BRASIL E MUNDO

Banco Nacional de Perfis Genéticos atinge a marca de 100 mil perfis cadastrados

Publicados

em


Ferramenta importante para auxiliar em investigações criminais, o Banco Nacional de Perfis Genéticos ultrapassou a marca de 100 mil perfis cadastrados. A maior parte é ligada a pessoas envolvidas em casos violentos e de abuso sexual. O banco foi criado em 2013 e é coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Dos 100 mil perfis, cerca de 75 mil são de condenados e 16 mil de vestígios de local de crime. Esse material já ajudou em mais de duas mil investigações no país.

Com essas informações cadastradas no banco é possível apontar a autoria de crimes sem solução, além de comprovar a inocência de suspeitos e interligar um caso com outras investigações das demais esferas policiais, funcionando assim como uma ferramenta eficiente para resolver crimes.

“Isso possibilitou a resolução de muitos crimes. Muitas investigações criminais foram auxiliadas diretamente por meio do Banco Nacional de Perfis Genéticos”, ressaltou o coordenador da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Guilherme Jacques. “São crimes sexuais, mas não só eles. Praticamente qualquer crime que o criminoso deixe material biológico pode ser auxiliado. Mesmo crimes contra o patrimônio, homicídios cometidos com arma de fogo, não raro o criminoso deixa seu material biológico no local.”

Segundo ele, recentemente, no país, até mesmo crimes como assalto a bancos e a transportadora de valores foram esclarecidos por essa tecnologia.

Como funciona

O Banco Nacional de Perfis Genéticos é usado em investigações criminais de todo o Brasil por meio da prova pericial do DNA. O material genético é coletado pela perícia no local do crime ou no corpo da vítima. São, por exemplo, vestígios como fios de cabelo, sangue e outros materiais biológicos. Além de exames feitos pelas vítimas de violência no Instituto Médico Legal (IML).

O material genético é coletado também de condenados por crimes graves e hediondos. A partir de lei aprovada em 2012, ficou determinado que é obrigatória a identificação do perfil genético de condenados por crime com violência de natureza grave, como homicídios, latrocínio, sequestro e estupro, ou em casos que sejam determinados pelo juiz.

Cada estado faz a adesão à rede para alimentar o banco de perfis genéticos nacional. “Por meio desse repositório central, todas as instituições de perícia conseguem compartilhar e comparar perfis genéticos obtidos em diferentes regiões do país. A perícia do Rio Grande do Sul alimenta esse banco, compara com dados de São Paulo, que por sua vez compara com dados da Bahia, permitindo essa integração nacional que é muito importante para a segurança pública”, exemplificou Guilherme Jacques.

Investimentos ampliados

No ano de 2020, o Ministério da Justiça investiu mais de R$ 80 milhões no trabalho do banco de perfis, numa ação conjunta entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), a Polícia Federal e as secretarias de segurança pública estaduais para o compartilhamento de perfis genéticos obtidos em laboratórios de Genética Forense.

Em 2019, o investimento havia sido de R$ 35 milhões. Até o fim de 2019, o banco tinha cerca de 70 mil perfis genéticos cadastrados.

A Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos já conta com 20 laboratórios estaduais, um no Distrito Federal e um na Polícia Federal.

Fonte: Brasil.gov

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

VÍDEO: homem põe fogo na casa da ex com ela e o filho do casal dentro no RJ

Publicados

em


source
Damião Lucas Matias de Moraes, de 28 anos, foi preso por tentativa de feminicídio
Divulgação

Damião Lucas Matias de Moraes, de 28 anos, foi preso por tentativa de feminicídio

Um homem identificado como Damião Lucas Matias de Moraes, de 28 anos, nesta terça-feira (27), colocou fogo na casa da ex-companheira com ela e o filho do casal dentro, em Imbiriê, Duque de Caxias, na Baixada Fluminense (RJ). A vítima registrou na câmera do celular o momento que ele começa a ação. Veja abaixo. O homem foi preso na última terça-feira (26) por tentativa de feminicídio.

A vítima relatou ao delegado Marcos Santana Gomes, titular da 62ªDP (Imbariê), que Damião, por não aceitar o término do relacionamento, que ocorreu há cerca de um mês, vinha lhe ameaçando através de áudios dizendo que iria queimá-la viva.

“No dia do crime ele entrou na casa com um galão de gasolina, obrigou a vítima a sentar no sofá da sala e lançou o combustível no cômodo e ateou fogo no sofá embebido de gasolina”, disse o delegado.

A jovem de 23 anos gravou o momento em que ele começa a execução do crime. Na gravação, a qual O DIA teve acesso, ela faz menção ao filho que estava em casa e o cheiro de gasolina derramada no local.

“Não tem volta, tá decidido”, iniciou Damião. “Precisa fazer isso?”, questionou ela. “Você não tem ninguém mais. Eu não tenho família”, disse o homem. “Aí você vai fazer isso comigo e com teu filho? Olha o cheiro, você vai acabar botando fogo na casa, cara. Para com isso”, pediu a vítima.

A perícia concluiu que Damião arrombou a porta para entrar na casa e que o foco do incêndio é o sofá, local onde a vítima ficou sentada a mando do homem.

De acordo com a polícia, a jovem sofreu algumas queimaduras e disse que só escapou com a ajuda de vizinhos, que viram a casa pegando fogo. A criança, de 2 anos, que estava dormindo no quarto, não se feriu. O caso está sendo investigado pela 62ªDP (Imbariê).

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana