AGRO & NEGÓCIO

Adoção de tecnologias da Embrapa contribui para a evolução da cafeicultura no Mato Grosso

Publicado

Os produtores de café do Mato Grosso estão começando a colher os frutos dos investimentos realizados com a adoção de tecnologias e capacitações voltadas para o desenvolvimento desta cadeia produtiva no estado. Por meio do programa de revitalização da cafeicultura do Governo de Mato Grosso, a Embrapa Rondônia, parceira nesta ação, propôs e foi colocado em prática um conjunto de soluções tecnológicas para o aprimoramento da cafeicultura.

As ações envolveram a introdução de cultivares clonais de café desenvolvidas pela Embrapa, mais produtivo e com melhor resposta aos tratos culturais – antes o plantio era, em sua maioria, por sementes -, foram incentivadas a adoção de técnicas adequadas de manejo de poda, irrigação, adubação e boas práticas de colheita e pós-colheita. Foram disponibilizadas mais de 130 mil estacas de cultivares de café canéfora (robusta e conilon) , desenvolvidas pela Embrapa Rondônia para a produção de mudas e implantação de unidades demonstrativas e jardins clonais. Isso proporcionou aos produtores a obtenção de materiais genéticos de maior qualidade. Além disso, está sendo realizada a capacitação continuada de técnicos da cadeia do café, que têm multiplicado esses conhecimentos aos produtores no campo.

Para Frederico Botelho, chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa, a capacitação dos técnicos foi o ponto chave da revitalização da cafeicultura no Mato Grosso. “Com  o foco no processo de atualização do conhecimento dos técnicos para a adoção de tecnologias, eles levaram aos produtores tecnologias e boas práticas que foram adotadas e, com isso, foi possível contribuir com evolução produtiva que estamos vivenciando na cafeicultura do estado hoje”, explica.

Foram capacitados 100 técnicos para atender, atualmente, 50 municípios e mais de 700 produtores são atendidos diretamente pelo programa no estado, ou seja, quase 30% dos cafeicultores do Mato Grosso fazem parte desta ação. Segundo dados do Censo Agropecuário de 2017, o estado conta com 2.600 produtores de café. A espécie cultivada no estado é a canéfora, com as variedades conilon e robustas, assim como plantas híbridas destas duas variedades botânicas.

De acordo com George Luiz de Lima, superintendente de Agricultura Familiar do Mato Grosso – SEAF, o impacto na cadeia produtiva do café já pode ser observado. “Os resultados deste trabalho já podem ser vistos nos dados que mostram tanto a expansão da cultura como o aumento da produção e produtividade. A contribuição da Embrapa com os Robustas Amazônicos em Rondônia foi referência para o Mato Grosso e queremos trilhar este caminho”, afirma George de Lima.

No período de 2015 a 2020, a produção de café no estado aumentou em 34%, chegando a uma estimativa de 168,8 mil sacas para a safra 2020. A produtividade aumentou 171%, saindo de 6,29 sacas por hectare na safra 2015, para uma expectativa de 17,05 sacas por hectares na safra 2020, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento – Conab.

O produtor rural Lucas Miiller, é um dos pioneiros na cafeicultura no município de Nova Bandeirantes – MT. Há 20 anos ele trabalha com o café, mas conta que só nos últimos anos está conseguindo colher os frutos de tanta dedicação. Ele apostou no uso de tecnologias e boas práticas de manejo e o salto foi grande.

Em 2005, a média de produtividade de sua lavoura era de 12 a 15 sacas por hectare e ele tinha, à época, oito hectares com café em produção, de onde ele obteve renda de R$1.800 na colheita. Em 2019, com metade da área em produção – quatro hectares – o produtor atingiu a média de 120 sacas por hectare e obteve mais de R$60 mil na colheita. Ele conta o segredo. “É a tecnologia! Eu troquei a lavoura de sementes por clones, comecei a fazer as podas, adubação e irrigação conforme o técnico me passava e deu nisso aí, conhecimento é sempre boa coisa pra gente. Estou conseguindo custear os estudos dos filhos, consegui comprar um carrinho e agora quero dobrar minha área de produção, para oito hectares”, comemora Miiller.

O produtor é um dos atendidos pelo programa que tem levado assistência técnica qualificada aos produtores do Mato Grosso. Segundo Thiago Tombini, engenheiro agrônomo da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural – Empaer-MT, é um pacote de tecnologias que tem sido adotado e que está começando a transformar o setor cafeeiro do estado e a vida das 2.600 famílias que atuam na cafeicultura. Tombini é quem assiste o produtor Lucas. “As tecnologias trazidas pela Embrapa estão sendo muito bem aceitas pelos produtores, eles estão obtendo resultados e ficam ainda mais animados com a produção expressiva”, destaca Tombini.

Técnicos do Mato Grosso participam de capaditação prática sobre cafeicultura, oferecida pela Embrapa Rondônia

Atuação da pesquisa e transferência de tecnologias

Desde sua criação, em 2015, este programa conta com a parceria da Embrapa, por meio de duas unidades descentralizadas: Embrapa Rondônia e Embrapa Agrossilvipastoril, no Mato Grosso. A partir do Acordo de Cooperação Técnica com a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários do Mato Grosso – SEAF, têm sido realizadas atividades de pesquisa e validação das cultivares de café desenvolvidas pela Embrapa Rondônia e a implantação de jardins clonais para que os produtores possam ter acesso a mudas com qualidade. O Acordo também tem viabilizado as capacitações de técnicos da Empaer-MT e das secretarias municipais participantes do programa, que atuam na assistência técnica dos cafeicultores. Já foram realizados quatro módulos de capacitação, abrangendo todas as etapas do sistema de produção de café.

A Embrapa também tem ajudado a promover palestras e dias de campo para os agricultores e realizou também o diagnóstico da cadeia agroindustrial do café no estado, tendo como foco os dez municípios que participavam do Programa desde a sua fase inicial. O objetivo foi caracterizar a situação atual e o nível tecnológico dos setores de produção e comercialização de café nesses municípios, analisando também os aspectos institucionais e de consumo.

De acordo com George Luiz de Lima, superintendente da SEAF, de 2016 a 2020, o estado investiu cerca de R$4 milhões no programa e, em 2017, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa aportou mais R$6 milhões para a cafeicultura do estado. Todo este potencial da cafeicultura para a agricultura, fez como que  cadeia do café se tornasse prioritária no plano estadual de agricultura familiar. Segundo ele, as parcerias realizadas com prefeituras, que criaram programas municipais em sinergia com o programa estadual, também estão fortalecendo as ações em prol do café no estado.

Os trabalhos envolvem treinamentos de técnicos, estruturação de viveiros municipais, disponibilização de mudas, calcário e fertilizantes, aquisição e veículos para assistência técnica e extensão rural e demais atividades do programa e apoio a eventos voltados à cafeicultura, assim como disponibilização de patrulhas agrícolas às prefeituras para atendimento à cafeicultura.

Estacas de cultivares de café canéfora (robusta e conilon) desenvolvidas pela Embrapa Rondônia para a produção de mudas e implantação de unidades demonstrativas e jardins clonais no Mato Grosso

Programa de Revitalização da Cafeicultura no Mato Grosso

O programa de revitalização da cafeicultura no Mato Grosso, criado em 2015 com o nome Pró Café MT, em 2019 foi reformulado, passando a se chamar Programa Mato Grosso Produtivo – Café. Tem como objetivo principal fomentar e fortalecer a cadeia produtiva do café no estado, como alternativa sustentável de geração de renda para conter o desmatamento nos municípios.

Para atingir esses resultados, o programa foi estruturado em três eixos centrais. Um deles é o aumento da produção, produtividade e melhoria da qualidade do café por meio da difusão de boas práticas de produção de mudas, plantio, tratos culturais, colheita, pós-colheita e beneficiamento. O outro é a renovação e modernização gradativa das lavouras por meio de cultivares clonais certificadas e recomendadas pela Embrapa. O terceiro é a aproximação do agricultor familiar da assistência técnica e extensão rural e também do mercado, incentivando a comercialização e o consumo do café produzido no estado.

Fonte: Embrapa

Comentários Facebook
publicidade

AGRO & NEGÓCIO

Dia Mundial do Chocolate: nutricionista explica os benefícios

Rico em vitaminas C e E, minerais como o cálcio, fósforo, ferro, potássio e sódio, o cacau, matéria-prima do chocolate, contém ainda uma boa quantidade de fibras e carboidratos. Outro elemento presente, a feniletilamina é conhecida por causar a sensação de bem-estar.

Publicado

Por Luciane Mildenberger

Capaz de trazer boas sensações e alegrar alguém especial, como um presente, o chocolate apresenta benefícios à saúde se consumido adequadamente. Para comemorar o Dia Mundial do Chocolate, nesta terça-feira (07.07), a nutricionista do Fort Atacadista de Mato Grosso, Rafaela Curcino Moreira, recomenda o chocolate, com moderação. Ela destaca os benefícios do produto para o nosso dia a dia.

Rico em vitaminas C e E, minerais como o cálcio, fósforo, ferro, potássio e sódio, o cacau, matéria-prima do chocolate, contém ainda uma boa quantidade de fibras e carboidratos. Outro elemento presente, a feniletilamina é conhecida por causar a sensação de bem-estar. “É a substância que o nosso cérebro produz quando se encontra apaixonado”, explica a nutricionista.

Fonte de energia, o chocolate alivia o estresse, combate a ansiedade, ajuda o raciocínio e até mesmo melhora o humor, com a liberação de serotonina, conhecido como “hormônio da felicidade”. A recomendação, diz Rafaela, é comer o chocolate com a maior porcentagem de cacau possível, acima de 55%, no mínimo. “O amargo ou meio amargo, são as melhores opções”, esclarece.

Outros benefícios do consumo de chocolate com mais de 70% de cacau é a diminuição de inflamações e a melhora da imunidade. “Os flavonóides presentes no cacau são potentes antioxidantes e agentes antiinflamatórios, apontam pesquisas”, cita a nutricionista, que acrescenta também que o consumo pela manhã e no final da tarde alivia o estresse. “São períodos que temos picos de cortisol, que provocam o estresse. O consumo do chocolate nesses horários consegue equilibrar esse efeito”, explica.

Entretanto, conforme a nutricionista, mesmo os chocolates com maior teor de cacau são calóricos e possuem açúcares, então devem ser consumidos com cautela. O segredo, diz ela, está no equilíbrio. “Uma porção de 6 a 30 gramas por dia não atrapalha uma alimentação equilibrada”.

A produtora executiva de cinema, Bárbara Varela, é uma chocólatra assumida. “Celebrar o dia do chocolate se deliciando com um, é celebrar a vida, a alegria. E nessa pandemia, não da para ficar sem, pelo menos um por dia”, comenta.

Nas lojas do Fort Atacadista em Cuiabá e Várzea Grande o consumidor encontra uma variedade de chocolates e diferentes marcas que agradam todos os paladares. Desde o amargo, meio amargo aos mais doces, as unidades oferecem diferentes formas, cores e sabores de chocolate, alimento descrito pelo povo Maia como “elixir dos deuses”.

As lojas da rede em Cuiabá estão localizadas nas Avenidas Miguel Sutil e Fernando Corrêa da Costa e, em Várzea Grande, na Avenida da FEB. O Fort cumpre todas as recomendações e protocolos de saúde dos órgãos oficiais contra o coronavírus. O horário de funcionamento das lojas é segunda a domingo, das 7h às 21h, em Cuiabá, e das 6h30 às 19h30, em Várzea Grande. 

 

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana