AGRO & NEGÓCIO

Artigo – Turismo gastronômico: um modo original de experimentar o Brasil

Publicados

em


Aluísio Goulart Silva e Ana Paula Jacques

Há pouco mais de dois anos, a pandemia da Covid-19 interrompeu uma década de crescimento do turismo global. Em 2020, o número de chegadas internacionais retrocedeu aos patamares de 1990, com menos de 1 bilhão de turistas viajando pelo mundo, e gerando perdas econômicas estimadas de US$ 2 trilhões em receitas internacionais.

O impacto sem precedentes da Covid-19, não só sobre a economia e o turismo, mas também sobre o cotidiano das pessoas, despertou o interesse crescente pela busca de novas experiências associadas a áreas naturais e rurais, ao ar livre, longe de aglomerações. Hoje, com a flexibilização dos protocolos transfronteiriços e do aumento das taxas de vacinação em diversos países, o setor de turismo ensaia sua recuperação.

O setor é alavancado justamente pelo crescimento do número de viagens domésticas e pela demanda por destinos próximos que se mostram seguros e vinculados à ideia de saúde e bem-estar, sobretudo quando possuem vínculo com a natureza, conexão valorizada pelo público urbano, cada vez mais preocupado com o meio ambiente e com a valorização dos produtos da biodiversidade. Nisso, os espaços rurais têm se destacado, na medida em que são relacionados a esses quesitos.

Aliás, o “novo” turista não quer apenas ser um observador da ruralidade e, sim, participar e viver experiências únicas. Sem dúvida, a reaproximação entre turistas e o meio rural, incluindo aqui agricultores familiares, agroextrativistas, comunidades tradicionais e mestres de ofício, permite fazer re(conexões) afetivas, além de agregar, aos produtos do campo, novos valores (saudabilidade, sustentabilidade, entre outros).

A gastronomia, que, nas últimas décadas, se converteu na terceira principal motivação de viagens no mundo, entra nesse cenário como um importante elemento aglutinador, mostrando que as relações entre o campo e a mesa vão além do prato degustado no restaurante. O turismo gastronômico dá ao turista a possibilidade de experimentar não só a gastronomia local, mas de mergulhar na história, na tradição, no território.

A associação entre turismo e gastronomia abre oportunidades de incrementar o portfólio de destinos turísticos das diversas regiões brasileiras com alternativas de criação de roteiros que valorizam as paisagens agroalimentares e tudo o que delas faz parte, o patrimônio natural, cultural, alimentar e agrícola.

E o Brasil, que já é uma potência agroalimentar, pode ser, cada vez mais, um importante destino de turismo gastronômico. Nossa gastronomia, inclusive, já é um dos itens mais bem avaliados pelos turistas estrangeiros que nos visitam. Dispomos de uma rica diversidade de ingredientes e produtos agroalimentares dos diversos biomas, que levam consigo suas próprias identidades respaldadas na autenticidade dos produtores artesanais, nas práticas e hábitos tradicionais, capazes de provocar experiências sensoriais incomparáveis. É isso que o turista da atualidade busca, experiências mais autênticas que possibilitem um maior envolvimento com as comunidades locais, com a cultura e tradição dos anfitriões.

Para a consolidação do turismo gastronômico no Brasil, torna-se fundamental contar com políticas públicas efetivas e construídas de forma participativa, refletindo as premissas da descentralização, da escuta ativa e da mobilização dos atores públicos e privados que atuam no turismo e na gastronomia em seus territórios. A primeira política pública específica para este segmento do turismo, liderada pelo Ministério do Turismo, conta, entre outras, com a parceria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB) para execução do projeto intitulado “Prospectivas para o Turismo Gastronômico no Brasil”.

Um dos objetivos deste projeto, coordenado pelo IFB, é fomentar a pesquisa em turismo gastronômico e consolidar o Brasil como destino turístico por meio da gastronomia. Diversas instituições e especialistas de todas as regiões brasileiras participam das etapas de construção dos pilares dessa política pública, como a Embrapa Alimentos e Territórios, o mais novo centro de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária dedicado à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação, voltados à valorização dos produtos agroalimentares brasileiros.

Os primeiros resultados desse processo poderão ser conhecidos nesta semana, durante o I Seminário Internacional de Turismo Gastronômico que será realizado em Paraty (RJ), cidade que, além de ser o primeiro sítio de patrimônio misto do Brasil, integra, desde 2017, a rede de cidades criativas da Unesco na categoria gastronomia. Na ocasião, cerca de 30 expoentes do turismo e da gastronomia, nacionais e internacionais, se reúnem para debater diversos temas relacionados ao turismo gastronômico. Também haverá apresentação do Programa Nacional de Turismo Gastronômico e outras iniciativas de fomento a esse segmento no Brasil que vêm sendo lideradas pelo Ministério do Turismo. Toda a programação do seminário será transmitida ao vivo pela TV IFB no YouTube, gratuitamente.

É tempo de pegar suas malas e tomar gosto pelo Brasil! 

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Propaganda

AGRO & NEGÓCIO

Rendimentos de trigo produzidos na Ucrânia podem ser reduzidos, enquanto os de milho podem aumentar

Publicados

em

A unidade de pesquisa agrícola SovEcon da Rússia reduziu seu rendimento de grãos ucraniano em 2022 em 1,4 milhão de toneladas, para 20,7 milhões de toneladas. Na temporada de 2021, o valor total registrado foi de 32,2 milhões de toneladas.

Em termos de safra de milho do país, a consultoria aumentou sua previsão em 1,1 milhão de toneladas, para 28,1 milhões de toneladas ante 42,1 milhões de toneladas até 2021.

De acordo com Andrey Sizov, analista do mercado de trigo da região do Mar Negro e diretor da SovEcon, em um relatório enviado aos clientes, os rendimentos do trigo são baixos nas áreas devastadas pela guerra. Soma-se a isso o baixo rendimento de grãos devido à falta de chuvas. “Grande parte das áreas semeadas recebeu apenas 60% e 80% da precipitação normal durante os últimos meses”, disse.

Odessa, uma cidade costeira da Ucrânia na costa do Mar Negro, recebeu menos de 50% das chuvas. “A produtividade atual de cevada de inverno na região, com queda de 50% em relação à temporada anterior, indica que a produção de trigo também provavelmente será baixa”, disse ele.

Por outro lado, a produtividade média do milho aumentou para 6,10 toneladas/hectare de 5,86 toneladas/hectare, e a disponibilidade de insumos agrícolas superou as expectativas.

As condições climáticas são um tanto quanto desfavoráveis devido a ausência de chuvas, lembrou Sizov.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima que a safra de trigo da Ucrânia seja de 21,5 milhões de toneladas e a de milho seja de 25,0 milhões de toneladas.

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana