Cuiabá

A pedido do Ministério Público, Ordem Pública fiscaliza área verde no Distrito Industrial

Publicado


.

Na tarde desta quarta-feira (5), agentes de regulação e fiscalização da Secretaria Municipal de Ordem Pública estiveram na Rua I, bairro Distrito Industrial, verificando uma denúncia encaminhada pelo promotor de justiça Gerson Barbosa, da Promotoria de Justiça de Defesa Ambiental de Cuiabá, sobre poluição de uma área verde pertencente ao Município. 

No local, os fiscais constataram que as margens da via encontram-se poluídas com lixo jogado pelas pessoas, inclusive um para-choque de carro, e a vegetação encontra-se queimada, o que é crime ambiental, previsto na Lei federal nº 9.605, que estipula como sanções multa e/ou reclusão de 1 a 4 anos. O Código Sanitário da Capital também proíbe a utilização de terrenos como depósitos de lixo.

Apesar disso, não foi possível lavrar nenhum tipo de instrumento fiscal porque o autor das infrações não foi identificado. Por isso, o gerente de fiscalização Rafael Mestre destaca a importância da participação popular na identificação dos responsáveis por poluir o meio ambiente. “É de suma importância, para que a fiscalização possa identificar o infrator, indícios e pistas do infrator, por exemplo, a placa do veículo, do caminhão. Tirando a foto da placa e mandando pra gente, a gente consegue puxar quem é a empresa responsável, tanto a pessoa jurídica quanto física, para nós procedermos na ação fiscal”, explica. 

Denuncie

A população pode ajudar a fiscalização da Secretaria de Ordem Pública pelo Disque-denúncia (65) 3616–9614, que atende de segunda a sexta-feira, em horário comercial. Nos demais horários, finais de semana e feriado, as denúncias devem ser feitas pelo 190.

 

Comentários Facebook
publicidade

Cuiabá

Cidadania confirma candidatura a vereador do organizador do abaixo assinado #FORA PALETÓ

Publicado

A convenção do Partido Cidadania em Cuiabá confirmou a candidatura a vereador de Fellipe Corrêa. Profissional da área de marketing digital e com ativa presença em redes sociais, ele foi o organizador do abaixo assinado eletrônico que reuniu mais de 2.300 assinaturas pedindo o afastamento e a cassação do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB). A petição popular foi entregue esta semana (terça-feira, 15/9) ao presidente da CPI do Paletó, vereador Marcelo Bussiki (que teve candidatura aprovada a vice-prefeito pelo DEM em chapa com o Partido Patriotas). O Cidadania fechou coligação para prefeito com o Podemos, em chapa formada pelos vereadores Abílio Junior e Felipe Welaton, a prefeito e vice.

Fellipe Corrêa explicou que concluiu essa etapa da iniciativa do abaixo assinado #FORA PALETÓ antes da convenção do Partido Cidadania para se concentrar em sua campanha. Mas ressaltou que a luta continua. “Como um agente integrante da sociedade civil, fiz a minha parte que era criar e divulgar a página na internet para a busca por apoio popular. Cabe agora a todos nós, que assinamos o abaixo assinado, continuar pressionando a Câmara e os vereadores que fazem parte da bancada do prefeito do paletó. Cobrar consciência e respeito pela população de Cuiabá, que ficou humilhada nacionalmente com aqueles cenas de propina envolvendo Emanuel Pinheiro. Pedir a aprovação do relatório da CPI”, disse.

O organizador do abaixo assinado #FORA PALETÓ afirmou que essa iniciativa foi a derradeira entre tantas articuladas com vereadores da oposição desde 2017, com carreatas, “adesivaços” e manifestações contrárias a permanência do prefeito Emanuel Pinheiro no cargo. “Mas o prefeito, com o loteamento de cargos na Prefeitura, conseguiu formar uma maioria na Câmara, a bancada do paletó, e vem conseguindo se segurar no cargo, infelizmente”, observou Fellipe.

 Segundo ele, a bancada do paletó não se constrangeu nem mesmo com a prisão e afastamento devários  secretários denunciados por corrupção. “Isso prova que a população de Cuiabá precisa dar um limpa nesses vereadores que tem compromisso com o prefeito do paletó e não com a população”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Agronegocio

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana