economia

Além das lives: setor de eventos para área empresarial se reinventa na pandemia

Publicados

em


source
Durante 2020, a MM Eventos realizou transmissões semi-presenciais, com a equipe de produção, e totalmente virtuais
Divulgação / MM Eventos

Durante 2020, a MM Eventos realizou transmissões semi-presenciais, com a equipe de produção, e totalmente virtuais


A pandemia acertou em cheio a economia brasileira. E muitos setores precisaram se reinventar. É o caso das empresas especializadas em eventos. Segundo a Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), até fevereiro deste ano, mais de 350 mil eventos deixaram de ser realizados em 2020 (entre shows, festas, congressos, rodeios, eventos esportivos e sociais, teatro, entre outros). A situação praticamente não mudou este ano.

Segundo a associação, um terço das empresas fechou as portas em definitivo. Das que permanecem abertas, 97 de cada 100 não está prestando serviço. O ramo deixou de faturar, ao menos, R$ 90 bilhões. E um terço das empresas em atividade vai ter muita dificuldade para reabrir, diz o levantamento

Uma outra pesquisa, feita pelo Sebrae em agosto de 2020, mostrou que, até o terceiro trimestre, empresários tentaram negociar prazos para amenizar os impactos da pandemia: 34% devolveram o dinheiro para o contratante, mas 35% deles contam que conseguiram negociar crédito para utilizar futuramente. Outros apostaram em inovação. 

Como o grupo MM Eventos. Com sede em São Paulo e atuação no país inteiro, desenvolveu uma maneira de inovar as tradicionais lives que, na visão de Ana Carolina Medeiros, diretora de relacionamento da empresa, “já estão batidas”. 

O grupo se dedicou a criação do que Medeiros chama de lives interativas: em vez de assistir a uma transmissão impessoal e pouco interativa, o espectador tem uma experiência dinâmica através de um kit físico entregue na sua casa. “A ideia é transportar a experiência do presencial pró on-line”, explica. 

Leia também

A transição não foi fácil. Medeiros conta que, na primeira semana de distanciamento social em todo o país, cerca de 200 eventos da empresa foram cancelados. A equipe entrou em desespero. “Peguei, sentei todo mundo em uma call para discutir: o que faríamos para nos adaptar e inovar?”   

O resultado, no final das contas, foi positivo. Até o final de 2020, a MM Eventos realizou mais de 700 eventos, nas modalidades 100% on-line e alguns semi-presenciais, que contavam com parte da equipe em estúdio. A lista vai desde convenções e feiras a festas de fim de ano e lançamentos de produtos. 

A quantidade de pessoas varia conforme a empresa que solicita o serviço. Algumas, menores, requerem 50 kits. Outras, mais ousadas, chegaram a reunir duas mil pessoas em uma feira, com cada uma delas recebendo seu kit personalizado. 

Um dos novos projetos, e mais ambiciosos, é a realização de um evento de vários dias com a entrega de um kit preparado especialmente para cada dia. Segundo Medeiros, a sensação de experiência personalizada é decisiva para enfrentar o isolamento.

Transição

A empresa de João Geo, que estava acostumada a fazer eventos comemorativos, foi uma das que buscou se reinventar em meio a pandemia. A Seguradora Pottencial, com sede em Belo Horizonte (MG), “tinha essa cultura da festa”, diz o CEO

Além de ser um raro exemplo de empreendimento que registrou alta de faturamento durante a pandemia, a Pottencial também inovou com a sua tradicional festa de fim de ano.

A comemoração, que em 2020 alcançou mais de mil pessoas, foi totalmente virtual, mas igualmente importante para a equipe. Os dois eventos, um para os clientes e outro para a equipe, contaram com a participação do cozinheiro Leo Paixão em uma chamada de vídeo coletiva.


“Cozinheiro com Paixão”

Batizada de “Cozinhando com Paixão”, a organização da live enviou kits de culinária com ingredientes para a elaboração de pratos dirigidos pelo cozinheiro. Foi um momento de reunião familiar que, segundo Geo, “ajudou a manter nossa cultura viva”.

Ele conta que, além da tentativas de manter vivo o espírito da equipe, a empresa também adotou medidas de cuidado da saúde mental de seus funcionários. Semanalmente, a equipe de RH entra em contato com cada um dos trabalhadores, de todos os setores, para oferecer assistência psicológica e, até, física. “Às vezes o cara não tem um notebook bom, um suporte para se manter ereto na cadeira… E é dever da empresa fornecer esta estrutura para o funcionário, né?”, diz o presidente. 

A Pottencial também ofereceu assistência com psicólogos para seus funcionários e uma cartilha de “boas práticas no home office”. 

Para o futuro 

Medeiros crê que o mercado de eventos comece a engatinhar rumo ao que era antes da pandemia em julho deste ano. Os eventos presenciais, “com aquela aglomeração gostosa”, ela diz, só retornarão na medida em que a população se vacinar massivamente.

Ainda assim, certos hábitos da pandemia permanecerão. “Vai demorar para largarmos a máscara, o álcool em gel, o medo do abraço”, conta. Ela também espera que o período de isolamento sirva para criar lealdade e união dentro do setor de eventos que, para ela, ainda é muito desunido. 

“Como muitos dos nossos concorrentes quebraram, acho que, pra criar um novo setor de eventos, já que este está destruído, vamos ter que nos organizar melhor e cooperar mais. Em diretrizes, em protocolos, em organizações que defendam os nossos interesses, por que este ainda é um mercado muito desunido, muito traiçoeiro”, diz. 

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Como sua casa pode influenciar na produtividade do home office

Publicados

em


source

BBC News Brasil

Como sua casa influencia sua produtividade em home office
Mark Johanson – BBC Worklife

Como sua casa influencia sua produtividade em home office

Quando Chris Scott acorda em  sua nova casa em Bruny Island, na costa sudeste da Tasmânia (Austrália), ele costuma caminhar cinco minutos até o mar para surfar por uma hora.

Na sequência, o profissional de 38 anos vai até a garagem que converteu em home office para encarar um dia inteiro de trabalho como gerente de projeto sênior na Origin Energy.

Entre as videochamadas com sua equipe de 20 pessoas, ele passeia pela propriedade de 50 acres para arejar a cabeça — e pode até terminar o dia de trabalho mergulhando com a esposa em busca de abalones, um tipo de molusco, para o jantar.

É muito diferente da vida que ele tinha em Sydney ao longo da década que antecedeu a pandemia de covid-19, na qual precisava estar presencialmente no escritório de 9h às 5h.

“Estou muito mais focado no meu trabalho aqui, muito mais produtivo”, diz ele sobre a mudança para Bruny Island em outubro.

“Quando eu quero fazer uma pausa, eu sinto que estou realmente fazendo uma pausa em que posso desligar. Então, eu tenho muito mais clareza mental.”

Para quem está na situação de Scott, a mudança repentina para trabalhar de casa foi uma experiência muito positiva.

Mas para aqueles com condições de vida diferentes, tem sido um desafio muito maior.

Um estudo recente da Universidade de Stanford, nos EUA, por exemplo, mostrou que apenas 49% dos profissionais americanos fazem login remotamente de um espaço dedicado ao trabalho, enquanto os 51% restantes trabalham no quarto ou em uma área comum da casa.

O tamanho e a localização do espaço — assim como com quem você p compartilha — desempenham um papel significativo para determinar quão bem você é capaz de trabalhar de casa durante a pandemia.

E isso ajuda a explicar por que as percepções da experiência de trabalho remoto como uma opção desejável agora variam amplamente de acordo com a idade, sexo e classe socioeconômica — e pode ajudar a moldar nosso futuro de trabalho híbrido.

Espaço é um luxo

No esforço inicial para migrar para o trabalho remoto, nos voltamos para os problemas imediatos — como trabalhar sem uma mesa adequada , colocar um laptop na altura certa, inserir empresas inteiras no Zoom.

Esses problemas de curto prazo talvez estejam resolvidos, mas pensar em fatores mais amplos leva mais tempo; como, por exemplo, a qualidade do nosso ambiente de trabalho determina o quão bem nos sentimos e a chance de querermos continuar assim.

Tiffany Philippou, 32, que mora no norte de Londres, tem uma experiência de home office muito diferente da de Scott na Tasmânia.

A estrategista de comunicação e marcas tem se esforçado para atender ligações de clientes e gravar seu podcast, Is This Working, do pequeno apartamento de dois quartos que ela divide com uma colega que trabalha com publicidade.

O wi-fi só é forte o suficiente para fazer chamadas de vídeo na sala e em um dos quartos, então a dupla tem que fazer uma dança das cadeiras diária, trabalhando na mesa da cozinha ou nas escrivaninhas dobráveis ​​em seus quartos de paredes finas, à medida que se adaptam às agendas imprevisíveis uma da outra.

“Ter que se mover em um espaço pequeno e lidar com outras pessoas neste tipo de ambiente falso de escritório em sua casa é muito exaustivo”, diz ela.

“Seu cérebro só consegue lidar com um certo número de decisões todos os dias, e quanto mais você precisa, menos energia e capacidade ele tem para outras coisas.”

Philippou diz que observou uma crescente desconexão entre profissionais mais jovens e mais velhos.

“Acho que há essa lacuna, em que os gerentes e chefes que têm um bom escritório em casa não estão percebendo como isso é mentalmente desafiador para as pessoas mais jovens ou menos abastadas que precisam compartilhar espaço neste novo contexto de trabalho.”

A geração dos millennials é historicamente vista como a mais entusiasmada com o trabalho remoto. No entanto, pesquisas recentes sugerem que eles podem estar enfrentando atualmente mais dificuldade do que as gerações anteriores.

Um estudo global com 12 mil funcionários, gerentes, líderes de RH e executivos de nível C da empresa de tecnologia Oracle mostrou que 89% das pessoas com idade entre 22 e 25 anos e 83% das pessoas com idades entre 26 e 37 anos disseram que tiveram mais estresse e ansiedade neste ano do que antes, à medida que os problemas de trabalho se estenderam para a vida pessoal devido à falta de barreiras.

Isso se compara a apenas 62% das pessoas com de 55 a 74 anos.

Outro estudo com 2,3 mil funcionários americanos remotos do Gensler Research Institute mostrou que, apesar da preparação tecnológica para o trabalho móvel, a Geração Z e os profissionais millennials eram muito menos propensos do que os baby boomers a ter uma sensação de dever cumprido no fim do dia, ou até mesmo completar tarefas diárias.

Cerca de 50% dos profissionais da Geração Z e da geração Y acharam mais difícil evitar distrações (em comparação com 33% dos baby boomers), enquanto 37% tiveram dificuldade para manter um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal (em comparação com 25% dos baby boomers).

Você viu?

“É um problema real para os profissionais mais jovens que não têm sossego em casa porque os gestores apenas esperam que você vá em frente , mas se você não tem nenhum espaço, como pode trabalhar?” questiona Nicholas Bloom, professor de economia da Universidade de Stanford.

No ano passado, ele conduziu uma pesquisa com 2,5 mil profissionais americanos para ver com que frequência eles gostariam de trabalhar de casa depois que a pandemia acabar.

“Cerca de um quarto das pessoas realmente não quer trabalhar de casa na era pós-pandemia, e são em sua maioria jovens e solteiros em apartamentos pequenos”, explica.

“Outro um quarto quer trabalhar para sempre de casa; eles tendem a ser mais velhos, casados, com filhos e a morar em casas.”

O papel do som

Kati Peditto, psicóloga de design ambiental da Academia da Força Aérea dos Estados Unidos, afirma que, independentemente da idade, há uma série de fatores ambientais importantes — tanto comportamentais quanto físicos — que podem desempenhar um papel importante na performance e na satisfação com o trabalho.

“O som é importante porque realmente destaca muitas das desigualdades que vemos em termos de trabalho remoto e produtividade”, diz ela, observando que indivíduos não brancos e de classe socioeconômica mais baixa vivem desproporcionalmente em locais com níveis de ruído mais altos.

O som também entra em cena quando há crianças envolvidas. Ter filhos em casa pode levar ao que Peditto chama de “distração da responsabilidade”, que estudos mostram impactar muito mais as mulheres do que os homens que trabalham de casa.

“Indivíduos que têm o luxo de ter escritórios separados com portas que podem fechar, ou aqueles que podem pagar uma creche ou uma babá, vão se sair melhor em termos de produtividade”, diz ela.

Criar um espaço de trabalho separado foi a solução que funcionou para Jo van Riemsdijk, cofundadora da agência de recrutamento CX Talent, que mora em Hertfordshire, na Inglaterra, com o marido e dois filhos.

Quando a pandemia obrigou todos a trabalhar e estudar na mesma casa, com cômodos integrados, eles construíram um escritório de 3,9 metros quadrados no jardim com isolamento acústico e piso aquecido.

“Para mim, esses cinco passos até o escritório realmente ajudam a criar uma fronteira entre o trabalho e a casa”, explica a profissional de 48 anos.

“Minha produtividade e concentração são muito maiores do que na minha casa porque há muita luz natural, é acusticamente agradável e não há distrações, exceto, talvez, um passarinho voando.”

Invasão de espaço

Também pode haver uma vantagem psicológica em ter um espaço de trabalho dedicado, separado do seu espaço pessoal.

Antes da pandemia, o escritório funcionava como uma área neutra com uma estética uniforme em que todos tinham acesso aos mesmos recursos.

Mas agora o processo de ‘convidar’ colegas para entrar em sua casa por meio de videochamadas pode permitir que você analise seu próprio ambiente físico, o que pode ser difícil para quem não tem uma estante perfeitamente organizada para colocar atrás da webcam.

“Em vez de sermos julgados por nossa aparência física e profissionalismo — as roupas que vestimos, o quão bem cuidados estamos — de repente, vira ‘que equipamento você tem, qual é a definição da sua câmera, qual a clareza do seu microfone , como é a iluminação do seu escritório, e você sequer tem um escritório em casa'”, explica Peditto.

A videoconferência também quebra as barreiras de longa data entre a vida profissional e pessoal, tornando os trabalhadores vulneráveis ​​a comparações explícitas e implícitas de seus espaços de trabalho — algo que você pode sentir mais intensamente trabalhando do quarto do que de um escritório no jardim.

Bloom, de Stanford, destaca que antes da pandemia, quem trabalhava de casa optava por isso — e diz que questões em relação à privacidade, espaço, escolha e filhos são os quatro principais fatores que tornam única a atual experiência de trabalho remoto.

Com uma grande parcela da força de trabalho global forçada a trabalhar de casa, ele acredita que ainda há muito a aprender sobre as condições domésticas que fazem alguns prosperarem e outros fracassarem.

“Quando converso com as empresas sobre quem está voltando para o escritório, um dos grandes fatores é: ‘Qual ambiente doméstico é o mais problemático?'”, afirma.

“Antes da covid, a regra costumava ser que você teria que ter seu próprio espaço exclusivo durante o dia, então você não deveria trabalhar do quarto porque os empregadores sabiam que era um problema para a saúde mental. Agora, isso já era e estamos vendo as consequências.”

Bloom visualiza o modelo de trabalho pós-pandemia mais como um plano híbrido, em que aqueles que podem trabalhar de casa o farão cerca de dois dias por semana, nos mesmos dias que outros membros de sua equipe.

É basicamente uma concessão — um meio-termo feliz para agradar aqueles que gostaram da experiência de trabalho remoto e aqueles que estão contando os dias para verem sua baia novamente.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana