IMORTAL

Academia de Belas Artes lamenta morte de artista plástico mato-grossense

A fatalidade aconteceu em seu sítio, localizado na região de Taquaral, em Cáceres, no momento em que tentava combater um incêndio em sua propriedade.

Publicado

Por Hugo Fernandes

A presidente da Academia Brasileira de Belas Artes, Vera Gonzalez, lamentou a morte do artista plástico Sebastião Mendes, ocorrida nesta quinta-feira (08.10), vítima de um mal súbito. A fatalidade aconteceu em seu sítio, localizado na região de Taquaral, em Cáceres, no momento em que tentava combater um incêndio em sua propriedade.

“Sebastião era magnífico. Criou seu estilo próprio, cujo reconhecimento ganhou o mundo. Desejamos aos familiares e amigos nossas condolências nesse momento de dor. Tenho certeza de que, a partir de hoje, o céu está ficando cada vez mais bonito e colorido, com sua presença”, lamentou Vera.

O imortal Sebastião Mendes ocupava a cadeira de número três da Academia Brasileira de Belas Artes desde 2007, por onde passaram grandes artistas como Cândido Portinari, Di Cavalcanti e Tarsila do Amaral, sendo esta última sua grande inspiração e influenciadora. Ele foi o sétimo ocupante da cadeira, tendo como patrono Milton da Costa, pintor, desenhista e ilustrador.

Mendes é considerado pelos críticos de arte como um dos principais nomes do Expressionismo Figurativo do país. O artista caracteriza-se pela abordagem do cotidiano bucólico, interiorano, ao retratar sua raiz pantaneira, com traços que chamam a atenção pela sobreposição de cores, luminosidade e leveza. Foi defendendo Pantanal – sua grande fonte de inspiração – de um incêndio, que Sebastião sucumbiu.

A dor da perda também foi fortemente sentida pela curadora e marchand de Sebastião, Sandra Setti. “Ainda estou sob o choque da notícia. Meu coração está profundamente machucado. Sebastião era meu amigo e companheiro de 20 anos de projetos e exposições. Lamento muito por nossa perda”, disse.

Artista plástico Sebastião Mendes

Cacerense, Sebastião morava há cerca de quatro anos em Assis, no interior de São Paulo. Há cerca de quatro meses, estava em Cáceres, passando uma temporada e produzindo diversas obras. Antes da pandemia, estava se programando para expor suas telas em Firenze, na Itália, Cascais, Portugal e Pequim, na China, neste ano.

Sua última exposição foi realizada em novembro do ano passado, denominada ‘Brasilidades’, no Memorial Adélio Sarro, em Vinhedo (SP). A abertura contou com a apresentação do cantor de rock e folk rock nacional, Silvio Brito, fã e amigo pessoal de Sebastião Mendes. Em abril apresentou seu trabalho no Museu de Arte Primitiva de Assis, interior de São Paulo.

Autodidata, começou a desenhar e pintar aos oito anos de idade. Iniciou seus traços com carvão nas paredes de tábua de sua casa e, com gravetos, riscava seus desenhos no chão do quintal. Foi o olhar do Frei Matheus que identificou nele o potencial nato para a arte, incentivando-o a aperfeiçoar-se.

Aos 16 anos participou de sua primeira exposição coletiva e, em 1995, começou a expor seus trabalhos pela Europa, passando por países como Alemanha, Portugal, Itália, França, Bélgica, Espanha, Suíca, dentre outros. Possui colecionadores em vários países, como Japão, Russia e Estados Unidos. Sebastião faleceu aos 54 anos. Mas deixa um legado de uma vida inteira dedicada às artes plásticas.

Comentários Facebook
publicidade

cultura

Recital solo de clarinete celebra 50 anos da UFMT

Publicado

Em comemoração aos 50 anos da Universidade Federal de Mato Grosso, a clarinetista Jessica Gubert propõe a realização de recital solo neste sábado (05.12), às 18h (horário de Cuiabá). A apresentação será transmitida online pelo Youtube da musicista e a interação com o público ocorrerá via chat.

O recital exibirá peças do repertório contemporâneo para clarineta solo, incluindo duas estreias, as obras Limbus II e Figura fundo, criadas recentemente pelos compositores Roberto Victorio e Danilo Rossetti, ambos professores do curso de música da UFMT.

“Com diálogo rico entre música e audiovisual, repleto de elementos da contemporaneidade, poeticamente amalgamados pela trama sonora, o espetáculo tem a direção do cineasta e documentarista Luiz Marchetti”, adianta Jessica.

O espetáculo conta ainda com direção musical de Murilo Alves, produção de Daniela Arantes, orientação artística de Luís Afonso Montanha, câmera e montagem de Juliana Segóvia, Captação, edição e mixagem de áudio de Manoel Neto, áudio de Carol Brandalise, maquiagem de Mixele Brito e arte gráfica de Fernanda Moura.

O recital tem apoio da UFMT e ocorre em parceria com o Instituto Ciranda – Música e Cidadania.

Serviço

Recital solo de clarinete

Sábado (05.12) às 18h (horário de Cuiabá) / 19h (horário de Brasília)

Canal do YouTube Jéssica Gubert

Fonte: GOV MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana