MULHER

Amizade narcisista pode causar problemas de insegurança; como lidar?

Publicados

em


source
Naiara irritou Lina fazendo assuntos serem sobre si
Reprodução/BBB

Naiara irritou Lina fazendo assuntos serem sobre si

Em uma relação, ter doação e compreensão das partes envolvidas é o ideal, servindo tanto para relacionamentos amorosos, familiar ou as amizades . Como visto no BBB 22, com Naiara Azevedo, algumas amigas acabam tornando todo momento único e exclusivamente sobre elas, mesmo que não seja a questão. 

Para reconhecer uma amizade egocêntrica,  a psicóloga Sheila Giannini, do Grupo Reinserir conta que é preciso prestar atenção ao se deparar com pessoas que sempre reclama dos outros, os apontando como únicos errados nas histórias, e trazem diversos relatos sobre si, onde o caso dela se faz mais importante. A pessoa que se julga a mais inteligente, com as melhores soluções, mesmo que o problema não seja do contexto também devem ser uma alerta. A psicóloga diz que esses sinais são claros para uma pessoa que pode tornar os ciclos egóicos e assuntos sempre sobre si. 

Por mais que esse seja um momento difícil de se pontuar para a parte que esteja exaltada, é muito necessário expor a situação para o bem da relação, como explica a psicóloga. “É importante que cortemos esses comportamentos, até para que possamos expor as nossas limitações emocionais e a necessidade de escuta e validação de nossos sentimentos. Faz parte da manutenção de saúde mental reconhecer o meu limite e expor pro outro, quando e como ele viola isso. Tornar minha dor sobre você, inviabiliza meu processo de sentir, logo, invade meus contextos, dos quais merecem respeito”. 

Como dito anteriormente, mesmo que o embate não seja algo desejado, é importante saber como alertar essas pessoas. “Diálogo é sempre o ponto mais importante de toda e qualquer relação. É de grande valia que tenhamos uma conversa franca, porém acolhedora com o indivíduo podendo dizer: ‘olha, fulano, tenho notado que todas às vezes que trago uma demanda minha ou em outros contextos, você busca ter razão ou torna os assuntos, mesmo que sem perceber, sobre você. Entendo que seja uma demanda sua, mas poderia se policiar ou tentar tornar isso menos frequente?'”, diz Giannini.

Leia Também

Caso esse diálogo não seja efetivo, a psicóloga diz que é válido se priorizar, validando sua insatisfação e até levanto para o contexto terapêutico, para compreender até onde essa amizade se faz necessária/saudável, podendo ocorrer a busca de novas perspectivas e saber se deseja ou não manter essa relação. Ninguém é obrigado a ficar em uma relação que não faz bem! 

Ter muito convívio com uma pessoa narcisista afeta a saúde mental, e esse assunto merece muita atenção. Giannini conta que é comum verem isso no contexto terapêutico, c om filhos que possuem pais com características narcisistas. Isso pode gerar insegurança e desvalia. A psicóloga ressalta que um narcisista pode ter uma insegurança mal trabalhada, onde usa todo recurso de superioridade para ser “melhor” ou fazer assuntos sobre ele, sendo que internamente não confia em si.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

MULHER

Startup lança campanha para informar e combater violência obstétrica

Publicados

em

Apoiadores de campanha podem baixar cartazes com frases informativas sobre violência obstétrica
Gestar/Divulgação

Apoiadores de campanha podem baixar cartazes com frases informativas sobre violência obstétrica

Durante o Dia da Gestante, comemorado nesta segunda-feira (15), a startup Gestar, que conecta profissionais materno-infantis a famílias, lança uma campanha para intensificar o combate à violência obstétrica . Chamada #NaLutaPorGestar, a ação busca informar sobre esse tipo de violência e conscientizar pessoas para que saibam identificar.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

No Brasil, 1 em cada 4 mulheres sofreram algum tipo de violência obstétrica. Cerca de 30% delas foram atendidas em hospitais privados e 45% pelo Sistema Único de Saúde (SUS), de acordo com dados da plataforma. No entanto, os dados podem ser ainda maiores, já que muitas pessoas com capacidade de gestar podem não conseguir reconhecer a violência no momento que ela ocorre.

A campanha #NaLutaPorGestar visa a divulgação de informações para auxiliar na redução das incidências de violência obstétrica e na divulgação do assunto. Além de um vídeo informativo, quem aderir à ação pode baixar cartazes digitais e ter acesso a escritos de profissionais parceiras da Gestar.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Para mais informações e para participar da campanha, acesse o site gestar.com.br/violenciaobstetrica .

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

TECNOLOGIA

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana