BRASIL E MUNDO

Aposentado vence luta contra a Covid após 103 dias internado

Publicado


source
Airton saindo do hospital após se recuperar da Covid-19
Flávio Megulhão / divulgação

Airton saindo do hospital após se recuperar da Covid-19

No início de abril, Airton Carlos Lauriano dos Santos, aposentado de 65 anos, procurou ajuda médica para tratar o que acreditava ser uma simples gripe. Todavia, ele acabou sendo hospitalizado de imediato no Hospital Santa Ana, no ABC paulista, porque estava com 60% dos pulmões comprometidos. 

A partir dali, foram ao todo 103 dias de internação para tratar a Covid-19 : 49 na UTI, sendo 28 deles intubado e sedado, 51 na unidade semi-intensiva e 3 no quarto antes de ter alta, na última sexta-feira (17). Na fase mais grave, Airton ainda sobreviveu a duas paradas cardiorrespiratórias.

“Tomei vacina contra a gripe no dia 4 de abril. Como sempre me senti fraco depois, fiquei como se estivesse para ter febre. Estava incomodado e fui ao hospital pensando nisso, mas já estava com 60% do pulmão comprometido. Só fui sentir que não estava mesmo respirando bem quando estava próximo do hospital. Eu estava achando que estava tudo certo, que era só uma gripe que estava chegando”, contou Airton, que também é assessor da Universidade de São Caetano e tem uma imobiliária na cidade.

“O sr. Airton chegou com o quadro bem avançado da doença, numa fase em que a gente tem um pouquinho mais de dificuldade no manejo do paciente. Os primeiros 45 dias dele foram bem complicados na UTI. Teve duas paradas cardiorrespiratórias. Depois que voltou, investimos nele e assim começou a progredir”, explica o infectologista que o tratou, José Raphael Ruffato.

“Quando falaram que eu estava com a Covid, não sabia se chorava, o que eu fazia da vida ali naquele momento. Aí eles já me apagaram, porque eu estava me debatendo muito com medo. Acabei dormindo e eles me intubaram no dia seguinte”, disse Airton, que é diabético.

Segundo Ruffato, o paciente não fez uso da cloroquina para tratar a pneumonia, apenas antibióticos associados. No entanto, o novo coronavírus (Sars-coV-2) acabou atacando outros órgãos, como o coração e os rins, o que levou a equipe médica a usar anticoagulante e anti-hipertensivo, além de remédios para insuficiência renal e insulina para a diabetes.

“Nunca dei tanto valor como estou dando agora para a classe de enfermagem e médicos, porque eles colocam a vida deles em risco para ajudar os outros. Eu sou testemunha disso. Temos de dar valor a esses profissionais, que são maravilhosos”, declara Airton. Com informações de O Tempo .

Comentários Facebook
publicidade

BRASIL E MUNDO

Melhorias na BR-163/PA e renovação da Malha Paulista gerarão economia de mais de R$ 1,2 bilhão por ano

Publicado


As obras de pavimentação da BR-163/PA e a renovação do contrato de concessão da ferrovia Malha Paulista neste ano apontam queda no custo Brasil, de acordo com estudos publicados pela Empresa de Planejamento e Logística (EPL) no Boletim de Logística. De acordo com o levantamento, tanto a pavimentação da BR-163/PA quanto as melhorias que serão promovidas com a renovação da Malha Paulista aumentarão a eficiência do escoamento da produção agrícola para os portos do Arco Norte e para o Porto de Santos, gerando economia de mais de R 1,2 bilhão, por ano, com a redução de fretes.

O estudo da EPL revela como as más condições da BR-163/PA pode impactar a cadeia logística nacional. A infraestrutura anterior deficitária da rodovia embutia pesados custos no escoamento de grãos oriundos do Mato Grosso, principalmente durante o período de chuvas. A EPL estima que, para o ano de 2018, as perdas associadas às más condições foram de R$ 580 milhões.

Depois que o Governo Federal começou a entregar as obras de pavimentação da rodovia, os estudos mostraram uma redução de mais de 13% nos custos operacionais diretos. Antes, um frete médio de Sinop (MT) a Miritituba (PA), que custava cerca de R$ 10.200, passou a custar cerca de R$ 8.900. Além disso, um motorista que levava cerca de 10 dias para percorrer os 936 quilômetros entre as localidades, agora faz a mesma viagem em quatro dias, em média.

Segundo levantamento do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), junto ao Movimento Pró-Logística, que representa o agronegócio, um motorista que ganhava cerca de R$ 26 mil/mês, em 2019, agora, com a pavimentação da BR-163 fatura aproximadamente R$ 39 mil – aumento de 50%. Com as melhorias na rodovia, os caminhoneiros também foram beneficiados com a redução no custo de manutenção dos veículos, contribuindo diretamente no orçamento.

Com informações do Ministério da Infraestrutura

Fonte: Brasil.gov

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana