Educação

ABL finaliza 6ª edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa

Publicados

em


A sexta edição online do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa tem lançamento previsto para 20 de julho, dia do aniversário da Academia Brasileira de Letras (ABL). A informação foi dada hoje (10) à Agência Brasil, data em que se comemora o Dia da Língua Portuguesa, pelo professor Evanildo Bechara, diretor de Lexicografia e Lexicologia da ABL.

A nova versão é uma atualização da quinta edição, disponível para consulta no site da academia. “Estamos ultimando as palavras novas, que são mais de mil”, disse o professor, que ocupa a cadeira nº 33 da ABL. O Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa tem 370 mil palavras.

Palavras escritas

A ABL, como outras academias, tem um vocabulário, que é a relação das palavras escritas. Outras academias também têm seu dicionário que, além de registrar a forma de escrever as palavras, ainda traz ainda outros significados delas. “O que compete à academia é como a palavra deve ser escrita”, informou Bechara.

Dentre as mais de mil palavras inseridas na nova edição do vocabulário ortográfico, estão termos técnicos, de gíria e palavras das mais diversas disciplinas do saber. Segundo o professor, há palavras advindas da pandemia do novo coronavírus e de toda atividade humana nas áreas de medicina, engenharia, filosofia, literatura, por exemplo.

“Essas palavras não estavam registradas e passam a ser registradas agora. A sexta edição é a relação completa, na medida do possível, de todas as palavras usadas em uma determinada época da nossa vida cultural”.

O professor adiantou que já está trabalhando no Dicionário de Machado de Assis. “É uma relação completa de todas as palavras e expressões usadas por Machado de Assis na sua longa trajetória de escritor, de comentarista”. Ele ressaltou, por outro lado, que o trabalho é só ortográfico, por enquanto. “A nossa preocupação é com a maneira de escrever corretamente a palavra”.

Edição: Maria Claudia

Comentários Facebook
Propaganda

Educação

Terminam hoje as inscrições do Encceja 2020 para privados de liberdade

Publicados

em


Terminam hoje (18) as inscrições para o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para Pessoas Privadas de Liberdade ou sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade – o Encceja PPL 2020.

As provas para o ensino fundamental e médio serão aplicadas nos dias 13 e 14 de outubro deste ano. As inscrições de pessoas privadas de liberdade e jovens que estão sob medidas socioeducativas devem ser feitas pelo responsável pedagógico. Cabe a ele entrar na página do participante, fazer a inscrição dos interessados, verificar a divulgação dos resultados e determinar as salas de provas dos participantes, assim como a transferência entre as unidades, caso seja necessário. Também cabe ao profissional excluir do exame aqueles que tiverem a liberdade decretada.

No momento da inscrição é preciso selecionar qual o tipo de prova que deseja fazer: Encceja para ensino fundamental – idade mínima de 15 anos completos no dia de realização do exame – ou Encceja para ensino médio.

Para o ensino médio é exigida idade mínima de 18 anos completos na data de realização do exame. Ainda na inscrição, o responsável pedagógico precisa selecionar as áreas que o candidato deseja. Aqueles que têm declaração de proficiência parcial em algumas áreas não precisam repetir a prova. Já quem não possui essa declaração deve marcar todas as alternativas.

Provas

As provas do Encceja PPL têm o mesmo nível de dificuldade do Encceja regular. A diferença entre elas é a aplicação, que ocorre dentro de unidades prisionais e socioeducativas. Podem participar jovens e adultos brasileiros que não tiveram a oportunidade de concluir os estudos de nível básico na idade adequada. São quatro provas objetivas, cada uma com 30 questões de múltipla escolha, além de uma redação.

Como é

O Encceja é uma prova criada em 2002 pelo Instituto Nacional de Ensino e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep para avaliar o conhecimento das pessoas que voltaram a estudar porque não conseguiram concluir o ensino fundamental ou médio na idade adequada. Um bom resultado no exame garante ao estudante o certificado de conclusão dos estudos com o mesmo valor de um diploma de uma escola de ensino fundamental ou médio.

Edição: Maria Claudia

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana