BRASIL E MUNDO

Cientistas russos descongelam e ressuscitam vermes pré-históricos de 40 mil anos

Publicados

em


source
Vermes
Reprodução/Twitter

Pesquisadores perceberam, após algumas semanas do descongelamento, que vermes estavam se movendo

Um grupo de cientistas da Rússia encontrou um achado histórico ao escavar blocos de gelo retirados de uma das regiões mais frias do país, e que vive em constante estado de congelamento: vermes pré-históricos, de até 40 mil anos, foram descongelados e voltaram à vida.

Segundo informações do jornal argentino Clarín, a investigação sobre os vermes durou 16 anos e foi publicada no jornal científico Doklady Biological Sciences ainda em 2018, mas apenas agora ganhou fama mundial ao viralizar nas redes sociais. 

Ao escavar cerca de 300 blocos de gelo de uma camada de  pergelissolo , que fica em constante estado de congelamento por conta das baixas temperaturas, os pesquisadores encontraram milhares de vermes, de diversos tipos e tamanhos, e resolveram coletar alguns que pudessem ser investigados em laboratório.

Após semanas acompanhando o desenvolvimento dos animais dentro dos blocos de gelo, os cientistas notaram modificações e perceberam que dois espécimes estavam se movendo e começavam a mostrar sinais de vida, movimentando-se em busca do alimento oferecido por eles.

Neste momento, os pesquisadores começaram a realizar experimentos para identificar a idade dos vermes e conseguiram confirmar que um era do gênero Plectus e tem 32 mil, enquanto o outro soma 41,7 mil anos e é do gênero Panagrolaimus detritophagus. Ambos foram encontrados em rios da região de Yakutia, uma das zonas mais frias da Rússia.

Apesar de inusitada, a descoberta dos vermes não marca um novo recorde de animal mais antigo a ser descongelado e ressuscitado. Tal facanha ainda pertence a pesquisadores dos EUA que encontraram um conjunto de bactérias do gênero Bacillus em cristais de sal formados há 250 milhões de anos.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Senadores da CPI da Covid possuem linha de investigação contra governo Bolsonaro

Publicados

em


source
 Senadores da CPI da Covid possuem linha de investigação contra governo Bolsonaro
Reprodução

Senadores da CPI da Covid possuem linha de investigação contra governo Bolsonaro

O governo  Jair Bolsonaro inicia a semana com a missão de se blindar da CPI da Covid, que deverá ser instaurada nesta semana. Os senadores de oposição já possuem os principais pontos de investigação para conduzir a comissão parlamentar de inquérito. As informações são do portal Uol .

A composição dos 11 senadores que irão compor a CPI é desfavorável ao governo. Omar Aziz (PSD-AM) será o presidente , Randolfe Rodrigues (Rede-AP) ocupará a vice-presidência e Renan Calheiros (MDB-AL) assumirá a relatoria . Os membros já definiram os principais pontos que serão investigados:

– Ações e discursos do Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), contrários as medidas restritivas e ações do Supremo Tribunal Federal (STF);

– Promover aglomeração em eventos oficiais, atos e viagens, bem como a não utilização de máscaras;

Menosprezo a vacinas;

Ignorar ofertas de imunizantes pela Pfizer, CoronaVac e Janssen;

– Financiamento insuficiente a Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do Sistema Único de Saúde (SUS);

Você viu?

– Testes de detecção ao novo coronavírus estocados e sem uso próximos ao vencimento;

Promoção de medicamentos sem comprovação científica para o ‘tratamento precoce’ contra covid-19;

– Produção excessiva de cloroquina pelo Exército através de recursos públicos;

– Uso político e interferência na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);

Pagamento para influenciadores promover o tratamento e atendimento precoce;


Senadores mais críticos deverão utilizar a mesma estratégia adotada pelo governo Bolsonaro – em identificar mau uso dos recursos públicos por prefeitos e governadores – para verificar se o governo federal utilizou de maneira adequada as verbas destinadas ao combate a pandemia do novo coronavírus.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana