economia

Carro alugado poderá ter seguro independente de locadora; entenda

Publicados

em


source
Carro alugado poderá ter seguro independente da locadora
iStock

Carro alugado poderá ter seguro independente da locadora

A partir do meio do ano, consumidores poderão contratar seguro de veículos mesmo sem ter um carro próprio e acionar o serviço de acordo com a sua conveniência, em locadoras, por exemplo. A expectativa é que a medida beneficie motoristas e entregadores de aplicativos que recorrem a veículos alugados ou a assinatura de longo prazo para trabalhar.

As novas regras serão colocadas hoje em consulta pública pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) e deverão entrar em vigor entre junho e julho. Caberá às seguradoras desenvolver e oferecer os novos produtos no mercado.

Hoje, o seguro é condicionado à propriedade do bem. Ou seja, quem aluga veículos precisa necessariamente contratar o seguro oferecido pela locadora, embutido no valor das diárias ou nas parcelas mensais, nos casos de contratos de carro por assinatura.

No novo modelo, o seguro poderá ser contratado para o ano inteiro, o que baratearia o valor o aluguel.

Segundo Rafael Scherre, diretor técnico da Susep, as mudanças estão em linha com o padrão internacional e têm por objetivo retirar as amarras para ampliar o acesso da população ao seguro de veículos. Apesar de ser a modalidade mais popular no Brasil, apenas 16% da frota de veículos no país tinha cobertura de seguros em 2019.

“Estamos criando as condições para que as seguradoras possam desenvolver produtos específicos de acordo com as necessidades dos clientes”, disse Scherre.

Você viu?

A nova regra para seguro de veículos faz parte da estratégia da Susep para desregulamentar o mercado de seguros de modo geral. Ela vem após a introdução da modalidade “liga desliga”, quando o seguro somente é acionado quando o motorista está usando o carro.

Na consulta pública a ser lançada nesta terça, também está prevista a possibilidade de segurar apenas parte do valor do veículo.

Para o presidente da Federação Nacional de Seguros Gerais (Fenseg), Antonio Trindade, a medida tem potencial para baratear o custo do seguro, mas o produto continuará sendo precificado de acordo com o perfil do motorista, idade, sexo, dentre outras condicionantes de risco.

O presidente da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Ablas), Paulo Miguel Júnior, disse que será preciso um período de adaptação. Ele citou que ainda não está definido, por exemplo, como ficaria o caso de um cliente que tenha contratado seguro de um carro popular e queira alugar um veículo superior.

“Olhando pelo lado da oferta de produto vai ser muito bom. Porém, eu não sei se o custo dele vai ser viável, entre você acionar um seguro seu ou utilizar o seguro que a locadora já contrata, se o seguro da locadora não seria mais em conta. No primeiro momento, acho que vai ser um pouco complicado”, disse o executivo.

Ele disse ainda não ver problemas para as locadoras porque elas poderão verificar a existência do seguro e as condições do contrato.

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Podcast: Entenda a importância do Censo Demográfico, que deve ficar para 2022

Publicados

em


source
Após corte de verbas, governo federal anunciou o cancelamento da pesquisa neste ano
Reprodução: iG Minas Gerais

Após corte de verbas, governo federal anunciou o cancelamento da pesquisa neste ano

O plenário do Supremo Tribunal Federal ( STF ) decidiu, na sexta-feira (14), que o governo federal é obrigado a realizar o Censo Demográfico , realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas ( IBGE ). No entanto, a Corte entendeu não ser necessário fazer a pesquisa em 2021 e passou a obrigatoriedade para 2022.

A decisão põe fim às discussões de corte de verba para o Censo neste ano. A Lei Orçamentária Anual, assinada por Bolsonaro no fim de abril, prevê corte de R$ 1,7 bilhão para as pesquisas. Na época, o governo justificou necessidade de adequação de contas devido à inflação dia cofres públicos.

Nesta semana, o podcast Economia Descomplicada conversa com o professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Mauro Rochlin, que traz um parâmetro sobre os cortes de verbas e o impacto do adiamento da pesquisa.

Ele defende o Censo antes das eleições, mas não vê problemas na realização dos estudos em 2022. As apurações, segundo Rochlin, não devem ser prejudicadas e podem ajudar na elaboração de políticas públicas.

Economia Descomplicada

O podcast Economia Descomplicada visa tirar as dúvidas dos leitores do iG e democratizar a economia. Os episódios estão disponíveis em agregadores de podcasts e nas redes sociais do portal.

Sugestões de assuntos e dúvidas podem ser encaminhados para o e-mail [email protected] . O internauta deve colocar “podcast” como assunto da mensagem.

Confira a entrevista completa abaixo


Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana