Saúde

Covid-19: Fiocruz sugere medidas rígidas para bloqueio da transmissão

Publicados

em


A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sugere a adoção de medidas rígidas para o bloqueio da transmissão da doença em todos os estados, capitais e municípios que se encontram na zona de alerta crítico. O apelo faz parte do Boletim Extraordinário do Observatório Covid-19, divulgado nesta terça-feira (23).

As principais recomendações apontadas pela Fiocruz são a restrição das atividades não-essenciais por cerca de 14 dias, para redução de aproximadamente 40% da transmissão, e o uso obrigatório de máscaras por pelo menos 80% da população.

O documento destaca ainda o agravamento do cenário nacional, que apresenta números extremamente altos de casos e óbitos diários por covid-19, a permanência da tendência de aceleração da transmissão do Sars-CoV-2 e o quadro muito crítico das taxas de ocupação de leitos de UTI covid-19 no Sistema Único de Saúde (SUS) em todo o Brasil.

De acordo com os dados, ocorreram, em média, 73 mil casos diários e 2 mil óbitos por dia na última semana epidemiológica analisada, no período de 14 a 20 de março. O número de casos cresce a uma taxa de 0,3% ao dia e o número de óbitos por covid-19 aumentou para 3,2% ao dia. Também foi observado um aumento desproporcional da mortalidade no país, passando de cerca de 2% no final de 2020 para 3,1% em março deste ano.

Com relação às taxas de ocupação de leitos de UTI covid-19 no SUS, os dados continuam indicando um quadro extremamente crítico no país. Segundo o boletim da Fiocruz, na região Norte, se destaca a saída do Amazonas da zona crítica para a de alerta intermediário, agora com uma taxa de 79%.

Em compensação, piora a ocupação de UTIs covid-19 na região Sudeste: na última semana, em Minas Gerais, a taxa de ocupação cresceu de 85% para 93%; no Espírito Santo, de 89% para 94%; no Rio de Janeiro, de 79% para 85%; e em São Paulo, de 89% para 92%. A região Sul e a Centro-Oeste mantiveram taxas superiores a 96%. Piauí (96%), Ceará (97%), Rio Grande do Norte (96%) e Pernambuco (97%) destacaram-se com as piores taxas na região Nordeste, apontou o boletim da Fiocruz.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Brasileiros são os que mais valorizam vacinação, mostra estudo

Publicados

em


O Brasil é o país que mais valoriza a imunização entre oito nações estudadas em um levantamento global feito pelas empresas GSK e Kantar. Segundo o levantamento, o índice de brasileiros que consideram importante manter a vacinação em dia ficou em 83%.

A vacinação é valorizada por 67% dos canadenses; 65% dos italianos; e 64% dos japoneses.

A pandemia decovid-19 aumentou a valorização da vacinação entre os brasileiros. Antes da pandemia, 59% deles consideravam importante manter essa prática em dia, percentual que pulou para 83% após a chegada do novo coronavírus.  

Entre os brasileiros ouvidos, 49% defendem mais informações sobre a imunização, com explicações sobre quais vacinas são recomendadas pelas autoridades de saúde, por quais razões e com quais benefícios.

O aumento da consideração do papel da vacinação também ocorreu em outros países com a pandemia. Na Itália, o percentual saiu de 32% para 65%, entre os período anterior e posterior à pandemia. No Japão, o índice foi de 30% para 64%.

No levantamento sobre imunização, foram entrevistadas em julho e agosto, 16 mil pessoas com mais de 50 anos no Brasil, Reino Unido, na Espanha, Itália, França, Alemanha, nos Estados Unidos e no Canadá.

Os brasileiros ouvidos também foram os que mais destacaram a importância da saúde e do bem-estar, com 85%. Em seguida, aparecem os italianos, com 84%, e os alemães, com 80%.

Entre os brasileiros consultados, 88% relataram ter feito exames de rotina nos últimos cinco anos.

O levantamento mostra uma diferença de gênero quanto ao reconhecimento da relevância da saúde. No conjunto dos entrevistados de todos os países, a preocupação foi mencionada por 81% das mulheres e por 71% dos homens.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana