 8,5% dos brasileiros. Assim, é difícil pensar em proteção coletiva se esse grupo ficar de fora.

Embora elas não adoeçam como os adultos, as hospitalizações e mortes são uma realidade para milhares. No Brasil, crianças e adolescentes respondem por menos de 2% das hospitalizações e 0,35% do total de óbitos por Covid. Pode parecer pouco, mas não é, como reforça Renato Kfouri, presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria.

“Não podemos cair na armadilha de pensar que é pouca coisa porque, em um universo de 600 mil óbitos, são mais de 2.400 crianças e adolescentes mortos. É mais do que todas as mortes causadas por doenças preveníveis por vacinação, como gripe, hepatite, coqueluche, diarreia, febre amarela e tantas outras, que não somam mil mortos”, alerta o médico que destaca outros riscos: “A Covid longa na população pediátrica é uma questão. Cerca de 15% mantem sintomas por cinco semanas, como perda de olfato, cefaleia, distúrbios de concentração e de sono, além da síndrome inflamatória multissistêmica, com letalidade de 7%. São complicações importantes”.

Mas por pertencerem a um grupo com menos riscos à doença, os efeitos colaterais das vacinas ganham um peso maior entre eles. Por isso, é preciso dados ainda mais robustos de segurança e eficácia, algo que as farmacêuticas vêm apresentando rapidamente. Depois da Pfizer mostrar 90,7% de eficácia contra hospitalizações e mortes, a Moderna anunciou anteontem “uma forte resposta imunológica (…) um mês depois da segunda dose e um perfil de segurança favorável com meia dose de sua vacina para a faixa dos 6 a 11.

A estratégia para os pequenos, no entanto, é diferenciada. Em geral, quanto menor a idade, melhor a resposta para as vacinas, porque o sistema imune é mais forte. É como se fosse um carro novo. Diante disso, as vacinas são adaptadas para serem menos concentradas, mantendo o regime de duas doses. A Pfizer mostrou que, para a faixa de 5 a 12 anos, com um terço da dose, a proteção obtida é a mesma da dose plena dos adultos. Até o momento não há registro de problemas com segurança e os efeitos colaterais são semelhantes aos das outras faixas etárias.

O infectologista Filipe Veiga destaca ainda que, nos estudos, não foram encontrados efeitos colaterais importantes como nos jovens em relação a miocardite. Ou seja, ao que tudo indica, vacinar os pequenos é ainda mais seguro.

Leia Também

“A vacinação das crianças é necessária. A grande meta é que estejam plenamente imunizadas para que possam iniciar o ano escolar com todo mundo em maior segurança. Esse é o objetivo. Além disso, elas transmitem o vírus até igual a adulto, porque compensam pela proximidade”, afirma Veiga. É essa tal proximidade que faz com as mães sempre acabem gripadas depois dos filhos.

Leia Também

A decisão dos EUA deve influenciar diversos países no mundo, inclusive o Brasil. Renato Kfouri acredita que é possível começar a imunização dos pequenos ainda esse ano. A farmacêutica deve apresentar seus estudos para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e solicitar que a bula seja alterada. Com o parecer positivo do FDA, a tendência é que a avaliação da Anvisa seja rápida.

Já Filipe Veiga alerta que, por questões logísticas, a vacinação pode ter início só no ano que vem. Um dos complicadores seria o uso de frascos diferentes, com uma marca vermelha para diferenciar bem da vacina dos adultos, como planeja a Pfizer.

CoronaVac

Enquanto os EUA definem a vacinação dos pequenos, outros países já colocaram a campanha em prática. Argentina, China, Chile, El Salvador e Emirados Árabes optaram por usar imunizantes de vírus inativado de fabricantes chinesas, a Sinopharm ou a Sinovac, responsável pela CoronaVac.

Em agosto, o Instituto Butantan submeteu à Anvisa um pequeno estudo para vacinação de crianças, mas a Anvisa entendeu que os dados eram insuficientes. Para Kfouri, a experiência de alguns países pode impulsionar essa aprovação.

“Temos larga experiência com as vacinas inativadas e é tentador usá-las na pediatria. É uma plataforma de segurança reconhecida, usada, por exemplo, na vacinação da gripe. O Chile, que está usando CoronaVac, já tem dados de vida real mostrando que a vacina está indo muito bem. Esse acúmulo de informações deve ajudar a ter essas vacinas licenciadas”.

Por enquanto, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não projeta uma data para vacinação até 11 anos. A Anvisa informa que ainda aguarda resultado dos estudos da CoronaVac, que devem ser finalizados em novembro, e que nenhum outro pedido de imunizante contra a Covid-19 para crianças chegou à agência, que tem acompanhado o tema junto às autoridades internacionais.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Entenda o que é e o que pode causar o politraumatismo

Publicados

em


source
Situação de emergência
Reprodução: commons

Situação de emergência

Recentemente, o politraumatismo tem sido a causa da morte de passageiros envolvidos em acidentes de avião, como a morte da cantora Marília Mendonça em outubro desse ano e do jornalista Ricardo Boechat, em 2019. Além disso, o trauma também foi responsável por ser a consequência de inúmeros acidentes de trânsito em 2013.

Diferentemente do traumatismo, o politraumatismo significa que o indivíduo sofreu múltiplas lesões e/ou fraturas, que podem acometer órgãos vitais e diversos sistemas. O traumatismo consiste somente em uma lesão em qualquer parte do corpo. É o que explica o médico traumatologista Dennis Barbosa ao iG .

O que é politraumatismo?

“O politraumatismo é quando a gente tem uma lesão de dois sistemas diferentes do nosso corpo que potencialmente podem levar a pessoa a morte”, diz o médico.

Barbosa ainda exemplifica alguns tipos de politraumatismo. “Então, por exemplo, um paciente que tem uma fratura no fêmur e um trauma craniano, é dado como um politraumatismo. Uma queimadura muito grande associada a um trauma na cabeça também é um politrauma”.

E acrescenta: “Basicamente, o politraumatismo ocorre quando dois sistemas do nosso corpo são identificados com traumas intensos”. 

Quais as chances de sobrevivência?

Segundo o traumatologista, em casos de muitas lesões as chances de sobrevivência são baixas, mas é preciso analisar cada caso para que as possibilidades sejam analisadas.

“As chances de sobrevivência a um politraumatismo é difícil de ser calculada. Se o paciente rompeu a aorta, por exemplo, é fatal, mas se houve a quebra do fêmur e uma lesão pequena no baço, que também é um politraumatismo, as chances são maiores. Depende da intensidade do politrauma. Quanto maior o trauma mais dificuldade o paciente tem de sobreviver”, explica o médico.

O que pode causar o politraumatismo?

“O politraumatismo pode ser causado por acidentes de alta energia. Pode ser uma simples queda de altura, acidente automobilístico ou cair de paraquedas, por exemplo”, diz Dennis Barbosa.

Leia Também

Em 2013, uma pesquisa feita pelo Hospital das Clínicas de Campinas revelou que os casos de politraumatismo aumentaram cerca de 25%. Na época, segundo informações divulgadas pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, esse tipo de internação cresceu 124% no estado e atualmente a média diária é de 39 internações por dia.

O levantamento ainda mostra que o aumento de politruma é devido ao crescente número de acidentes de trânsito.

Como é o tratamento de um paciente com politraumatismo?

O politrauma é dividido em duas fases, segundo o traumatologista. É feito um atendimento primário e o secundário em todos os casos. Ainda, durante os primeiros exames, os médicos utilizam uma medida chamada ATLS (Suporte Avançado de Vida no Trauma), aplicada em emergências.

“O primário visa salvar a vida do paciente, o qual fazemos a ressuscitação. Nessa fase vamos intervir nas coisas que podem matar o paciente mais rápido, esse protocolo é chamado de ATLS e é feito no pronto-socorro”, explica Dennis.

“O atendimento secundário é feito quando o paciente estiver bem clinicamente. Após constatado isso, as lesões não urgentes são examinadas e é feito uma cirurgia definitiva, caso necessário”, finaliza o médico.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana