cultura

Coral Mato Grosso une rasqueado à música eletrônica; confira o resultado no canal do youtube

Publicados

em

Tchá por Deus! O coral mais cuiabano de Mato Grosso está a caminho das pistas de dança. Em um projeto inovador, o grupo de coralistas que há 27 anos exalta o linguajar cuiabano, agora une música folclórica à eletrônica. Qué vê, iscuta!

A primeira a ser lançada – de sete canções selecionadas para o projeto inovador – é a “O Falar Cuiabano”. De cara nova, já pode ser apreciada no canal do Coral Mato Grosso no YouTube. No decorrer das próximas semanas o público poderá conferir como ficaram as outras seis faixas. Foi o produtor musical e arranjador José Stival quem trabalhou no remix das músicas, a convite do diretor artístico e produtor, Rogê Além.

Um evento em dezembro marcará o lançamento oficial do novo álbum e de um mini-documentário, produtos previstos no projeto Música Mato-Grossense Tipo Exportação, que recebe incentivo da Lei Aldir Blanc. O edital foi realizado pelo Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), em parceria com o Governo Federal, por meio da Secretaria Nacional de Cultura, do Ministério do Turismo.

Sônia Mazetto ficou eufórica quando conferiu as intervenções eletrônicas nas faixas que, até então, eram totalmente orgânicas. “Quando ouvi pela primeira vez, pensei: ‘esse é só o começo. Não vamos parar’’’, relembra. A maestrina do Coral Mato Grosso acredita que a música folclórica se oxigenou com novos fragmentos.

Foi durante a pandemia que a ideia surgiu. Sônia estava inquieta pela suspensão imperativa dos ensaios e apresentações. Foi então que a tecnologia se tornou válvula de escape. Ela convocou o músico Rogê Além, que já realiza um trabalho na área da música eletrônica, para ser o diretor artístico e produtor do projeto que é divisor de águas na história do coral.

“Das pesquisas que eu já realizava, vi que o downtempo se encaixava como uma luva ao som orgânico do coral. E então, com as habilidades do produtor musical José Stival, promovemos a intersecção da música folclórica mato-grossense com este que é um subgênero da música eletrônica. Acredito que foi uma aposta muito bem-sucedida, de universalizar o sotaque cuiabano, o rasqueado e assim, recriar a linguagem da música regionalizada”, explica.

No downtempo, as usuais batidas rápidas e dançantes da música eletrônica dão lugar a padrões de ritmo mais espaçados para que assim possam ser preenchidos por linhas melódicas e harmônicas mais consistentes. Bandas como a Portishead, Gotan Project, Massive Attack e Morcheeba são algumas das que se enveredam pelo gênero.

História de ativismo

Sônia Mazetto relembra que desde que o coral nasceu, no ambiente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), sua principal diretriz era quebrar barreiras do preconceito que havia em relação ao falar cuiabano.

“A gente sempre foi presença fácil em eventos culturais, dos oficiais às festas de santo. E de pronto já éramos reconhecidos quando chegávamos com nossos lenços de chita no pescoço e mais tarde, com as varandas feitas e bordadas pelas redeiras de Limpo Grande”.

Os coralistas sempre foram guiados pela necessidade urgente de exaltar a cultura regional. “De cantar as coisas que representassem o que a gente tem de mais genuíno. E para o lançamento do projeto, tínhamos que escolher a O Falar Cuiabano, pois foi essa canção que deu início a tudo que temos hoje, como grupo, como história, como cuiabanos de chapa e cruz e claro, paus rodados também. É importante ressaltar que mais uma vez estamos fazendo ecoar a sonoridade das obras da compositora Edna Maciel Vilarinho”.

Sônia ressalta que além do figurino característico e músicas que enaltecem a cultura cuiabana, o Coral Mato Grosso sempre teve esmero em tornar atrativas as suas apresentações.

“As performances sempre foram muito marcantes. A gente já fazia stand up, muito antes do estilo se popularizar por aqui. Dessas nossas apostas nasceram dois personagens que seguem até hoje, a Comadre Guanira e o Chico Petxero, ambos interpretados por Gonçalo Cristiano, um dos pioneiros do coral”. Com as músicas recriadas, em breve, o público poderá conferir ao vivo, uma apresentação jamais imaginada, com direito a DJ, globo espelhado e luzes pulsantes.

Somam à equipe do novo projeto, o designer gráfico Eduardo Dario, o assistente de produção André G e os instrumentistas Claudinho (Henrique, Pescuma e Claudinho) e Alex Teixeira.

Curta, siga e compartilhe o trabalho do Coral Mato Grosso nas redes: @coralmatogrosso

Ficha técnica 

Direção Geral e Musical: Sonia Mazetto

Direção Artística e Produção: Rogê Além

Assistente de Produção: André G.

Produção Musical e Fonográfica: José Stival

Direção de Arte: Eduardo Dario

Produção Gráfica: Renan Archer

Instrumentação: Claudinho (viola caipira) e Alex Teixeira (bateria e percussão)

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

cultura

Livro Geoparque Chapada dos Guimarães fomenta desenvolvimento sustentável e turismo

Publicados

em

O livro Geoparque Chapada dos Guimarães – uma viagem pela história do planeta, lançado esta semana, relata os processos geológicos que formaram as rochas que são vistas nas belas paisagens, compondo os paredões e cachoeiras da região e permanecem preservadas há milhões de anos. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) é apoiadora do projeto.

A obra, dividida em 10 capítulos, divulga estudos realizados por pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), e de outras instituições com a história geológica do Parque Nacional a partir da exploração de registros paleontológicos do período Paleozoico e Mesozoico.

O projeto surgiu como uma iniciativa de popularizar o conhecimento produzido por geólogos, geógrafos, turismólogos, entre outros profissionais, levando informação de forma sistematizada para comunidades locais, estudantes, pesquisadores e profissionais para desta forma fomentar o desenvolvimento sustentável por meio do geoturismo e ações pedagógicas.

Geossítios

Um convenio firmado entre Sema, UFMT e Fundação Uniselva deu início ao Projeto Geoparque Chapada dos Guimarães, que consistiu no inventário dos geossítios e especificação da conservação da geodiversidade em locais de alta relevância. Esse projeto está sendo desenvolvido pela Faculdade de Engenharia da UFMT, campus Várzea Grande.

O inventário demonstrou que a área possui geossítios com relevância científica, com elevado potencial para uso turístico ou educacional. “Porém, alguns dos geossítios necessitam de medidas de gestão que possam garantir a sua integridade, uma vez que apresentam risco de degradação. Os critérios relacionados ao potencial de uso educacional e turístico foram mais homogêneos, em geral, com uma nota elevada”, explicou a secretaria adjunta de Licenciamento Ambiental e Recursos Hídricos, Lilian Ferreira.

“O livro é um passeio pelas riquezas da região demonstrando toda a geodiversidade, abordando temáticas geológicas, arqueológicas, flora, fauna, história, gastronomia, pontua Lilian. “servirá como base para o levantamento das potencialidades turísticas da região, e para criação de políticas públicas na área do turismo, unindo conservação e valorização do patrimônio natural da região”.

Publicação

O professor Caiubi Kuhn, um dos organizadores do livro, destacou que o projeto foi desenvolvido por instituições muito importantes para o Estado. “Esse trabalho conjunto entre professores, pesquisadores e estudantes tornou possível o projeto Geoparque”.

A publicação do conteúdo foi viabilizada por meio do apoio da Federação Brasileira de Geólogos (Febrageo), da Associação Profissional dos Geólogos do Estado de Mato Grosso (Agemat) e da Associação de Geólogos de Cuiabá (Geoclube), com patrocínio do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea-MT).

Workshop Geoparque Chapada dos Guimarães

O lançamento do livro, que ocorreu na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, fez parte do III Workshop Geoparque Chapada dos Guimarães, realizado pela UFMT com objetivo de divulgar a riqueza histórica e ambiental do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães, e o potencial turístico da localidade.

Entre os temas abordados nos cursos, minicursos e palestras, estão turismo e natureza, dinossauros no Brasil, geodiversidade e geoturismo no Centro-Oeste e no Parque de Chapada dos Guimarães. Os painéis mostram o potencial da localidade de se tornar um Geoparque Global da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), de importância internacional.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana