MULHER

Como a alimentação excessiva na gestação prejudica mãe e bebê? Entenda!

Publicados

em


source
Como a alimentação excessiva na gestação prejudica mãe e bebê? Entenda!
Reprodução: Alto Astral

Como a alimentação excessiva na gestação prejudica mãe e bebê? Entenda!

Os picos de fome durante a gestação são considerados comuns e até mesmo um dos primeiros sintomas da gravidez. Essa alteração pode acontecer em decorrência de questões hormonais ou até mesmo emocionais. No entanto, sair comendo tudo que encontra pela frente pode colocar em risco não só a saúde da mulher, como também a do bebê.

Embora o aumento da fome não seja uma regra para todas as futuras mamães, ele pode ser cientificamente explicado: “os hormônios progesterona e prolactina estão entre os responsáveis pela mudança de apetite, somados ainda à alteração do pH da boca. Esse quadro ocorre geralmente nos primeiros meses, mas pode se estender”, esclarece a fisioterapeuta e especialista em emagrecimento Edivana Poltronieri.

Por se tratar de um momento tão delicado e sensível, ela destaca a importância de cuidar da saúde emocional, já que muitas mulheres podem encarar a comida como uma maneira de suprir carências desse período e orienta sobre evitar comparações com outras gestantes, afinal, cada gestação é única e fatores como rotina, qualidade de vida e organismo fazem com que cada corpo reaja de um jeito. Ter isso em mente é fundamental para evitar desgastes físicos, mentais e emocionais ao longo dos nove meses.

Desenvolvendo a consciência alimentar

Consciência alimentar significa prestar atenção na qualidade e quantidade daquilo que se come (Foto: Shutterstock)

Você já ouviu aquela história de que uma mãe deve comer por dois? Bom, não é bem assim! “É necessário se atentar à qualidade e quantidade de alimentos para a grávida não correr o risco de ter diabete, pressão alta e até complicações durante o parto. Isso implicará ainda na saúde do bebê nas primeiras fases da vida”, pontua a especialista.

Você viu?

Segundo ela, os hábitos mantidos durante a gravidez podem ser, em alguns casos, a resposta para questões como o peso da criança que apresenta um biotipo diferente do restante da família e até mesmo a rejeição dela à certos grupos alimentares quando ainda pequena. Portanto, estar atenta ao estilo de vida, principalmente durante esses meses, é fundamental.

“A alimentação na gravidez contribui muito para a formação da microbiota intestinal do neném. O quanto a mãe engorda e emagrece, o que ela come, assim como a qualidade e quantidade de alimento, são fatores que vão implicar em toda a formação fetal, podendo determinar até a propensão da criança ser obesa ou não”, destaca a fisioterapeuta.

Para Edivana, desde o momento em que se decide ser mãe é preciso pensar na saúde que seu filho terá no futuro e saber disso poderá ajudar a mulher inclusive, a criar consciência alimentar. “Por esta razão, contar com um especialista é uma ótima opção para ter uma rotina alimentar equilibrada, saborosa e nutritiva para ambos, bem como uma gestação saudável e tranquila”, aconselha.

Fonte: Edivana Poltronieri, fisioterapeuta pós-graduada em Obesidade e Emagrecimento, Dermato-funcional e Cardiovascular Respiratória, é especialista em emagrecimento saudável.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

MULHER

Mulher dá à luz bebê de 6,4 quilos no Arizona; bebê vira celebridade na Internet

Publicados

em


source
Cary Patonai
Reprodução/Instagram

Cary Patonai



Cary Patonai deu à luz um bebê de 6,4 quilos após sofrer 19 abortos espontâneos nos últimos 13 anos. A mãe do recém-nascido vive no Arizona (13), tem 36 anos e já é mãe de outras duas crianças de 10 e 2 anos de idadade. Finnley, o bebê gigante, rapidamente viralizou na web, já que pelo seu tamanho incomum saiu do ventre materno usando roupas de tamanho de 6 a 9 meses.  


Finnley nasceu de cesárea no dia 4 de outubro, mas precisou ficar 8 dias internado antes de poder ir pra casa com a família. “Foi muito difícil para mim (visitar a UTI)… Isso reacendeu muitas coisas a respeito dos meus 19 abortos; sair do hospital sem um bebê”, contou Cary ao jornal The Epoch Times.

Durante a internação, Cary contou que o bebê virou uma “pequena celebridade” pelo o seu tamanho acima do normal. Os dois obstetras presentes no nascimento da criança disseram nunca ter visto um recém-nascido tão grande em quase 30 anos de profissão. 

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana