POLÍTICA MT

Claudinei busca soluções para o combate a roubos e furtos de cargas em MT

Publicados

em


Foto: SAMANTHA DOS ANJOS FARIAS

Após solicitação de apoio dos integrantes da Associação dos Transportes de Cargas de Mato Grosso (ATC), o deputado estadual Delegado Claudinei (PSL)  se reuniu com os diretores da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso (PJC), respectivamente, os delegados Mário Dermeval e Fernando Vasco, na sede da instituição, na segunda-feira (3), em Cuiabá. O assunto tratado entre eles foi o combate a roubos e furtos de cargas e peças de caminhões. 

“Fiz questão de estar aqui e dar essa atenção para este importante setor. Só para ter uma ideia, em Rondonópolis são mais de 15 mil caminhões, sem contar os outros municípios mato-grossenses. Os transportadores de cargas estão sofrendo com prejuízos e danos com os crimes nas estradas. Eles acreditam que há uma quadrilha especializada, principalmente nas regiões de Tangará da Serra e Diamantino, devido ao alto índice de ocorrências”, explica Claudinei.

Crimes – O diretor executivo da ATC, Miguel Mendes, que esteve presente no encontro, inicialmente agradeceu a intermediação do deputado junto aos representantes da Polícia Civil para tratar sobre os crimes que interferem na categoria. “O deputado Claudinei que fez a agenda e é um grande parceiro nas demandas que envolvem a segurança pública. A gente tem recebido, através de nossos associados, informações sobre o crescimento do crime contra o patrimônio. A gente sempre conviveu com o roubo de cargas e veículos. Agora, tudo leva a crer que existe um crime organizado para roubos de transportes de cargas. Hoje somos vítimas, além do roubo de cargas e veículos, do roubo de peças dos caminhões”, explica.

Mendes destaca que este tipo de crime em Rondonópolis é impressionante, tanto que mencionou que já ocorreu no município o roubo de módulos de caminhões que foram furtados em postos de combustíveis e em pátios de transportadoras. “Eles invadem e rendem os seguranças. Estamos tentando fazer algo em relação a estes crimes. Fazer o combate, pois a tendência é acontecer ainda mais. E se ramificar, outros começam a abrir novas empresas de auto peças que, na verdade, comercializam essas peças oriundas de roubos e furtos”, salienta. 

Para criar medidas preventivas para amenizar a situação da categoria, Miguel mencionou que tentam colocar nos caminhões marcas a laser para tentar coibir os crimes contra o patrimônio. “Essa marcação a laser é feita por uma empresa especializada, para tirar é só raspando. Se ficou raspado pode prender que é receptador. É um serviço muito caro, nem todos têm condições de arcar com estes custos”, explica. 

Módulos – Uma das principais peças que os criminosos buscam extrair dos caminhões são os módulos que têm um custo de aproximadamente R$ 35 mil, diz o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de Mato Grosso (Sindmat), Eleus Vieiras Amorim. “Entraram em uma empresa aqui, em Cuiabá, vai fazer seis meses, roubaram no pátio dela, 40 módulos em uma noite. Isso é quadrilha que entraram para roubar. Até hoje, não foi dada a solução. Só a parte de farol é de 12 mil e o cavalo mecânico varia de 640 mil a 700 mil”, detalha.

Outros prejuízos que a categoria enfrenta com os roubos e furtos de caminhões é a dificuldade de fechar a contratação com seguradora, em Mato Grosso. “Só tem uma seguradora que quer fazer o seguro de patrimônio. As demais se recusam a fazer o seguro com patrimônio completo”, alega o presidente do Sindmat. 

Diante das informações passadas pela categoria de transportes de cargas, o delegado-geral dispôs a fazer os devidos levantamentos para a condução dos trabalhos para chegar aos resultados esperados. “A gente sofre com o problema sério de falta de efetivo. O delegado de polícia é essencial, principalmente no interior. Estamos trabalhando os concursos para escrivães e investigadores, estamos nas tratativas finais. Vamos buscar montar uma força tarefa com um trabalho intensivo e com equipe específica”, afirma Dermeval. 

Mário adianta que vai organizar uma agenda com integrantes da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) e Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Veículos (Derfva) para tratar sobre o assunto abordado com o deputado e representantes da ATC. 

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA MT

ALMT aprova projeto de Faissal que prevê apreensões e multa de até R$ 100 mil para pesca predatória

Publicados

em


Foi aprovado na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), em segunda votação, na sessão desta quarta-feira (5), o Projeto de Lei 422/2019, de autoria do deputado estadual Faissal Calil (PV). O texto prevê uma série de alterações na legislação que trata sobre a pesca em Mato Grosso. Com as mudanças, que agora seguem para sanção do governador Mauro Mendes, quem descumprir o que a lei determina pode ser multado em até R$ 100 mil.

O projeto de lei aprovado nesta quarta altera uma série de artigos e parágrafos da Lei 9096/09. Foi inserida, por exemplo, a possibilidade de doação imediata dos produtos perecíveis recolhidos para órgãos e entidade públicas de caráter científico, cultural, educacional, hospitalar, penal, militar e social, bem como para outras entidades sem fins lucrativos de caráter beneficente.

“Mato Grosso é um dos lugares com maior volume de água doce no mundo, composto por inúmeros rios, aquíferos e nascentes, ou seja, um ambiente propício para atividades turísticas, econômicas e de subsistência, entre outras, razão pela qual se destaca por sua tradição pesqueira. Ocorre que essa tradição está em risco devido à forte tendência de redução nos estoques pesqueiros verificada nos rios do estado nos últimos anos, gerada, inclusive, pela pesca depredatória”, afirmou Faissal, ao justificar o projeto.

O deputado aponta que o intuito do projeto aprovado nesta quarta é o de impor penalidades mais severas aos infratores, aumentando valores de multas, além de possibilitar a apreensão dos apetrechos, equipamentos, veículos e embarcações utilizados na prática da infração. Há também outras sanções, como a suspensão e até mesmo a cassação do direito ao exercício da atividade pesqueira para quem descumprir a lei.

Segundo o texto, as penalidades de suspensão do direito ao exercício da atividade pesqueira e de cassação da licença, permissão, concessão, autorização ou registro expedido pelo órgão competente serão aplicadas por decisão fundamentada da autoridade ambiental competente, em processo administrativo, assegurado ao infrator amplo direito de defesa. Os bens apreendidos poderão ser utilizados pelos órgãos ou pelas entidades que atuam na fiscalização ambiental.

“Mato Grosso é conhecido internacionalmente por sua vastidão de rios e seus biomas diversos. Temos rios e espécies de peixes do cerrado, pantanal e da Amazônia em nosso estado. É necessário que nossa legislação seja aprofundada e melhorada, para punir com ainda mais rigor quem pesca de forma predatória, prejudicando a preservação dos nossos peixes. Com multas que agora chegam a R$ 100 mil, esperamos que a sociedade se sensibilize”, completou.

Fonte: ALMT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana