POLÍTICA NACIONAL

Bolsonaro volta a criticar isolamento: “Não posso resolver tudo sozinho”

Publicado


source

Nesta quarta-feira (03), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que não pode resolver o isolmento adotado pelos governadores para conter o avanço do novo coronavírus (Sars-coV-2).

Leia também: São Paulo ultrapassa os 70 mil casos de Covid-19 no estado

Presidente Jair Bolsonaro
Agência Brasil

Presidente Jair Bolsonaro

Leia também: Pandemia de Covid-19 está desacelerando em São Paulo, diz secretário

Em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília, Bolsonaro  declarou que não pode “resolver tudo sozinho” e que o país só não está em crise graças ao auxílio emergencial de R$ 600 reais concedido pelo governo.

Leia também: Vacina de Oxford contra Covid-19 será testada no Brasil

Em meio a apelos para interferir na decisão dos governadores – que em maioria optaram pelo isolamento -, Bolsonaro aconselhou que os eleitorem votem melhor nas próximas eleições. O Brasil já ultrapassou a margem de 30 mil mortos pela Covid-19 , infectados somam mais de 500 mil.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA NACIONAL

Projeto garante legítima defesa a morador que usa meio letal contra invasor de imóvel

Publicado


Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Deputado Filipe Barros discursa no Plenário da Câmara
Barros: projeto permite que cidadão possa efetivamente defender a sua vida, o seu patrimônio e a sua família

O Projeto de Lei 4782/20 define previamente como caso de legítima defesa o uso de qualquer meio letal – como arma de fogo, cão de guarda, cerca elétrica, entre outros – contra o invasor de imóvel usado para moradia ou trabalho.

A medida isenta o morador ou responsável de qualquer punição prevista em lei e não se aplica à invasão de imóvel por autoridade policial em caso de flagrante delito, para prestar socorro ou por determinação judicial.

O texto tramita na Câmara dos Deputados.

O que diz a lei hoje
Atualmente, o Código Penal já estabelece que não há crime quando o agente pratica a conduta ilegal em determinadas circunstâncias, como em estado de necessidade; em legítima defesa; em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito. É o caso, por exemplo, da pessoa que reage a um assalto atirando no agressor ou do policial que mata alguém para evitar um homicídio.

A lei, entretanto, é clara ao definir que, em qualquer hipótese, o agente responderá pelos excessos que cometer, como descarregar a arma em alguém desarmado, mesmo que o faça sem intenção ou por imperícia.

O que o projeto muda
Na prática, o projeto deixa de considerar excessiva a conduta do morador de imóvel urbano ou rural que, independentemente do tipo de ameaça e mesmo sem aviso prévio ao invasor, utiliza contra ele força letal dentro da propriedade. Ou seja, mesmo que atire em invasor desarmado, por exemplo, o morador terá assegurado que agiu em legitima defesa.

Autor do projeto, o deputado Filipe Barros (PSL-PR) entende que não há qualquer razoabilidade em aceitar “de mãos atadas” que indivíduos entrem em residências e comércios e saiam impunes.

“Também não há bom senso que justifique a punição daquele que, dentro da sua residência ou local de trabalho, tenha exercido qualquer ato para defender a sua vida, o seu patrimônio e a sua família”, argumenta o deputado.

Ainda segundo a proposta, a legítima defesa com arma de fogo poderá ser exercida pelo morador com qualquer arma registrada em seu nome, mesmo as que estiverem com o registro vencido.

Por fim, sempre que exercer a defesa do imóvel, o morador deverá comunicar imediatamente a autoridade policial, informando eventual necessidade de atendimento médico ao invasor.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei.

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Natalia Doederlein

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana