Saúde

Câncer semelhante ao de Bruno Covas costuma ser assintomático e atingir idosos

Publicados

em


source
Prefeito licenciado da cidade de São Paulo Bruno Covas (PSDB)
André Bueno/Câmara Municipal da São Paulo

Prefeito licenciado da cidade de São Paulo Bruno Covas (PSDB)

O tumor que levou o prefeito de São Paulo , Bruno Covas (PSDB), a ser internado em unidade de terapia intensiva (UTI) e intubado, na manhã desta segunda-feira (3), após ter um sangramento no estômago , é mais comum em idosos e costuma ser silencioso. Por serem, na maioria das vezes, assintomáticos, acabam sendo descobertos em exames feitos por outros motivos ou em investigações associadas a refluxo gástrico, esofagite ou a sintomas provocados por metástase em outros órgãos do corpo.

“São tumores que demoram a dar sinais e o tratamento depende do estágio da doença, do quão avançada ela está. Se houver metástase, ele é sistêmico e tem que tratar a doença não apenas nos pontos visíveis, mas o organismo como um todo”, explica Fernanda Capareli, do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, que não integra a equipe que cuida de Bruno Covas.

Especialista em tumores gastrointestinais, Fernanda diz que cirurgia só é indicada em casos muito iniciais da doença. Os protocolos de tratamento são combinações de substâncias quimioterápicas, radioterapia, anticorpos monoclonais e combinações de quimioterapia com imunoterapia.

“Quanto a doença está localizada o tratamento todo é curativo. Quando há metástase falamos em controle da doença. Não temos nenhum tratamento que consiga falar em cura e o objetivo é cronificar (tornar crônica) a doença”, explica a médica.

Fernanda afirma que as estatísticas publicadas em estudos direcionam os tratamentos, mas que cada doença é única e de comportamento biológico distinto.

“Em medicina não tem zero nem 100%. O sucesso do tratamento depende do estádio da doença, do quanto ela é responsiva ao tratamento e se o paciente terá acesso aos tratamentos aprovados. Ao prognosticar um indivíduo, sabemos que tende a se comportar como a maioria dos casos estudados, mas a doença é única, de comportamento biológico distinto. O paciente pode responder mais ao tratamento ou ter uma evolução muito pior”, diz ela.

Você viu?

Segundo ela, em menos de 10% dos tumores se consegue identificar predisposição genética. Na maioria dos casos, o principal é a mutação celular do próprio corpo associada a fatores de risco, como tabagismo, refluxo, obesidade e a presença da bactéria H. pylori, causadora de úlceras e gastrite.

A oncologista Renata D’Alpino, do Grupo Oncoclínica, que também não faz parte da equipe que trata Covas, afirma que o tipo de tumor do prefeito licenciado não está entre os cinco com maior número de ocorrências no Brasil, mas não é um tipo raro.

“O tratamento com quimioterapia prejudica a replicação das células cancerígenas e a imunoterapia acelera o sistema imune do paciente, mas nem todo tumor responde”, afirma.

Segundo ela, os tumores do aparelho digestivo não respondem muito bem à imunoterapia, um dos tratamentos mais modernos disponíveis aos pacientes.

“É um tratamento caro e que não está disponível na rede pública de saúde. Além disso, a imunoterapia não dá os efeitos colaterais da quimioterapia, mas não é isento de problemas. Em alguns casos, o sistema imune pode desenvolver inflamações”, explica Renata.

Segundo ela, a imunoterapia é feita, em geral, a cada duas semanas e o custo de cada sessão gira em torno de R$ 40 mil. Nos planos de saúde há cobertura para tratamento de tipos específicos de câncer, onde já há estudos mais aprofundados, como melanomas e tumores de pulmão e rim.

Renata afirma que alguns tumores são refratários aos tratamentos e torna mais difícil as chances de sucesso.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Fiocruz deve receber mais duas remessas de insumo para vacinas em maio

Publicados

em


Mais duas remessas de Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) estão previstas para chegarem à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ainda no mês de maio. O primeiro lote deve chegar ao Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) dia 22 e o outro é aguardado para o dia 29. A informação foi divulgada pelo instituto nesta quinta-feira (13).

“A quantidade de IFA já disponível na Fiocruz sustentará a produção até meados da próxima semana, garantindo as entregas até a primeira semana de junho. Com as novas remessas, as entregas das três primeiras semanas de junho também estarão asseguradas”, disse a Fiocruz.

Para esta sexta-feira (14), está prevista a entrega de mais 4,1 milhões de doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca, produzida pela Fiocruz no Brasil, ao Ministério da Saúde, totalizando 34,3 milhões de vacinas disponibilizadas ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), o equivalente a mais de 40% dos imunizantes para a covid-19 disponíveis no país.

“Até a chegada do IFA no dia 22, haverá uma interrupção na produção de alguns dias na próxima semana. Caso haja algum impacto nas entregas, ele será avaliado e comunicado mais à frente. O cronograma de entregas permanece semanal, sempre às sextas-feiras, conforme pactuado com o Ministério da Saúde, seguindo a logística de distribuição definida pela pasta”, informou a fundação.

Segundo a Fiocruz, estão sendo processadas, no Centro Tecnológico de Vacinas – CTV de Bio-Manguinhos, um milhão de doses da vacina por dia, e a instituição segue avaliando alternativas para aumentar ainda mais essa capacidade.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana