turismo

Como encontrar câmeras escondidas em Airbnb, quartos de hotéis e hostels

Publicados

em


source
É crime! Saiba como se proteger de câmeras escondidas no Airbnb
Pixabay

É crime! Saiba como se proteger de câmeras escondidas no Airbnb



Parece situação que só acontece em filme, mas não é: cada vez mais, hóspedes de hotéis, hostels e aplicativos de hospedagem, como Airbnb, se preocupam com possíveis câmeras escondidas. Além de ilegal, a prática é nociva por comprometer a privacidade e a segurança dos usuários do serviço.

As preocupações, de acordo com especialistas, são cada vez mais válidas. Segundo Guilherme Guimarães, advogado especialista em segurança de informação, há um mercado crescente interessado em materiais de cunho íntimo e sexual na internet, principalmente em sites de pornografia e na chamada deep web.

“Infelizmente temos visto alguns casos, principalmente nos Estados Unidos, e a maioria das ocorrências que acontecem por lá passam a ser replicadas mundo afora. Infelizmente, o Brasil não fica de fora”, complementa Átila Cordova, especialista em segurança estratégica e CEO da empresa de consultoria em segurança Magav.


Ele explica que existem relatos no Brasil, mas não há dados suficientes para calcular os casos no país porque os hóspedes não fazem boletins de ocorrência, não há legislação específica e as plataformas de aluguéis não expõem os nomes. “Normalmente, os aplicativos alegam que essas ocorrências são muito raras dentro da grande quantidade de usuários satisfeitos”, explica Cordova.

Os profissionais alertam que é importante que os hóspedes se mantenham vigilantes e criem o hábito de fazer buscas pelas acomodações. Além disso, ter informações sobre procedimentos e detalhes a ficar de olho podem ser dicas úteis.

Instalação de câmeras escondidas em acomodações configura crime

Apesar de não existir uma lei específica para punir a instalação de câmeras escondidas em Airbnb, hotéis e hostels. Mesmo assim, há um respaldo em outras legislações.

Guimarães afirma que a Lei Federal nº 13.772/2018 criminaliza o ato de registrar, em fotos ou vídeos, cenas de nudez ou ato sexual ou libidinoso em espaços privados sem autorização das pessoas participantes.

Cordova aponta que o Artigo 216-B do Código Penal tem o mesmo propósito e pode deter por um a seis meses de prisão ou multar indivíduos que realizarem o registro de forma ilegal. “O ato pode ser tipificado assim quando as imagens forem utilizadas para os crimes de extorsão, violação da dignidade sexual ou até pedofilia”.

Guimarães explica que o ato também tem respaldo no Artigo 150, que prevê detenção de um a três meses ou multa para indivíduos que permanecem em um ambiente privado e alheio sem a autorização de quem ocupa o local. “Isto porque o indivíduo tem a intenção de entrar e permanecer no imóvel, o que pode ser feito de modo físico ou virtual”, justifica.

Você viu?

Como fazer uma busca por câmeras escondidas?

Os cuidados começam no momento de assinar o contrato de informações do serviço de hospedagem. Cordova explica que, nele, é preciso constar a existência de câmeras de segurança, que não podem ser instaladas em espaços como quartos privados ou banheiros.

O viajante precisa se atetar a todas as regras de hospedagem do Airbnb . Caso nunca tenha alugado antes, o iG Turismo já fez um passo a passo de como alugar um Airbnb pela primeira vez . “Seguir todo o processo de aluguel dentro da plataforma e não tratar diretamente com o proprietário traz algumas garantias e segurança”, indica.

Cordova e Guimarães explicam que as câmeras de segurança estão cada vez menores e, por isso, podem ser instaladas e camufladas com mais facilidade. No entanto, existem pontos estratégicos para a instalação das câmeras e que devem ser checados pelos hóspedes. Os especialistas explicam que é preciso ter atenção aos seguintes equipamentos ou objetos:

  • Relógios digitais;
  • Despertadores;
  • Parafusos de relógios;
  • Lâmpadas ou luzes pequenas;
  • Itens de decoração localizados em lugares estranhos;
  • Bichinhos de pelúcia, principalmente nos olhos;
  • Quadros;
  • Plantas;
  • Sensores de incêndio;
  • Detectores de fumaça;
  • Tomadas
  • Espelhos.

“Ao chegar na casa locada ou no quarto do hotel, verifique esses objetos para ver se existem câmeras ocultas”, aconselha Guimarães. “Analise se nos locais mais privativos existem equipamentos fora de contexto. Por exemplo: não tem sensor de incêndio na casa toda, mas tem um sobre a cama do quarto”, acrescenta Cordova.

Para casos de instalações de câmeras escondidas que desejam captar imagens de cunho sexual, Guimarães indica “entrar na mente” do criminoso. “Imagine qual seria o melhor ângulo para posicionar a câmera”.

Apesar de serem fáceis de camuflar, ambos explicam que as lentes das câmeras escondidas sempre ficam para fora. “No escuro, verifique a existência de pequenas luzes no ambiente. É possível utilizar a câmera do celular para tentar identificar as câmeras com infravermelho. Com a lanterna, pode-se encontrar o reflexo das lentes”, orienta Cordova.

Câmeras escondidas e dispositivos que estejam fazendo transmissões a outros equipamentos podem ser encontradas com um detector de sinal RF, capazes de detectar as frequências e permitir uma varredura detalhada.

Às vezes, o dispositivo consta como conectado na rede Wi-Fi do local. Por isso, verifique se existem conexões desconhecidas e as remova. “Desconecte equipamentos que não utilize e, caso fique em dúvida, cubra-o com uma peça de roupa”, diz Cordova.

Encontrei uma câmera. O que devo fazer?

Caso tenha encontrado uma câmera escondida no Airbnb ou no hotel, é importante não mexer ou comprometer a integridade do objeto. “Produza a prova; ou seja, filme e fotografe. Na sequência, faça o registro de um boletim de ocorrência e comunique à gerência do hotel ou do proprietário do imóvel, no caso do Airbnb”, explica Guimarães.

A prática comum no caso de aplicativos e hotéis, diz Cordova, é que se ofereça o reembolso e novas acomodações gratuitas ou com preço reduzido. “Lembre-se de procurar a polícia caso se sinta ameaçado”.

No caso das câmeras escondidas no Airbnb, a plataforma pode retirar o proprietário daquele imóvel do serviço e entrar com um processo legal. “O proprietário poderá responder criminalmente pelo ato e indenizar o dano moral experimentado pelas vítimas”, diz Guimarães.

Cordova lembra que, apesar de haver respaldo legal e de se tratar de uma ato criminoso, ainda não há garantias e segurança total de que a vítima terá qualquer segurança. “Por isso, é importante levar em consideração o cuidado na avaliação do local que vai se hospedar e buscar boas referências”, salienta o especialista.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Propaganda

turismo

Durma pendurado em uma cabine de vidro nas montanhas do Peru por R$ 2,6 mil

Publicados

em


source
Conheça o Skylodge Adventure Suites, hotel que reúne cápsulas de vidro nas montanhas do Vale Sagrado, no Peru
Divulgação/Natura Vive

Conheça o Skylodge Adventure Suites, hotel que reúne cápsulas de vidro nas montanhas do Vale Sagrado, no Peru

Você dormiria pendurado em uma cabine de vidro de luxo no Peru por R$ 2,6 mil? Essa experiência um tanto inusitada é proporcionada pelas cabines do luxuoso e ousado hotel Skylodge Adventure Suites, construído nas paredes de uma das montanhas que cercam o histórico Vale Sagrado.

Criado em 2019 pelo grupo de empresários Natura Vive, o espaço é voltado para turistas que adoram montanhismo e priorizam o contato extremo com a natureza em suas viagens. As cápsulas foram desenvolvidas seguindo o conceito de Módulos de Vivenda Vertical, criado pelos profissionais.

O hotel consiste em três cabines de luxo penduradas a 300 metros de altura na Via Ferrata do Valle Sagrado, cuja suspensão faz com que os hóspedes se sintam como verdadeiros pássaros em ninhos transparentes. A Via Ferrata está localizada entre os povoados de Pisaq e Ollantaytambo, sendo possível chegar até a região de Cusco. As acomodações estão disponíveis para locação pelo Airbnb e a diária custa R$ 2.621.

As três cabines são feitas de alumínio aeroespacial e policarbonato resistente, sendo próprias para acomodar os turistas. Elas possuem 1,8 metros de diâmetro e são penduradas por cabos fixos de aço. A capacidade máxima das instalações é de 12 pessoas. No Vale Sagrado, também está localizado o complexo do Skylodge da Natura Vive para auxiliar quem está suspenso.

Cada uma das cúpulas possui quatro camas, mesa de jantar e banheiro privativo e, caso queira privacidade, o turista pode usar as cortinas que ocupam o espaço inteiro. As cápsulas dispõem de seis janelas e quatro dutos de ventilação para manter a circulação do ar de maneira adequada.

A iluminação das cabines de luxo é outro detalhe, já que cada uma possui painéis ecológicos que armazenam energia em baterias que alimentam as luminárias no interior do módulo. As cápsulas também acendem do lado de fora no período noturno.

Além da paisagem do Vale, as ruínas das montanhas fazem companhia aos turistas, que podem aproveitar a vista tanto do conforto da cama como sentados de frente para o “abismo” das cadeiras da sala de jantar.

(Continue lendo logo abaixo)

Leia Também

Além do serviço e da construção em si, o Skylodge Adventure Suites é destacado pela refinada e deliciosa culinária peruana. O hotel oferece um vasto cardápio típico para cafés da manhã reforçados e jantares divinos com direito a cartela de vinhos para acompanhar a vista.

Para chegar até as acomodações, os hóspedes precisam escalar a montanha ou descer até elas por uma tirolesa. O hotel ainda dispõe de uma escada e ponte suspensa construídas especificamente para se chegar nos quartos.


Regras de segurança

Não é preciso ter experiência em montanhismo para ficar hospedado e guias estão sempre à disposição e são preparados para acompanhar os hóspedes nessa pequena empreitada. No entanto, existem algumas recomendações para manter todos os turistas em segurança.

Antes de descer às cúpulas, todos os hóspedes recebem treinamento para lidar com o equipamento de transporte. Para fazer o transporte, os hóspedes dispõem de uma cadeirinha de escalada. O acesso aos quartos se dá por uma escotilha localizada na parte de cima da cabine. O peso máximo para fazer a travessia de cada hóspede de maneira segura é de 120 kg.

É preciso que os hóspedes tenham mais de 18 anos. Além de crianças, as instalações também não são próprias para pets. Para fazer a escalada, é recomendado o uso de roupas confortáveis e usar tênis de caminhada ou de corrida.

Nos meses de junho a agosto faz frio. Se a visita for feita nesse período, é importante levar roupas mais quentinhas. O hotel recomenda o uso de jaquetas térmicas para não passar frio de madrugada.

Leve apenas uma mochila pequena para facilitar o transporte da bagagem e fazê-lo de forma segura. Carregue apenas o essencial e não se esqueça de ter ao menos um litro de água — os funcionários podem encher as garrafas vazias dos turistas.

Não esqueça itens de higiene pessoal, como escova e pasta de dentes, já que eles não são fornecidos pelo hotel. Por falar nisso, os quartos não possuem chuveiro; portanto, tenha em mente que a noite passada por lá será sem banho.

Fonte: IG Turismo

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana