economia

Apoio emergencial do BNDES a empresas na pandemia alcança R$ 105 bi

Publicado


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atingiu R$ 105 bilhões concedidos como apoio emergencial desde o início da pandemia do novo coronavírus, em março deste ano. O recurso foi aplicado destinado a 258 mil empresas brasileiras que respondem pela geração de 8,5 milhões de empregos. Em entrevista hoje (27) à Voz do Brasil, o presidente do BNDES, Gustavo Montezano, revelou que a prioridade foram micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), que constituem 96% do total de empresas atendidas.

“São números muito substanciais. Estamos bem satisfeitos com o resultado desse trabalho, com uma inovação do banco em um momento difícil para nós, brasileiros. Mas a boa notícia é que esse recurso, que começou como recurso para atravessar a crise, no presente momento, os dados que a gente enxerga e olha para os próximos meses, se tornou um recurso para a retomada”. De acordo com Montezano, o dinheiro que era dirigido para pagar o salário atrasado, o fornecedor que ia ficar vencido, “já está virando dinheiro para capital de giro para chegar nesse Natal que se aproxima”.

FGTS

Também com o propósito de reduzir os efeitos do novo coronavírus, mais R$ 20 bilhões foram repassados do Fundo PIS-PASEP, administrado pelo BNDES, para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), para que os trabalhadores pudessem fazer saques emergenciais, direcionando parte desses recursos para o consumo, o que movimentou a economia e os pequenos negócios, em especial. Com isso, as medidas emergenciais do BNDES na pandemia somam R$ 125 bilhões.

Gustavo Montezano explicou que o BNDES tinha uma dívida de R$ 20 bilhões com o Fundo Garantidor do FGTS. “E a gente entendeu que agora era o momento oportuno. O Brasil precisava, o trabalhador precisava. Então, a gente transferiu esse recurso para o FGTS poder pagar os trabalhadores no momento em que eles mais tinham necessidade. Foi um apoio direto do BNDES ao trabalhador brasileiro”, afirmou.

As ações emergenciais voltadas ao setor público somaram R$ 3,9 bilhões em suspensões de pagamentos de estados e municípios. O presidente do BNDES informou que os pagamentos que deveriam ser feitos este ano foram postergados. Isso significa que os empréstimos concedidos começarão a ser pagos somente a partir de janeiro de 2021. “Assim, os prefeitos e governadores têm recursos para pagar o salário dos servidores, fazer os gastos de saúde da crise, pagar os fornecedores das prefeituras e estados. Foi um apoio muito importante que o banco contribuiu durante esse momento que passamos”. Por outro lado, o BNDES agilizou liberações de financiamentos contratados por estados no montante de R$ 225 milhões. Para o setor privado, a suspensão de pagamentos de financiamentos totalizou R$ 12,6 bilhões. Foram beneficiadas cerca de 28.600 MPMEs e 499 grandes empresas.

Impactos

Gustavo Montezano afirmou que ele e sua equipe se dedicam a analisar como o BNDES pode melhorar a vida dos brasileiros, promovendo investimentos que tenham impacto social e ambiental. “Como a gente faz isso? Preparando projetos, modelando a infraestrutura. A gente atua como um preparador de projetos de grandes obras de construção, iluminação pública, energia elétrica, saneamento, rodovia, todo esse arcabouço de infraestrutura que o Brasil tanto precisa”. Enfatizou que o BNDES atua tanto na preparação e apoio aos estados e ao governo federal na modelagem, como no financiamento. Completou que, além de melhorar a vida do cidadão na ponta, com qualidade de vida, o banco gera emprego na execução dessas obras.

Para financiamento ao setor elétrico, com o objetivo de evitar aumento maior de tarifas, o consórcio formado pelo BNDES e outras 15 instituições financeiras contratou R$ 15,3 bilhões na Conta Covid. O banco participa com R$ 2,7 bilhões desse total.

Saneamento

Na área do saneamento, em especial, Montezano revelou que a estimativa é que a universalização do saneamento no país demandará recursos entre R$ 600 bilhões e R$ 700 bilhões. A carteira de projetos do banco, atualmente, totaliza R$ 50 bilhões a R$ 60 bilhões. “Estamos falando de 10% do volume necessário para universalizar o saneamento no Brasil. Essa é uma agenda prioritária para o banco”, assegurou. Segundo o presidente do BNDES, a universalização do saneamento básico vai melhorar a educação, a saúde, além de impulsionar o desenvolvimento da região atendida. “É uma medida prioritária para o Brasil que vai mudar, de uma vez por todas, a desigualdade social no país”.

Montezano explicou, por outro lado, que a elaboração de um bom projeto de saneamento requer análise de engenharia ambiental e modelagem de um contrato de concessão, que é um trabalho muito técnico e pesado. Alertou, entretanto, que se esse trabalho for bem feito, “traz um grande valor para a sociedade. O banco atua modelando esses projetos junto com estados e municípios, e também financiando, uma vez que as obras se iniciem”. Reiterou que essa é uma prioridade chave para o banco e para o Brasil. “E tem tudo para mudar a nossa questão da desigualdade social em todas as regiões do país”.

Medidas

Entre as medidas emergenciais adotadas pelo banco, destaque para o Programa Emergencial de Acesso a Crédito (PEAC) que transferiu R$ 71,1 bilhões em créditos garantidos, desde seu lançamento em junho, para 89 mil empresas. Desse valor, R$ 66 bilhões foram direcionados a pequenas e médias empresas.

Um total de 46 agentes financeiros está habilitado a contratar empréstimos com a garantia do Tesouro Nacional via Fundo Garantidor de Investimentos, que é o modelo do PEAC. Essas instituições financeiras decidem quando utilizar a garantia do programa e avaliam o pedido de crédito, no momento em que cada uma das operações é estruturada.

Na linha PEAC Maquininhas, os empréstimos oferecidos por agentes financeiros com base no movimento das maquininhas de cartão somaram R$ 105 milhões aprovados para 3.300 clientes. Já na linha Crédito Pequenas Empresas, que oferece crédito para capital de giro, foram aprovados R$ 8 bilhões, resultando em 24.600 empresas apoiadas. Também o Programa Emergencial de Suporte ao Emprego (PESE) aprovou, em duas etapas, R$ 7,3 bilhões em crédito.

Saúde

Além disso, o Programa de Apoio Emergencial ao Combate da Pandemia do Coronavírus aprovou R$ 293 milhões para a área da saúde. Os recursos permitem a abertura de até 2.900 leitos de UTI e enfermaria, compra de 1.700 equipamentos médicos, como monitores e ventiladores pulmonares, e 4 milhões de kits de diagnósticos contra a covid-19. Uma outra iniciativa, envolvendo a ação de financiamento coletivo Matchfunding Salvando Vidas, para aquisição de materiais, insumos e equipamentos para Santas Casas e hospitais filantrópicos do país, arrecadou R$ 74 milhões, dos quais a metade foi aportada pelo BNDES.

Veja entrevista na íntegra
 

 

*Texto alterado às 20h34 para acréscimo de informações.

Edição: Liliane Farias

Comentários Facebook
publicidade

economia

A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

Publicado


source

Contato Radar

undefined
Luis Neves

A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras

Neste ano, o trimotor produzido pela americana Mcdonnell Douglas, completou 30 anos. Mesmo não sendo um sucesso absoluto de vendas, o modelo fez história e chegou a operar para as principais companhias aéreas ao redor do mundo.

O Brasil foi o único operador do modelo na América Latina, que teve o trimotor voando nas cores da Varig, VASP e TAM. Em 1992, foram entregues com poucos meses de diferença os primeiros MD-11, chegando primeiro na Varig e depois na VASP.

No total a Varig chegou a operar com 28 aeronaves MD-11, sendo 26 configurados para passageiros e 2 eram cargueiros puros. A VASP por sua vez, chegou a operar com 9 aeronaves MD-11 de passageiros em sua frota.

Com passar dos anos e com a crise que afetou as duas companhias aéreas, parte da frota dos trijatos americanos deixaram o país. Porém, uma aeronave em especial teria outras oportunidades para continuar voando com a bandeira brasileira estampada em sua fuselagem.

Entregue novo em 27 de novembro de 1996 para a VASP como PP-SFD, recebeu o nome de batismo de “Nossa Senhora Aparecida”, que por quatro anos ficou atendendo as rotas internacionais da companhia. No final dos anos 90, a VASP mergulhava numa crise que anos depois colocou um fim em sua história. No dia 23 de abril de 2000, foram tomados pelo fabricante os últimos quatro MD-11 que ainda restavam na companhia, entre eles estava o SFD.

O que parecia ser o fim da história do trijato em terras tupiniquins era apenas um renascimento, com uma nova roupa.

O retorno da fênix

A aeronave ficou por um período nos Estados Unidos e foi matriculado como N799BA. Em 2001, a aeronave volta a ostentar a bandeira brasileira em sua fuselagem, desta vez nas cores da Varig, matriculado como PP-VQX.

Foram seis anos cruzando os céus do Brasil e do mundo nas cores da companhia, e mesmo com a proposta de receber aeronaves novas e usadas para renovação da frota, a Varig vinha apresentando balanços financeiros negativos por vários anos. Em 22 de junho de 2005, a justiça brasileira deferiu o pedido de recuperação judicial, e com dívidas chegando a 5,7 bilhões de reais, nem mesmo as propostas foram o suficiente para salvar a empresa, que chegou ao fim em 20 de agosto de 2010, quando foi decretado a falência da antiga Varig.

De casa nova…

Antes de fechar as portas de vez até ser comprada pela Gol, a Varig estava perdendo boa parte da sua frota para seus credores. Em 2006 foi a vez do VQX deixar a Varig, sendo tomado pela Boeing, que havia adquirido a Mcdonnell Douglas.

Esteja informado: clique aqui e leia mais notícias de aviação!

Em janeiro de 2007, a Boeing cedeu para TAM três MD-11 ex-Varig em regime de leasing provisório até a chegada dos primeiros Boeing 777-300ER comprados pela companhia. O retrofit das aeronaves foram feitas na Varig Engenharia e Manutenção (VEM) no Rio de Janeiro, onde o VQX, passou a possuir uma nova identidade, deixando o hangar com a matrícula PT-MSJ.

Na TAM, os MD11 foram responsáveis principalmente pelas rotas para Paris e Milão.

Gradativamente, as aeronaves começaram a deixar a frota a partir de agosto de 2008, sendo substituídos pelos novos 777-300. Entretanto, o último MD-11 a deixar a frota da TAM, sendo também o último MD-11 que operou no Brasil no transporte de passageiros foi o protagonista desta história, o PT-MSJ. Seu último voo aconteceu em 12 de dezembro daquele mesmo ano, partindo de São Paulo (GRU) para Paris (CDG).

Com fim de sua jornada ostentando a bandeira brasileira por quase doze anos, o lendário MD-11 retornou para os Estados Unidos para a transformação que lhe daria mais alguns anos de vida. Em 03 de setembro de 2009, após ser transformado em carpassagepor completo, o MD-11F de número de série 48769, foi entregue ao seu atual operador, a FEDEX, onde foi matriculado como N573FE.

Atualmente, a Lufthansa Cargo é a única operando com o MD-11F para o Brasil. Seus voos regulares com transporte de cargas estão programados para ocorrer até 29 de dezembro deste ano, quando serão substituídos pelo Boeing 777-200F.

O post A história de um único MD-11 que operou para três companhias aéreas brasileiras apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana