economia

Braga Netto manda cortar compra bebida alcoólica pelas Forças Armadas

Publicados

em


source
Braga Netto e os novos comandantes das Forças Armadas
Reproducao / CNN

Braga Netto e os novos comandantes das Forças Armadas


O ministro da Defesa, Walter Braga Netto , disse, nesta quarta-feira (12), em audiência na Câmara, que recomentou que as Forças Armadas  supendessem a compra de bebidas alcoólicas . O ministro justificou que a bebida era consumida em confraternizações “depois de uma atividade estressante”.

“Nós já fizemos a recomendação para que isso seja evitado, já foi evitado isso aí, tá? Não vou comentar situações que ocorreram no passado. Agora, tem confraternizações, o pessoal vai para uma atividade estressante, quando eles voltavam era feita uma confraternização. Hoje em dia isso é feito com contribuição de cada um”, afirmou Braga Netto.

O ministro foi questionado pelo deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) sobre a necessidade de uso de bebidas em cerimônias em plena pandemia de Covid-19 . Documento do próprio ministério confirmou a compra de 80 mil latas de cervejas de várias marcas.


Em sua defesa, a pasta justificou também que as bebidas eram usadas para temperar alimentos. O caso veio à tona após a repercussão negativa ao gasto de R$ 15 milhões do governo federal com leite condensado. O Tribunal de Contas da União (TCU) abriu investigação para apurar possíveis irregularidades.

Essa é a terceira participação de Braga Netto em audiências no Congresso em um período de 15 dias. O ministro participou de reunião na Comissão de Relações Exteriores do Senado no dia 29 de abril, e também esteve na Comissão de Relações Exteriores da Câmara no último dia 5.

Desta vez o ministro da Defesa foi convocado, sendo obrigado a comparecer ao colegiado para explicar sobre leitos ociosos de Covid-19 em hospitais militares . O deputado Orlando Silva classificou a convocação como “ato de desagravo” após o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), derrubar requerimento semelhante, do mesmo colegiado.

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Relatório aponta crescimento da arrecadação em 25 estados e no DF

Publicados

em


source
Espirito Santo é o único estado que apresentou dados negativos na pesquisa
EBC

Espirito Santo é o único estado que apresentou dados negativos na pesquisa

A arrecadação ao longo dos primeiros quatro meses de 2021 subiu em 25 estados e no Distrito Federal , na comparação com o mesmo período do ano passado. Apenas o Espírito Santo não registrou crescimento de receita. Os dados constam no Relatório Resumido de Execução Orçamentária (RREO) com foco nos estados e DF, divulgado nesta segunda-feira (21) pelo Tesouro Nacional .

Segundo o relatório, as maiores altas de arrecadação do primeiro quadrimestre ocorreram em Roraima (31%), Rio Grande do Norte (27%), Piauí (25%), Goiás (24%), Sergipe (24%), Alagoas (23%) e Mato Grosso (23%).

Em relação às despesas, também houve crescimento, mas em 21 das unidades da federação. Os maiores crescimentos foram registrados no Maranhão (32%) e Amapá (23%). Nestes dois estados, inclusive, as despesas superaram o crescimento das receitas, que foram 19% e 7%, respectivamente.

O relatório aponta que houve redução ou estabilidade das despesas em 6 estados, na comparação entre o primeiro quadrimestre deste ano e o mesmo período do ano passado. A maior queda na despesa ocorreu no Espírito Santo (-10%), seguido de São Paulo (- 6%), Rio Grande do Sul (- 3%) e Alagoas (-1%). No Tocantins e no Paraná, as despesas ficaram estáveis (crescimento zero) entre os dois períodos comparados.

Você viu?

A publicação também apresentou o resultado orçamentário dos estados, que corresponde à diferença entre as receitas realizadas e as despesas liquidadas em relação à Receita Corrente Líquida (RCL). No primeiro quadrimestre de 2021, a mediana do resultado orçamentário dos estados ficou em 20%. No mesmo período de 2020, a mediana havia sido de 14% da RCL.

Composição das despesas

O RREO do primeiro quadrimestre de 2021 mostra a composição das principais despesas dos estados e o DF em relação à receita total. Ao todo, 19 estados gastam mais da metade de suas receitas com pagamento de pessoal e encargos sociais . O maior percentual é do Rio Grande do Norte, que compromete 70% das receitas com pagamento de pessoal, seguido por Rio Grande do Sul (69%), Mato Grosso do Sul (63%) e Tocantins (60%). Os estados que gastam menos com pessoal, em relação à receita total arrecadada são: Roraima (40%), São Paulo (44%), Maranhão (45%), Ceará (46%) e Espírito Santo (46%).

O relatório aponta ainda o grau de dependência das transferências de recursos federais na composição das receitas dos estados. A unidade da federação que apresenta mais dependência das transferências é o Acre, que possui 20% de receitas próprias e 80% de transferências correntes na sua receita total. Na outra ponta, São Paulo é o estado em que a composição das receitas tem 7% de transferências e 93% de receitas próprias.

Publicado a cada dois meses pelo Tesouro Nacional, o Relatório Resumido de Execução Orçamentária apresenta as informações fiscais consolidadas de cada ente da República Federativa do Brasil. Segundo o órgão, os dados foram extraídos do Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro, mantido pelo Tesouro, no 1º de junho.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana