mato grosso

Cinco municípios comemoram aniversário com investimentos em infraestrutura

Publicados

em


Cinco municípios mato-grossenses, com população total de 17.298 habitantes coemoram seus aniversários nesta segunda-feira (28.12), recebendo investimentos em infraestrutura do Governo do Estado que somam mais de R$ 183 milhões. Conquista d’Oeste e Santa Cruz do Xingu comemoram 20 anos de emancipação, enquanto Santa Rita do Trivelato, Nova nazaré e Vale de São Domingos comemoram 21.

Em Nova Nazaré, município de 3.932 habitantes a 789 quilômetros de Cuiabá, está em andamento a pavimentação de 76,5 km da MT-326, entre o município e Cocalinho, cujo lote inclui ainda a ponte de concreto sobre o Rio Água Suja, já concluída, com  investimento total de 119,9 milhões.

Também beneficiando Nova Nazaré, foram concluídas quatro pontes de concreto sobre os rios Corixinho, Corixão, Água Preta e Borecaia, na MT-326, com investimentos de R$ 25 milhões.  

Governo conclui estrutura da ponte de concreto sobre o Rio Corixinho – Sinfra/MT 

Em Vale de São Domingos, cidade de 3.126 habitantes a 434 km de Cuiabá, após mais de uma década de espera, foi retomada a pavimentação de 6,4 km da MT-352, entre o município e o distrito de Máquina Queimada. Investimentos de R$ 4,1 milhões, com recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab).

Também está em andamento a recuperação e conservação de 94,98 quilômetros das rodovias MT-248 e 352, entre o município e o entroncamento da MT-175, em Araputanga. Investimentos de R$ 16 milhões, que vão beneficiar ao menos 15 municípios da região.

Serviços de recuperação e conservação de 94 km entre Araputanga e Vale de São Domingos

Em Santa Rita do Trivelato, com 3.506 habitantes a 355 km de Cuiabá, foi assinado contrato para pavimentação de 34,4 quilômetros da MT-485, conhecida como Estrada do Morocó, interligando o município a Sorriso, no médio-norte de Mato Grosso. O investimento de R$ 18,6 milhões é resultado de uma parceria entre Governo do Estado e Prefeitura de Sorriso.

 

Governo assina contrato para asfaltar a Estrada do Morocó  

Em Conquista d’Oeste, cidade com 4.101 habitantes a 535 km de Cuiabá, o Governo de Mato Grosso investiu R$ R$ 121,2 mil na reforma da Feira Municipal.

Conquista d’Oeste, no sudoeste mato-grossense, 3.506 habitantes, 535 quilômetros de Cuiabá 

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) repassou, aos cinco municípios, um total de 475 testes rápidos para coronavírus, sendo que Santa Cruz do Xingu com 2.633 habitantes a 1.029 km de Cuiabá, recebeu 225 unidades destas. Além disso, os cinco municípios receberam 62.246 comprimidos para combatê-lo, entre azitromicina (7.653), ivermectina (6.123) e dipirona (48.470), também distribuído em gotas, num total de 1.191 frascos.       

Entre janeiro e setembro deste ano, foram repassados aos cinco municípios aniversariantes um total R$ 34 milhões em ICMS, IPVA e Fethab, além de R$ 4,817 milhões em assistência social, transporte escolar, convênios na área de saúde e emendas parlamentares, entre 2019 e julho de 2020.

Economia

Agropecuária, com R$ 420,068 milhões, responde por 45,2%  do Produto Interno Bruto (PIB) total de R$ 928,493 milhões, seguido por serviços (R$ 274,345 milhões); administração pública (R$ 130,366 milhões), impostos (R$ 68,802 milhões) e indústria (R$ 34,91 milhões).  Os dados, do IBGE, são de 2018.

Santa Rita do Trivelato, com R$ 591,66 milhões, é o maior PIB entre os cinco municípios, com destaque para sua agropecuária, que responde por mais da metade deste total, colocando-o como 55º no ranking dos municípios brasileiros com maior  valor de produção agrícola.       

 Santa Rita do Trivelato, 55º no ranking dos municípios brasileiros com maior valor de produção agrícola      

O PIB per capita médio é de R$ 56.766,34, alavancado por Santa Rita do Trivelato, que possui o segundo maior do Estado, com R$ 177.534,25, bem superior ao estadual registrado no mesmo período pelo IBGE, de R$ 39.931,13.

Na agropecuária, Santa Rita também se destaca. Responde por 83,47% da safra de milho, de 707,67 mil toneladas, registrada em 2019 pelo IBGE; por 71,58% da soja (697,3 mil toneladas); e pela totalidade da safra de algodão (73,47 mil toneladas). É 16º no ranking mato-grossense em produção de algodão e milho e 25º em soja.   

Outros produtos agrícolas registrados pelo IBGE nos cinco municípios aniversariantes são banana, borracha, cana-de-açúcar, arroz, feijão, mandioca, melancia e sorgo.   

Na pecuária, o rebanho bovino soma 472,13 mil cabeças, das quais 10,59 mil vacas ordenhadas e uma produção leiteira de 16,799 milhões de litros; enquanto o rebanho galináceo é de 82,15 mil cabeças, com 49,46 mil galinhas e uma produção de 332 mil dúzias de ovos.    

Suínos somam 41,46 mil cabeças, o rebanho ovino, 13,2 mil cabeças, e o equino, 6,66 mil cabeças. A piscicultura somou 315 toneladas de pescado e a apicultura, 25,55 toneladas de mel.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Propaganda

mato grosso

Mato Grosso assina compromisso por bioeconomia em Fórum dos Governadores da Amazônia Legal

Publicados

em

Na 24º edição do Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, o vice-governador de Mato Grosso, Otaviano Pivetta, assinou a carta conjunta na qual os estados firmam o compromisso de promoverem a bioeconomia nos estados. O encontro aconteceu na cidade de Belém (PA) nesta segunda-feira (18.10).

A carta é também um convite para o setor privado nacional e fundos internacionais investirem e incentivarem a bioeconomia na Amazônia. A reunião ocorre em meio ao Fórum Mundial de Bioeconomia, que pela primeira vez ocorre fora da Finlândia.

Durante o encontro, Otaviano Pivetta destacou o compromisso de Mato Grosso com a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável da Amazônia e dos objetivos do Estado de preservar a floresta em pé.

“Trago a mensagem do Estado de Mato Grosso de que temos a convicção de que estamos no caminho certo. Definimos um plano para a neutralização do carbono no estado. O primeiro objetivo para alcançar a meta é o combate ao desmatamento ilegal. Habitamos um estado que se tornou nos últimos 10 anos o líder brasileiro na produção agrícola, e vamos crescer muito em produtividade sem fazer uso da Amazônia. Cerca de metade do nosso território é Amazônico, e nós queremos dar as mãos aos outros governadores da Amazônia Legal para preservar”, afirma o vice-governador.

O presidente do Consórcio, o governador do Maranhão, Flávio Dino, abriu a reunião contando sobre a função do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal como importante espaço para troca de experiências e avanços no desenvolvimento econômico e social da Amazônia Legal, de maneira harmônica e sustentável. O governador do Pará, Helder Barbalho, foi o anfitrião do evento.

Fazem parte do Consórcio os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

O encontro marcou também os preparativos da delegação de secretários que irão participar da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 26), que acontecerá em Glasgow, na Escócia, entre 31 de outubro e 12 de novembro de 2021, sob a presidência do Reino Unido. Este é o principal espaço mundial de formação de compromissos multilaterais pelo clima.

Foi assinado ainda um documento para início das tratativas de captação de recursos para a preservação da Amazônia e combate ao desmatamento por meio do Memorando de Entendimento à Cooperação Alemã-GIZ e Emergente (LEAF Coalition), uma coalizão formada pelos Estados Unidos, Reino Unido e Noruega.

Fórum Mundial de Bioeconomia

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) também participa do Fórum Mundial de Bioeconomia, que discute de 18 a 20 de outubro, em Belém (PA), caminhos para o desenvolvimento sustentável com foco nas comunidades que residem na Amazônia, e na preservação da natureza. Líderes, entidades e especialistas, do Brasil e do exterior, debatem propostas voltadas ao desenvolvimento pleno da bioeconomia.

“Belém recebeu este importante evento para discutir modos de preservar a floresta e produzir de modo sustentável. Com a nossa rica biodiversidade, é importante e urgente transformar os ativos ambientais em receita financeira, fortalecer as cadeiras produtivas que preservam e promovam pesquisas para novas tecnologias. É preciso avançar na discussão da Bioeconomia que queremos para a Amazônia”, avalia a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti.

Em Mato Grosso, o incentivo à bioeconomia está diretamente relacionado aos produtos oriundos do uso sustentável da Floresta, como o café, a castanha do Brasil, guaraná, cacau entre outros. Também agregam à meta a eficiência no uso do solo sem abertura de novas áreas de floresta para produzir mais.

Bioeconomia é um modelo de desenvolvimento ligado ao aproveitamento dos recursos naturais aliados a utilização de tecnologias para criação de produtos e serviços mais sustentáveis. Na Amazônia, o potencial de desenvolver novos produtos que dependem da floresta em pé é muito grande, conta a gestora.

“Participei de uma etapa do Fórum Mundial de Bioeconomia representando a Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Estamos falando da manutenção da nossa floresta em pé, das nossas nascentes e aquíferos, e da nossa biodiversidade viva, moeda verde e reflorestamento das áreas degradadas. Esse é o futuro, fazer da floresta um ambiente econômico e saudável para o mundo”, conta o deputado estadual Allan Kardec.

Também fez parte da delegação de Mato Grosso o secretário Executivo da Sema-MT, Alex Marega, e a assessora de Relações Internacionais, Rita Chiletto.

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana