Saúde

Covid-19: qual o risco de contágio que cada atividade oferece? veja gráfico

Publicado

 

source

BBC News Brasil

Ilustração de pessoa correndo com cachorro e coronavírus no ar
Especialistas americanos identificaram quais seriam as possibilidades de que as pessoas possam se expôr ao Sars-cov-2 em atividades cotidianas

 

Um gráfico da Associação Médica do Texas (TMA, na sigla em inglês) se tornou viral nos Estados Unidos e no Reino Unido ao apontar os diferentes graus de risco de contágio por covid-19 que atividades cotidianas oferecem.

A tabela foi elaborada por um grupo de 14 médicos da força-tarefa de covid-19 e do Comitê de Doenças Infecciosas da TMA. São especialistas em saúde pública, epidemiologia e infectologia.

“É um gráfico feito para o Texas, mas pode ser usado em outros países. Temos que considerar as diferenças nas realidades de cada lugar, é claro, mas também há muitas coisas que são semelhantes”, disse à BBC News Brasil o médico John Carlo, especialista em saúde pública e membro da TMA, que participou da elaboração da tabela.

Ir à academia de ginástica, frequentar bares e cultos religiosos com mais de 500 fiéis estão entre as atividades mais arriscadas.

Confira abaixo:

Gráfico de risco de contágio por Covid-19 segundo a atividade realizada

Como o ranking foi feito?

As atividades receberam notas de 1 (menos arriscada) a 10 (mais arriscada) de acordo com os seguintes critérios: se eram realizadas em área interna ou externa; a proximidade de outras pessoas; o tempo de exposição ao vírus; a probabilidade de manter as práticas de prevenção contra o vírus, como o uso da máscara, e o risco pessoal — ou seja, a possibilidade de que uma pessoa seja infectada enquanto realiza a atividade.

Para todas as atividades da lista, os médicos assumiram que os participantes estariam usando máscaras, mantendo uma distância de pelo menos dois metros de pessoas que não são familiares e lavando as mãos sempre que possível.

“Este é o resultado de um esforço coletivo e subjetivo, é o ponto de vista de um grupo de médicos que tinham que responder como essas atividades se comparam uma à outra em termos de risco. Mas só a própria pessoa pode saber as condições em que vai praticar cada atividade e determinar o risco total”, disse John Carlo.

É o caso dos shoppings e praias, que aparecem na mesma categoria. Mesmo que um shopping normalmente seja um ambiente fechado, o que está sendo frequentado pela pessoa pode ser espaçoso e bem ventilado, permitindo manter o distanciamento social. E a praia em questão, mesmo sendo um espaço aberto, pode estar abarrotada.

O médico também ressalta que até o risco de um mesmo tipo de negócio pode variar de acordo com a realidade de cada local.

“O melhor exemplo, para mim, é o item ‘ir ao salão de beleza ou à barbearia’. Aqui temos salões em que você é o único cliente, tudo é bem limpo, e as duas pessoas podem usar máscaras. O risco aí é menor do que em um salão onde há muitas pessoas juntas”, afirma.

“É preciso usar o bom senso sobre o cenário em que você vai praticar cada atividade. Nosso gráfico é um bom guia, mas as pessoas têm que analisar seus próprios casos.”

Casos no Texas

O governo do Texas causou polêmica nos Estados Unidos ao ser um dos primeiros a anunciar a reabertura de sua economia e a retomada das atividades normais, em maio.

No mês de julho, durante o verão americano, o Estado chegou a ter uma média semanal de 10 mil novos casos, um dos índices mais altos de infecções por covid-19 nos país.

Agora, a taxa de novas infecções no Texas é considerada em declínio, de acordo com um levantamento do jornal The New York Times, usando dados oficiais.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Cirurgia bariátrica é procedimento pouco acessível, diz associação

Publicado


No ano passado, foram feitas no Brasil 68.530 cirurgias bariátricas, 7% a mais do que no ano anterior, que registrou 63.969 procedimentos desse tipo. Os dados foram divulgados hoje (27) pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), que destacou a importância de ampliar o acesso a tais operações pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e à cirurgia metabólica pelos planos de saúde.

Na saúde pública, houve 12.568 cirurgias bariátricas em 2019 – um crescimento de 10,2%, se comparado a 2018. Na saúde suplementar, por meio de planos de saúde, foram realizadas 52.699 cirurgias bariátricas, com aumento de 6,4% em relação a 2018. Já entre as cirurgias particulares, pagas integralmente pelos pacientes, foram feitos 3.263 procedimentos no país.

Até agora, os dados de 2020 foram divulgados apenas pela saúde pública. Entre janeiro e junho deste ano, foram realizadas 2.859 cirurgias. Em 2019, no mesmo período, já tinham sido feitas 5.382 operações desse tipo pelo SUS. Segundo a SBCBM, a queda se deve à suspensão das cirurgias eletivas com o início da pandemia de covid-19.

O total de cirurgias feitas em 2019 atendeu a 0,5% da população de portadores de obesidade grave, que atinge cerca de 13,6 milhões de pessoas no país, informou a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. “O único tratamento comprovadamente eficaz a longo prazo para a obesidade e doenças associadas a ela como, por exemplo, o diabetes e a hipertensão, é praticamente inacessível para pessoas que dependem do sistema público e dos planos de saúde”, avaliou o presidente da Sociedade, Marcos Leão Vilas Boas.

Segundo a entidade, os estados do Amazonas, de Roraima, do Amapá, de Rondônia e do Piauí não contam com serviços de cirurgia bariátrica habilitados no SUS. Atualmente, o SUS oferece 85 serviços de assistência de alta complexidade à atenção ao indivíduo com obesidade em 22 das 27 unidades federativas.

Cirurgia metabólica

A entidade defende a inclusão da cirurgia metabólica – indicada para portadores de diabetes que não conseguem o controle da doença com medicamentos – no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O procedimento, que já foi regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), atualmente está em consulta pública na ANS para obter a cobertura pelos planos de saúde.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica informou que, nos últimos anos, conduziu estudos de custo e efetividade e também estudos clínicos randomizados que comprovam a remissão do diabetes em pacientes que passam pela cirurgia metabólica. A entidade propõe que, a cirurgia, hoje oferecida aos pacientes com obesidade, seja coberta também para pacientes com diabetes tipo 2.

“Nós temos a cirurgia para o diabetes plenamente regulamentada por uma série de resoluções, mas essa tecnologia não está plenamente acessível no SUS e aos usuários dos planos de saúde. A cirurgia demonstra, tanto no Brasil quanto fora, que é extremamente custo-eficaz. O impacto orçamentário é adequado e capaz de ser absorvido pelo sistema de saúde. O setor seria impacto por apenas dez centavos por mês e por usuário”, afirmou Vilas Boas.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana