republica do pensamento

A Mensagem do Túmulo Vazio

Publicados

em

Por Paiva Netto

Na minha obra Liderar sob a proteção de Deus, encontram-se escritos que encaminhei aos que, ao longo dos anos, labutam comigo nas Instituições da Boa Vontade (IBVs). Nesses textos, procuro realçar a imprescindível ferramenta da Espiritualidade Ecumênica para o sucesso nas empreitadas de nossas vidas. Um deles, de 25/8/97, Rio de Janeiro/RJ, madrugada de segunda-feira, aborda o mais destacado fato da Semana Santa. Como o documento é extenso, separei dos seus pontos:

O Ideal da Boa Vontade sempre sobreviverá, porque tem o seu corpo místico iluminado por uma inegável natureza realista que desce de Deus, tal qual a Nova Jerusalém, visto que incorpora em si mesmo novo Céu e nova Terra (Apocalipse, 21:1 e 2). Em suas potentes mãos tremula o lábaro do Terceiro Milênio da Esperança.

Esse trabalho, que teve início com a pregação do Apocalipse, em 1949, surgiu clareado por um forte otimismo, porquanto Alziro Zarur (1914-1979) não apresentou o Livro das Profecias Finais como o anúncio trágico de fim de mundo, mas, sim, como realmente ele é: o aviso renovado de uma grande transição, em que “a cada um será dado de acordo com as suas próprias obras” (Evangelho, segundo Mateus, 16:27, e Apocalipse de Jesus, 22:12). Não se trata, pois, do “fim da Terra”, porém do encerramento de uma era que não tinha mais como continuar. O desamor reinava em demasia.

Efemeridade das civilizações 

Civilizações que se consideravam insubstituíveis tiveram a sua “eternidade” revelada como efêmera, à semelhança da curta duração das “rosas de Malherbe*”.

Ora, somos Espírito e, como tal, infinitos. Assim sendo, não podemos temer fronteiras constrangedoras de tempo e espaço, como querem alguns, nem amesquinhar a mensagem profética de Deus, que —  se nos mostra a razão transitória dos brilhos humanos, cuja transformação está exposta nos Selos, Trombetas e Flagelos do Apocalipse — nos demonstra também a perenidade das construções do Espírito do homem, quando reconhece, racional ou intuitivamente, receber de Deus, por intermédio do Cristo Ecumênico, o Divino Estadista, e dos Espíritos Santos, toda a luminosidade do pragmatismo deles, que historicamente se expressa na Ressurreição de Jesus. E ela — a Profecia Celeste —  nos oferece a certeza de que não ocorrerá a destruição do planeta, segundo pregam certos pessimistas crônicos; todavia, um desabar da parte deteriorada de uma estrutura apodrecida, como no findar dos reinados e impérios, de tal forma que o Evangelista-Profeta não mais enxerga nem o antigo céu (com seus terríveis umbrais ou purgatórios) nem a velha terra (com seus infernos de guerras, fomes, misérias, fanatismos, racismos, resumindo: ódios de todos os matizes que ofendem um Pai que é Amor). De um pretenso término, ergue-se extraordinário princípio.

A morte não pode deter a ação do Espírito 

Como houve a Ressurreição de Jesus, no simbolismo emblemático do Túmulo Vazio, a nos alertar para o fato de que a morte não pode deter a ação do Espírito, perpetuamente haverá, para nós, a certeza de épocas mais auspiciosas, pois que a afirmação de Deus no Apocalipse, 21:5, de que fará, não obstante as dores provocadas pela insensatez humana, “novas todas as coisas” é para valer. Necessário se faz, entretanto, que cooperemos em favor desse feliz desiderato (Segunda Epístola de Pedro, 3:12).

Jovens, de corpo e de Alma, outra não é a tarefa de vocês senão levar, em todas as línguas, a pregação da Política de Deus, isto é, o Evangelho-Apocalipse do Cristo, às nações, sempre em Espírito e Verdade, à luz do Mandamento Novo do Sublime Chefe da Humanidade: “Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos, se tiverdes o mesmo Amor uns pelos outros” (Evangelho de Jesus, segundo João, 13:34 e 35).

É hora de banhar, com o Clarão Divino, o Espírito Eterno da criatura, contribuindo com os esforços de tanta gente boa em ação pelo orbe. Por isso, a Super Rede Boa Vontade de Comunicação está aí para universalmente levar o notável recado de Deus aos Homens e às Mulheres, aos Jovens, às Crianças e aos Espíritos de Boa Vontade. Falem, portanto, ao mundo!

A morte não é mais o lúgubre ingresso para o Nada 

Não foi sem forte razão que Zarur afirmou: “Religião, Ciência, Filosofia e Política são quatro aspectos da mesma Verdade, que é Deus”.

Com a Ressurreição de Jesus, a morte deixou de ser o lúgubre ingresso para o Nada; porquanto, na verdade, é a esplendorosa revelação de que a felicidade em Deus, o Provedor de todas as carências, é eterna, como perenes são as realizações do Bem, na Terra e no Espaço.

Respeitemos a vida, e ela nos abençoará.

Quando o Celeste Amigo revelou o Túmulo Vazio, acabou com os impossíveis, porque ressuscitou, conforme prometera, da morte para a eternidade. E nós, com Ele. Graças a Deus!

Feliz Páscoa da Ressurreição de Jesus!

José de Paiva Netto é jornalista, radialista e escritor – [email protected] — www.boavontade.com

 

*Rosas de Malherbe — Verso do poeta François de Malherbe (1555-1628): “E, rosa, ela viveu o que vivem as rosas”, o que significa uma vida efêmera.  

 

Comentários Facebook
Propaganda

artigos

Dez

Publicados

em

Por Francisney Liberato

Buscando o melhor resultado todos os dias, aplicando uma dica simples que estimulará a formação de substâncias positivas em seu cérebro. DEZ!

Você já fez uma prova pensando em obter uma nota abaixo de cinco pontos? Ou quem sabe desejou tirar uma nota zero? Creio que não. Dificilmente alguém que estuda, periodicamente, vai desejar obter uma nota inferior a dez. Até o estudante displicente e desinteressado, que não tem por costume estudar, vai procurar, dentro de suas limitações de conhecimento e empenho, conseguir a nota máxima na prova.

Costumo utilizar em meus cursos e palestras a sigla DEZ, que significa: “D” = determinado, “E” = equilibrado e “Z” = zeloso.

No filme “Rocky Balboa”, o ator principal Sylvester Stallone possui todas as qualidades citadas acima. O boxe é a temática central do enredo cinematográfico, em que lutadores aplicam diversos golpes para vencer o adversário no ringue. O golpe do boxe o qual mais admiro é o gancho, que se for bem aplicado pode levar o adversário ao nocaute.

Com a finalidade de dar uma maior dinâmica em minhas palestras, solicito aos participantes que simulem dez golpes de gancho, sendo cinco golpes dados pelo punho direito e cinco pelo punho esquerdo, de forma alternada. Ao mesmo tempo peço que pronunciem em alto e bom som a palavra DEZ, repetindo: DEZ! DEZ! DEZ! E assim sucessivamente.

O meu objetivo ao realizar essa atividade é impulsionar o cérebro do aluno, utilizando a voz, vibração e movimentação do corpo como ferramentas para produzir substâncias boas no encéfalo. Com esse embalo de motivação, o estímulo neural fará com que o foco de coisas negativas seja transferido para um estado emocional positivo, gerando autoconfiança, otimismo, serenidade e capacidade de melhor interação social.

Se você empregar a dinâmica “DEZ” em sua vida, com certeza obterá sucesso. O “D” de determinação é de extrema importância, visto que é por intermédio dele que são traçados os nossos planos, objetivos e sonhos. Sem determinação, dificilmente conseguiremos observar o futuro no presente, e com isso não teremos a força física, mental e emocional necessária para sair da zona de conforto. Essa falta de determinação e motivação nos impedirá de termos características de uma pessoa vencedora, como foi Rocky Balboa.

Aplicando o “E” de equilíbrio, podemos afirmar e reafirmar que atualmente as pessoas que mais têm sucesso são aquelas que possuem equilíbrio em todas as áreas da vida, principalmente o equilíbrio emocional, e isso é percebido por todos. Ser equilibrado emocionalmente é ter controle sobre as emoções e sentimentos, é ter a capacidade de enfrentar e vencer as adversidades e os obstáculos que surgem em nossas vidas. Ter equilíbrio emocional nos estimulará a alcançar a nota DEZ.

Viver de forma categórica, utilizando o “Z” de zeloso, fará a diferença no mundo atual, onde a cultura do imediatismo e a do fast food estão transformando o que realmente importa em algo banal. O excesso de notícias compartilhadas na internet e redes sociais caracteriza também a superficialidade nos relacionamentos, a falta de interesse em ter um conhecimento mais profundo e equilibrado sobre as coisas.

Diante desse quadro desanimador, ficará muito difícil fazer com que as pessoas tenham sensibilidade, interesse, preocupação e zelo pelas coisas. Que possamos demonstrar empenho e dedicação na realização de quaisquer atribuições e responsabilidades que nos forem designadas.

Que possamos ter atenção e interesse pelo bem-estar dos nossos semelhantes, e essas virtudes devem ser buscadas e praticadas no nosso dia a dia. Que tal, a partir de agora, tomarmos uma decisão sábia de sermos determinados na busca da realização dos nossos sonhos? Termos como meta o equilíbrio em nossas emoções, atitudes e sentimentos? Sermos zelosos, cuidadosos e preocupados não somente com a nossa vida, mas também com a vida das pessoas do nosso convívio social? E, finalmente, demonstrarmos na prática que somos determinados, equilibrados e zelosos pelo nosso trabalho, família, lazer e estudo? Essas são questões que precisamos refletir e melhorar para que consigamos alcançar a plenitude e a excelência em nossa vida.

Francisney Liberato é Auditor Público Externo do Tribunal de Contas de Mato Grosso. Escritor, Palestrante, Professor, Coach e Mentor. Mestre em Educação pela University of Florida. Doutor em Filosofia Universal Ph.I. Honoris Causa. Bacharel em Administração, Bacharel em Ciências Contábeis (CRC-MT) e Bacharel em Direito (OAB-MT). Autor dos Livros: “Mude sua vida em 50 dias”, “Como falar em público com eficiência”, “A arte de ser feliz”, “Singularidade”, “Autocontrole”, “Fenomenal”, “Reinvente sua vida” e “Como passar em concursos – Vol. 1 e 2” e “Como falar em público com excelência”. 

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana