POLÍTICA NACIONAL

Aliados pedem para que programa de governo de Lula seja enxuto

Publicados

em

source
Aliados sugerem a Lula procurar empresários para ampliar apoio na sociedade
Reprodução Twitter

Aliados sugerem a Lula procurar empresários para ampliar apoio na sociedade

Na primeira reunião para instalação da sua coordenação de campanha nesta segunda-feira, o pré-candidato do PT à Presidência da República,  Luiz Inácio Lula da Silva, ouviu de dirigentes de partidos aliados uma sugestão para que procure empresários com o objetivo de ampliar o arco de apoios na sociedade. 

Ao mesmo tempo, essas lideranças fizeram um pedido para que o programa de governo seja enxuto e focado apenas em temas centrais para evitar polêmicas e facilitar a adesão de novas forças.

Como resposta, Lula afirmou que já conversou com o ex-governador Blairo Maggi, um dos maiores produtores de soja do país. O petista também revelou que pretende procurar diretamente a Fiesp assim que o programa de governo estiver pronto. A entidade empresarial é presidida por Josué Alencar, filho do ex-presidente José Alencar.

“O que eu falei e outros falaram é que precisa falar com todos os setores, especialmente com setor industrial, o agronegócio.A ideia é procurar esses setores”, afirmou o presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP).

Paulinho defende que Lula converse primeiro com os setores específicos, como de produtores de máquinas, químicos e de produção de cana-de-açúcar.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que também participou da reunião realizada em um hotel da Zona Sul de São Paulo, confirmou que Lula mostrou disposição para abrir conversas com o setor produtivo e deve usar o ex-governador Geraldo Alckmin, indicado vice da chapa, nessa missão.

“Assim que o programa estiver pronto, ele (Lula) vai procurar a Fiesp e levar o programa para debater. O próprio presidente falou isso. Quer conversar com empresários. Vai procurar também a CNI (Confederação Nacional da Indústria) e a CNC (Confederação Nacional do Comércio). Convidará o Alckmin para ir junto.”

De acordo com o senador, Alckmin pode ter mais facilidade com alguns setores:

“Tem muita coisa que vai ser tarefa do Alckmin, sobretudo ele conversa com o setor do agronegócio no interior de São Paulo.”

O presidente do PSB, Carlos Siqueira, acredita que o programa de governo “tem que deixar claro para a sociedade a abertura para a ampliação”. O dirigente ressaltou, porém, que as decisões são de Lula e ele apenas emite as suas opiniões.

“Se a gente está falando de frente ampla e essa frente do ponto vista partidário não ocorreu, devemos dar agora uma demonstração com um programa de frente. Assim, podemos agregar setores econômicos, políticos, sociais, que embora não sejam de esquerda, possuam pontos de identidade. A meu ver não tem outra saída para ampliar que não seja por via de um programa.”

Uma parte da reunião foi usada para explicar como o programa de governo será elaborado. Os aliados defenderam que o texto se concentre nos pontos básicos. 

“A nossa ideia é um programa mais enxuto, que seria ainda mais enxuto do que eles (petistas) pensam, que pegasse uma cinco,seis pontos de unidade que traga coesão de forças”, disse Siqueira, citando como exemplos a elaboração de um plano de reindustrialização do país e outro de desenvolvimento econômico da Amazônia.

O presidente do Solidariedade concorda que o programa de governo deve ser simples com cinco  ou pontos centrais. 

“A minha opinião sobre o programa é que só serve para gente apanhar. Se você quiser detalhar, vai ser cobrado”, disse Paulinho.

Apesar de a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ter se recusado a comentar, durante entrevista coletiva, a saída do ex-governador João Doria (PSDB) da corrida presidencial, o assunto domina as conversas. Durante um almoço de Lula e Alckmin com presidentes dos partidos, Paulinho falou sobre a possibilidade de atrair o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, que era o principal assessor econômico do tucano. 

De acordo com o próprio presidente do Solidariedade, o ex-presidente respondeu com um sorriso.

Petistas avaliam que a saída do ex-governador pode ajudar a conquistar eleitores tradicionais do PSDB em São Paulo. Há intenção também de procurar tucanos históricos. Ainda no almoço, Lula, de acordo com os presentes, falou que procuraria o suplente de senador José Aníbal (SP). O ex-ministro e ex-senador Aloysio Nunes já  havia anunciado apoio ao petista mesmo antes da desistência de Doria.


Carlos Siqueira acredita que a saída do tucano é uma oportunidade para Lula ampliar o rol de aliados.

“Mas tem que ter a disposição do PT de procurar”, afirmou o dirigente do PSB, que ainda acrescentou.

“Na medida que ele desiste, e essa terceira via mostra que não tem grandes perspectivas, é uma oportunidade que tem que ser examinada.”

Uma outra parte das conversas desta segunda-feira foi dedicada a tratar de comunicação. Foram exibidos vídeos produzidos pelo marqueteiro Sidônio Palmeira na linha dos preparados para o ato de lançamento da pré-candidatura no último dia 7. As peças focam na comparação entre Lula e Bolsonaro, com o argumento de que um representa o amor e outro o ódio.

De acordo com petistas, ficou acertado que não haverá embates com o bolsonarismo nas redes sociais nas linhas propostas pelo adversário. A avaliação é que se entrar no jogo do atual presidente a derrota é certa. Os aliados de Lula querem trazer a discussão para os temas econômicos do dia-a-dia.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Corrupção no MEC: ministra envia 3º pedido para investigar Bolsonaro

Publicados

em

Cármen Lúcia, ministra do STF
Nelson Junior/ STF

Cármen Lúcia, ministra do STF

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) , mandou para a Procuradoria-Geral da República (PGR) nesta quarta-feira o terceiro pedido para investigar se o  presidente Jair Bolsonaro teve envolvimento em um suposto esquema de corrupção no Ministério da Educação (MEC) .

O pedido foi encaminhado ao STF por senadores da oposição, como Paulo Rocha, Humberto Costa, Fabiano Contarato, Jacques Wagner, Jean-Paul Prates, Paulo Paim e Zenaide Maia.

Na decisão, a ministra aponta uma “gravidade incontestável” dos fatos apresentados no pedido feito pelos parlamentares de oposição.

“Relata-se, na notícia apresentada, quadro de gravidade incontestável, o que impõe a manifestação da Procuradoria-Geral da República, para se cumprirem os fins do direito vigente”, afirma Cármen.

No requerimento feito à ministra, os senadores apontam que “desdobramentos das apurações processuais, em sede de inquérito policial e processo judicial, acerca de possíveis atos criminais de corrupção passiva, tráfico de influência, advocacia administrativa e prevaricação pelo ex Ministro da Educação – Milton Ribeiro – trazem a lume posturas do Excelentíssimo Presidente da República Jair Messias Bolsonaro que apontam para possível incursão em prática de violação de sigilo processual e obstrução de justiça”.

O despacho da ministra segue os moldes do que já havia sido dado por ela nesta terça-feira, em um pedido feito pelo deputado Israel Batista (PSB-DF).

Um inquérito aberto pela Polícia Federal apura a atuação de pastores lobista na pasta durante a gestão do ex-ministro Milton Ribeiro. O presidente, porém, não é alvo da investigação.

Na segunda, Cármen Lúcia já tinha determinado que a PGR se manifestasse sobre o pedido de investigação feito por outro deputado de oposição: Reginaldo Lopes (PT-MG). Nesse despacho, porém, ela não havia mencionado a “gravidade do quadro narrado”.

Além desses pedidos de investigação feitos por parlamentares, a Justiça Federal também determinou o encaminhamento ao STF da investigação aberta contra Ribeiro. Nesse caso, ainda não houve nenhuma decisão na Corte.

Corrupção no MEC Na sexta-feira da semana passada, após o Ministério Público Federal (MPF) apontar indícios de vazamento da operação e “possível interferência ilícita por parte do presidente da República Jair Messias Bolsonaro nas investigações”, o caso foi enviado ao STF pelo juiz federal Renato Borelli, que tocava o processo. Como presidente da República, ele pode ser processado apenas pelo STF.

Na semana passada, durante a Operação Acesso Pago, Milton Ribeiro chegou a ser preso preventivamente e foi alvo de busca e apreensão, além de ter tido o sigilo bancário quebrado, por ordem do juiz federal Renato Borelli. Depois foi solto por decisão do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1).

A PF já tinha interceptado ligações telefônicas do ex-ministro. Em uma delas, em 9 de junho, ele contou à filha que conversou por telefone com Bolsonaro. Segundo Milton Ribeiro, o presidente disse na época achar que fariam uma busca e apreensão contra o ex-ministro.

O diálogo levou o MPF a apontar houve indícios de vazamento e “possível interferência ilícita por parte do presidente da República Jair Bolsonaro nas investigações”. A partir disso, solicitou o envio do caso ao STF, tribunal que pode processar o presidente da República, o que foi autorizado pelo juiz federal Renato Borelli.

No telefonema com a filha, Milton Ribeiro afirmou:

“A única coisa meio… hoje o presidente me ligou… ele tá com um pressentimento, novamente, que eles podem querer atingi-lo através de mim, sabe? É que eu tenho mandado versículos pra ele, né?”

Depois disse:

“Não! Não é isso… ele acha que vão fazer uma busca e apreensão… em casa… sabe… é… é muito triste. Bom! Isso pode acontecer, né? Se houver indícios né”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana