economia

Conheça o indicado a presidir o Conselho de Administração da Petrobras

Publicados

em


source
MME divulga indicados para Petrobras
Redação 1Bilhão

MME divulga indicados para Petrobras

A novela para escolher o futuro comando da Petrobras ganhou novo capítulo. O governo indicou Márcio Weber, atual conselheiro da estatal, para ser o próximo presidente do Conselho de Administração da estatal.

Também foi indicado para o cargo de presidente executivo da Petrobras, o ex-secretário do Ministério de Minas e Energia José Mauro Ferreira Coelho.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia 

Os dois nomes foram escolhidos após o presidente do Flamengo e ex-presidente da BR Distribuidora Rodolfo Landim e o consultor Adriano Pires terem recusado o convite diante do provável veto às indicações por causa de conflitos de interesse vedados pelas regras de governança da estatal.

Ex-funcionário de carreira da Petrobras e atual conselheiro da estatal, Márcio Weber vai assumir a posição que foi originalmente oferecida a Landim. O atual presidente do Conselho, Eduardo Bacellar, havia informado que não queria mais continuar na estatal.

Os novos nomes vão passar, agora, pelo crivo dos acionistas no próximo dia 13 de abril quando será realizada de modo on-line a Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária.

Quem é Márcio Weber?

Márcio Andrade Weber é ex-funcionário da Petrobras. Weber foi indicado pelo Ministério da Economia no ano passado para ser conselheiro da estatal.

Formado em engenharia civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ele ingressou na Petrobras em 1976, onde trabalhou por 16 anos.

Leia Também

Weber trabalhou na Petrobras na mesma época em que Landim fez parte do quadro da empresa, na qual tiveram trajetórias semelhantes.

Weber foi um dos pioneiros no desenvolvimento da Bacia de Campos. Além disso, exerceu diversos cargos gerenciais e de direção na área internacional da Petrobras, trabalhando em países como Trinidad (1980-1981), Libia (1984-1986) e Noruega (1987-1990).

Entre 1991 e 1992, foi membro da diretoria de Serviços da Petrobras Internacional (Braspetro).

Fora da Petrobras, foi diretor da  Petroserv, uma empresa que atuou na área de exploração e produção prestando serviços como navegação de apoio e sondas de perfuração para águas profundas.

O currículo dele no site da Petrobras diz que, como diretor da Petroserv participou na construção e operação de quatro plataformas de perfuração para águas profundas, que foram contratadas por Shell e Eni.

Atualmente, presta assessoria ao grupo PMI, empresa que opera essas unidades. Foi ainda presidente da BOS navegação, uma joint venture entre Petroserv e duas companhias estrangeiras.

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Preço do diesel e gasolina sobem nas bombas e batem recorde, diz ANP

Publicados

em

source
Diesel ultrapassou a gasolina em preço médio pela primeira vez, diz ANP
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Diesel ultrapassou a gasolina em preço médio pela primeira vez, diz ANP

O diesel subiu pela terceira semana seguida nos postos, diz a pesquisa de preços da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Na bomba, a gasolina também voltou a crescer para os consumidores após recuo na última semana.

Segundo a ANP, o preço médio do diesel passou de R$ 6,906 para R$ 7,568. É o maior preço médio já verificado na pesquisa do órgão regulador. É uma alta de 9,58% nessa semana.

O mesmo patamar recorde foi verificado na gasolina, que avançou de R$ 7,23 para R$ 7,390, um aumento de 2,18%.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O avanço dos preços nos postos reflete o aumento anunciado pela Petrobras há uma semana. Desde o último sábado, a gasolina subiu nas refinarias de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro, um aumento de 5,18%. Com o diesel, o preço por litro aumentou de R$ 4,91 para R$ 5,61, o que equivale a um reajuste 14,25%.

Mas, apesar do reajuste feito pela Petrobras, os preços dos combustíveis seguem defasados no Brasil, segundo a Abicom, que reúne os importadores. A diferença é de 8% (R$ 0,34 por litro) no caso da gasolina e de 10% no diesel (de R$ 0,61 por litro).

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana