POLÍTICA NACIONAL

Campanha de Crivella distribui panfletos com fake news contra Paes, que rebate

Publicado


source
panfleto fake news crivella
Reprodução/Twitter

Panfleto distribuído pela campanha de Crivella com fake news contra Eduardo Paes e Marcelo Freixo, que sequer são aliados

A uma semana do segundo turno das eleições, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), parece sentir a distância nas pesquisas para o seu adversário, Eduardo Paes (DEM) , e apela para as fake news para tentar difamar o candidato de oposição. Em busca de conquistar votos, a campanha de Crivella divulgou panfletos que associam Paes a legalização do aborto, liberação das drogas e ‘kit gay’ nas escolas.

No material distribuído no Rio, a campanha de Crivella divide o panfleto em vermelho e azul. Paes aparece na parte vermelha junto com o deputado Marcelo Freixo (PSOL), que anunciou “voto crítico” em Paes para derrotar Crivella. Os dois, segundo a fake news difundida pela campanha do atual prefeito do Rio, defendem a legalização do aborto, a liberação das drogas, e o ‘ kit gay ‘ nas escolas, o que sequer existe.

Tanto Freixo quanto Paes já afirmaram que não há aliança política entre eles, sendo o único ponto de convergência a união contra Crivella nas eleições deste ano.

O panfleto repete os temas da fake news e apresenta Crivella e sua vice, a tenente-coronel Andréa Firmo (Republicanos), como contrários à legalização do aborto, a liberação das drogas e o ‘kit gay’ nas escolas.

O adversário de Crivella no segundo turno no Rio, Eduardo Paes , rebateu o material distribuído pela campanha do atual prefeito: “De novo o ‘pai da mentira’. Primeiro: o PSOL, assim como vários outros partidos, de esquerda, direita, centro, baixo, em cima, recomendou seus filiados a votarem para tirar o Crivella. Mas é importante esclarecer que o PSOL não vai ter qualquer participação num eventual governo meu. Nem eles pediram, nem eu ofereci. Eles já afirmaram, inclusive, que farão oposição a mim a Câmara de Vereadores”, garantiu.

Fake news antiga, a ideia de ‘kit gay’ surgiu entre 2011 e 2012, durante o governo Dilma Rousseff (PT). Segundo a oposição, o governo federal estaria distribuindo um livro que ensinaria a homossexualidade para criança nas escolas públicas, o que nunca aconteceu.

“Eu sou contra aborto , contra a legalização das drogas e contra essa coisa de ideologia de gênero para crianças nas escolas. Esse tipo de orientação deve partir de dentro de casa, no seio da família, como faço em casa. Durante os oitos anos em que fui prefeito, os kits que eu entregava era de material escolar e uniforme”, disse Paes.

Ao UOL, a assessoria de Crivella confirmou que os panfletos são realmente da campanha do prefeito: “Não há nenhuma afirmação sobre ter o kit gay nas escolas, e sim que o aliado de Eduardo Paes [Freixo, segundo a campanha do prefeito] é a favor”. A assessoria nega, portanto, se tratar de fake news.

Confira o que disseram Paes e Freixo sobre as fake news do panfleto



Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Desmatamento na Amazônia mobiliza senadores nas redes sociais

Publicado


Senadores alertaram nesta terça-feira (1) para a alta do desmatamento na Amazônia. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a área desflorestada na região alcançou 11.088 quilômetros quadrados entre agosto de 2019 e julho de 2020 — um crescimento de 9,5% em relação ao período anterior.

O senador Humberto Costa (PT-PE) criticou a postura do presidente Jair Bolsonaro em relação ao meio ambiente. Em uma rede social, o parlamentar disse que os dados do Inpe são “números que Bolsonaro tenta esconder ou jogar a culpa nos índios”. “Bolsonaro precisa parar de tratar o desmatamento como ele trata tudo na vida dele, fazendo piada ou fugindo. Isso não é piada, não é uma brincadeira. O país precisa de ações contundentes”, escreveu.

Para senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), “o afrouxamento da fiscalização e o aceno ao garimpo e a extração ilegal de madeira estão reduzindo drasticamente a área da floresta”. “De acordo com o Inpe, o Brasil teve o maior índice de desmatamento na Amazônia em 12 anos. No ano passado, a área desmatada equivale a 7,2 vezes a cidade de São Paulo.  É o resultado da política ambiental desastrosa e de uma visão de desenvolvimento ultrapassada”, disse.

Segundo o Inpe, a área desmatada de 11.088 km² é a maior área desde 2008, quando foram derrubados 12.911 km² de florestas. O Pará concentra quase metade do desmatamento na atual temporada. Os dados são do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes).

A taxa de desmatamento divulgada pelo Inpe é mais de três vezes superior à meta para 2020 apresentada pelo Brasil à Convenção do Clima de 2009, em Copenhague. Na ocasião, o país estimava um desmatamento de 3 mil km² na Amazônia.

 

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana