BRASIL E MUNDO

Auxílio Emergencial será pago a mais 1,15 milhão de pessoas

Publicado


.

O Ministério da Cidadania divulgou o calendário de pagamento do Auxílio Emergencial do Governo Federal para mais 1,15 milhão de pessoas que tiveram pedidos revistos aceitos. Portaria publicada nesta segunda-feira (3) no Diário Oficial da União traz as datas de crédito na Poupança Social Digital da Caixa Econômica Federal, todas em agosto, e do saque em dinheiro que será feito este mês e em setembro.

A partir desta quarta-feira (5), 483 mil pessoas que nasceram entre janeiro e maio terão o dinheiro na conta.

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, destacou os números do Auxílio Emergencial, que com esse novo lote vai chegar a mais de 66,5 milhões de pessoas. O investimento até o momento é de R$ 145,9 bilhões. “Seguimos firmes na determinação do presidente Jair Bolsonaro de não deixar ninguém para trás. Atuamos com transparência e estamos fazendo o benefício chegar a quem realmente necessita. Em poucos meses, o Governo Federal foi capaz de retirar o maior contingente de pessoas da extrema pobreza da história recente do Brasil”, ressaltou o ministro.

O público contemplado na portaria publicada hoje é o que realizou o procedimento de contestação entre os dias 24 de abril e 19 de julho e foi considerado elegível a receber a primeira parcela. Além desse contingente, entram no lote as pessoas que receberam a primeira parcela em abril e tiveram a concessão do benefício reavaliada após atualizações de dados governamentais. Para esse último grupo, o calendário inclui o crédito da terceira e da quarta parcelas.

Outras parcelas

Os pagamentos das parcelas seguintes para esse grupo de 1,15 milhão de beneficiados seguirão o calendário divulgado anteriormente pelo Ministério da Cidadania na Portaria 442 de 16 de julho de 2020. De acordo com esse cronograma, as parcelas do Auxílio Emergencial serão pagas entre 28 de agosto, para quem nasceu em janeiro, e 30 de setembro, para quem faz aniversário em dezembro. A diferença é se a pessoa receberá a segunda, terceira, quarta ou quinta parcela, dependendo do lote de pagamento em que ela está inserida.

 

Com informações do Ministério da Cidadania

Fonte: Brasil.gov

Comentários Facebook
publicidade

BRASIL E MUNDO

Arthur do Val diz que “a prefeitura estará despachando do meio da cracolândia”

Publicado


source
Arthur do VAL
Divulgação/Alesp

Arthur do Val foi o candidato à prefeitura de São paulo entrevistado pelo iG nesta quinta-feira (01).

Em entrevista transmitida ao vivo no canal do iG no Youtube e pela página no Facebook, Arthur do Val (Patriota), candidato a prefeito da cidade de São Paulo nas eleições municipais de 2020, disse que a “prefeitura vai despachar do meio da cracolândia”.

Além disso, o candidato também falou sobre redução de impostos, Minhocão, redução de secretarias e comentou os áudios vazados do jornal The Intercept. Confira a entrevista na íntegra:


Cracolândia

Ao ser questionado sobre seus projetos de intervenção na cracolândia, Arthur disse que suas propostas são imediatas e que, caso seja eleito, a prefeitura estará no local no dia 2 janeiro. “Eu não ‘to’ fazendo uma promessa de que daqui 4 anos tal coisa vai acontecer. A minha promessa é imediata. Se eu ganhar a prefeitura este ano, no dia 2 de janeiro a prefeitura estará despachando do meio da cracolândia”, afirmou o candidato do Patriota.

Impostos

Arthur também comentou quais são suas propostas para a redução de impostos. “Nós vamos, em primeiro lugar, zerar o ITBI (Imposto sobre Transação de Bens Imóveis). Já desenhei com a minha equipe econômica e dá pra zerar”, diz o candidato.

Além disso, o entrevistado também disse que vai reduzir custos diminuindo o número de cargos comissionados. “Vamos acabar com o excesso de cargos comissionados indicados politicamente. Só de cargos comissionados em subprefeituras que são indicados politicamente, nós estamos falando de mais de meio bilhão de reais todos os anos”, diz Arthur, que complementa: “É um gasto que dá sim para ser extinto”.

Minhocão

O candidato também se posicionou sobre a questão do futuro do Minhocão, chamando a discussão de cosmética e atrelou possíveis mudanças na construção à alteração do plano-diretor. “Essa discussão do Minhocão, hoje, é uma discussão cosmética. É uma discussão de quem não entende a vida real. É uma discussão de pessoas que vivem numa bolha política. Você não consegue mexer no minhocão se não tiver outro plano diretor”, disse Arthur, que completou: “Rever o plano diretor é muito mais importante do que ficar brincando de falar que vai construir parque no Minhocão ou derrubar”.

Redução de Secretarias

Outro ponto abordado por Arthur diz respeito à redução de secretarias no governo municipal. O candidato informou que pretende trabalhar com apenas 10 secretarias, sendo elas:

  • Fazenda, Gestão e Planejamento,
  • Relações Institucionais (unindo Casa Civil, Relações Internacionais e Secretaria de Governo)
  • Infraestrutura e Urbanismo (unindo Obras e Infraestrutura, Licenciamento e Urbanismo)
  • Secretária de Ensino
  • Secretária de Saúde
  • Secretária de Cidadania (unindo Esporte e Lazer, Assistência e Desenvolvimento Social, Cultura, Direitos Humanos e Pessoas com Deficiência)
  • Secretária de Justiça e Segurança
  • Secretaria do Verde, Meio Ambiente e Bem Estar Animal
  • Controladoria Geral Município
  • Procuradoria-Geral do Município

Áudios Vazados

O candidato também se posicionou pela primeira vez sobre os áudios vazados pelo jornal The Intercept, dizendo que o jornal obteve o material de “forma criminosa”. Ele também disse que, em nenhum momento, foi possível ouvir o MBL (Movimento Brasil Livre) “disfarçar ou não falar de escândalo de corrupção”. “Foi justamente quando apareceram as primeiras ações ‘questionáveis’ do Flávio (Bolsonaro) foi um momento de dúvida do grupo”, disse Arthur. Ele disse ainda que, em nenhum momento, o movimento cogitou defender Flavio e que a postura do MBL foi “bater de frente”.

O candidato também comentou sobre a intervenção na Jovem Pan, dizendo que na época em que brigava com Felipe Ferreira, ele disse que houve uma “vandalização” da sede do MBL e que ele afirmou que “essa turma é a turma do Felipe Ferreira”. Arthur também disse que pediu desculpas para Felipe e que ele não tinha nada a ver com o caso.

O candidato também diz que usou uma palavra errada: inventei. “Não é ‘inventei’. Eu lembrei disso daqui e acabei falando ‘inventar’”, explicou Arthur. Ele disse, ainda que o The Intercept estaria querendo “aparecer” e “tentando tirar leite de pedra”.

Perfil

Conhecido como “Mamãe Falei” por conta de seu canal no YouTube, Arthur se alçou à política após começar a fazer vídeos em manifestações de rua contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2015, e se aproximar do MBL. Ele foi eleito em 2018 com 478.280 votos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana