AGRO & NEGÓCIO

Aplicativo Bioinsumos ajuda produtor rural a controlar pragas e doenças

Publicado


.
  • Tecnologia ajuda fornecedores e usuários de insumos biológicos  a encontrar produtos seguros e com procedência.

  • App é organizado em duas partes: inoculantes e pragas.

  • Para cada praga é apresentada sua descrição detalhada e uma lista de produtos biológicos indicados para combatê-la.

  • No grupo de inoculantes, são listados os que foram testados e aprovados para diversas culturas com indicação de fornecedores credenciados.

  • Está disponível para dispositivos com sistemas IOS e Android.

  • Ferramenta útil para produtores que buscam mais sustentabilidade no campo.

Os produtores rurais já podem consultar pelo celular uma lista de produtos de origem biológica indicados para nutrição, controle de pragas e doenças de diversas culturas agrícolas. O aplicativo Bioinsumos coloca na palma da mão um catálogo com 580 produtos biológicos disponíveis no País destinados a combater mais de 100 pragas e plantas invasoras e ampliar a absorção de nutrientes, favorecendo o crescimento de espécies vegetais. Ele está disponível para plataformas iOS e Android.

Desse total, 265 são defensivos biológicos, entre bioacaricidas, bioinsecitidas, biofungicidas e bioformicidas. Os outros 315 itens são inoculantes, um insumo biológico que contém micro-organismos com ação benéfica para o desenvolvimento das plantas. Todos os produtos são registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O app é uma das ações do Programa Nacional de Bioinsumos que o Mapa lança hoje (27), às 15 horas, pelo canal do ministério no Youtube. A ideia é consolidar um catálogo nacional de insumos biológicos, facilitando o acesso a uma ampla base de informações, de forma fácil, rápida e gratuita, para uso na produção agrícola, armazenamento e beneficiamento de produtos agropecuários.

A oferta dessa listagem visa favorecer a conexão entre a oferta dos produtos registrados e a demanda do setor produtivo, apoiando assim fornecedores e compradores. “Muitas vezes as pessoas querem usar os insumos biológicos, mas não sabem como encontrá-los”, explica a bióloga Mariane Carvalho Vidal, coordenadora do programa Bioinsumos do ministério.

Como acessar

O aplicativo Bioinsumos é gratuito e pode ser baixado em celulares com sistema Android ou iOS.

Conheça todos os aplicativos desenvolvidos pela Embrapa: acesse a lista aqui.

Ela conta que é preciso garantir a qualidade desses produtos, verificando todas as etapas do processo, ou seja, desde o local onde foram produzidos até o momento da aplicação, para que cheguem adequadamente ao campo e tenham eficiência. Por isso, o catálogo busca promover o uso dos bioinsumos, trazendo indicações de empresas produtoras, bula do produto, número de registro no Mapa, entre outras informações relacionadas ao controle de pragas e inoculantes. Para se ter uma ideia, no caso da broca da cana, o aplicativo traz indicações de 39 produtos biológicos, considerados como agentes de controle dessa praga, que é uma espécie de mariposa e causa grandes prejuízos na cultura da cana-de-açúcar.

Praticidade

O aplicativo permite a consulta a essa base de informações de um jeito ágil e mais prático. “A ferramenta é útil, especialmente para agricultores e técnicos de extensão rural que querem usar produtos mais sustentáveis nas suas lavouras, o que é uma tendência atualmente, tanto na agricultura orgânica como em sistemas produtivos convencionais,” conta o engenheiro-agrônomo Gustavo Costa Rodrigues, pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária, unidade de pesquisa que desenvolveu o aplicativo por meio de parceria.

O app traz duas classes de bioinsumos: inoculantes e controle de pragas, que inclui insetos, fungos e ervas daninhas. “Com a implantação do programa, esperamos ampliar esse conjunto de informações”, declara Vidal.

Os bioinsumos abrangem sementes, fertilizantes, produtos para nutrição vegetal e animal, defensivos biológicos feitos a partir de microrganismos para controle de pragas, produtos fitoterápicos ou tecnologias que têm ativos biológicos na composição. Já os inoculantes são produtos, processos ou tecnologias que contêm microrganismos aplicados para estimular o desenvolvimento das plantas.

O app traz as informações atualizadas até abril de 2020, importadas das bases de dados do Ministério da Agricultura. Essas informações foram organizadas, padronizadas, processadas e integradas para facilitar as consultas. Foram agregados, também, conteúdos da produção técnico-científica em controle biológico, disponíveis nas Bases de Dados da Pesquisa Agropecuária (BDPA), na Agência Embrapa de Informação Tecnológica (Ageitec) e nos Sistemas de Produção Embrapa (SPO).

“São informações confiáveis, validadas pela Embrapa”, enfatiza o analista de desenvolvimento da Embrapa Isaque Vacari. De acordo com ele, já estão previstas novas funcionalidades, com inserção de outras classes de produtos em versões futuras. Ainda é possível desenvolver novas versões do app, sempre que houver atualização de novos bioinsumos registrados na base de dados do Mapa.

 

O app Bioinsumos em ação

A principal vantagem do aplicativo é levar informação ao produtor sobre dois aspectos. O módulo Produtos Biológicos voltados ao controle de pragas, como insetos, fungos e ervas daninhas, apresenta uma lista em ordem alfabética na qual estão descritos tanto os nomes científicos como os nomes comuns, ou seja, como são popularmente conhecidas. Também estão indicadas a quantidade e as classes de produtos para cada praga: acaricida microbiológico, agente biológico de controle, bactericida microbiológico, formicida, fungicida e formicida microbiológico.

Cada praga possui uma ficha com uma breve descrição, além de fotografias, para facilitar a identificação pelo produtor. O app traz ainda a ficha de cada produto indicado para o controle, especificando qual é a marca, a empresa produtora, o número de registro no Mapa e para quais pragas é recomendado. Também é possível ver a especificação dos produtos, e inclusive saber em quais culturas eles foram testados, consultando a bula de cada um deles. Além disso, pode-se salvar a bula no celular e ainda compartilhar por mensagem, e-mail ou Bluetooth.

No módulo inoculantes há imagens das diversas culturas agrícolas, como alface, amendoim, batata, feijão e arroz, por exemplo. Para cada uma delas, há uma ficha informando a quantidade de produtos testados nessas culturas disponíveis no app, nome e CNPJ do fornecedor, o tipo de fertilizante, a espécie, a garantia e a natureza física, ou seja, se é sólido ou líquido. No caso do feijão, há 51 produtos disponíveis indicados para a cultura.

Foto: Divulgação Embrapa

 

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
publicidade

AGRO & NEGÓCIO

Mulheres vencem a Jornada Científica da Embrapa Meio-Norte

Publicado


As mulheres voltaram a vencer a Jornada Científica da Embrapa Meio-Norte, versão 2020, que terminou nesta sexta-feira 27. Elas conquistaram os três primeiros lugares na modalidade Iniciação Científica, que é a base do estudo dos bolsistas na instituição. Também no concurso de fotografias relacionadas à pesquisa científica, categoria Estudante, deu mulher “na cabeça”. 

O primeiro lugar foi o trabalho “Assimetria flutuante como bioindicadora de estresse ambiental em Melipona subnitida Ducke”. Autora: Vanessa Gomes de Moura, que foi orientada pela pesquisadora Fábia Pereira. O segundo trabalho premiado foi “Componentes da produção do milho inoculado com bactérias promotoras de crescimento vegetativo, em Teresina, Piauí. Autora: Thais Santiago de Sousa. A orientadora foi a pesquisadora Rosa Maria Mota.

A estudante Cleidiane Macêdo Santos ficou em terceiro lugar com o trabalho de nome bem científico: “Diferenciação de Trichogramma Westwood 1833 (Hymenoptera : Trichogrammatidae) com base no gene citocromo oxidase I (COI) e na região do espaço transcrito interno 2 (ITS2). O pesquisador Paulo Sarmanho foi o orientador do trabalho..

O concurso de fotografia, que já é tradição nas seis versões da Jornada Científica da Embrapa Meio-Norte, este ano estreou a modalidade Empregado. O vencedor foi o técnico Francisco Gustavo Carvalho de Sousa, que é supervisor de campos experimentais em Teresina, com a foto “A lagarta”. Na categoria Estudante, deu empate entre as estudantes Ana Beatriz Sousa Silva, com a foto “Doce Mel, mel uruçu”, que ilustra esta notícia; e Gabriela Rodrigues Alencar Ferry, com a fotografia “Abelha na flor”. 

Todos os premiados receberão troféus. O evento, que foi 100% virtual e que já faz parte do calendário universitário de Teresina, foi coordenado pela pesquisadora Fábia Pereira.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana