economia

9 agências de veículos são autuadas por fraude em operação no Rio

Publicados

em


source
Polícia Civil e Procon-RJ realizam operação e 09 agências de veículos são autuadas
Procon-RJ

Polícia Civil e Procon-RJ realizam operação e 09 agências de veículos são autuadas

Na manhã de terça-feira (02), policiais civis que atuam na Defesa do Consumidor (DECON) e agentes do PROCON/RJ , realizaram ação fiscalizatória em diversas agências de compra e venda de veículos na avenida Intendente Magalhães. A investigação iniciou após diversos consumidores terem procurado a Polícia Civil relatando irregularidades nos estabelecimentos.  

Verificou-se que o financiamento de crédito foi feito irregularmente, sem a anuência do consumidor. Em alguns casos, o valor solicitado pelo cliente era duas vezes menor que o efetivamente contratado, fazendo com que o consumidor adquirisse uma dívida fraudulenta e desproporcional.  

Em outros casos, o documento assinado pelo cliente no momento da solicitação de crédito não era o mesmo enviado para as financiadoras. Em alguns casos o empréstimo saia em nome de terceiros não participantes da relação contratual.

Além das fraudes processuais, a ação visa apurar irregularidades administrativas praticadas pelos comerciantes.

Você viu?

Todas as lojas vistoriadas apresentaram irregularidades nas suas ofertas online, tanto em sites próprios, como em sites destinados a anúncios de venda de automóveis. Constatado indício de propaganda enganosa, o valor dos veículos informados na internet era o correspondente à parcela a ser financiada e, somente ao final, com letras miúdas, era informado que deveria ser acrescentada uma entrada ao valor. Todas as publicidades induziam o consumidor a acreditar que o preço informado era do carro à vista. No entanto, os fiscais constataram que no momento de formalizar a compra, havia outro valor de tabela para cada veículo. Além disso, nenhuma loja exibia os preços dos veículos, e as informações no site não eram passadas de forma clara ao consumidor.

No site de uma das lojas fiscalizadas, o Renault Sandero era anunciado por um valor em torno de 36 mil reais, no entanto, na loja, o valor de tabela era cerca de 52 mil à vista. Numa outra, o Renault Duster era ofertado por aproximadamente R$56 mil, mas o seu valor real à vista na loja era quase R$81 mil. 

Outro problema constatado em um dos locais, foi na hora da formalização do contrato. Caso o veículo fosse parcelado, o custo efetivo total do carro pulava para quase R$90 mil, mas isso não era informado ao consumidor. O contrato incluía o valor do parcelamento sem incluir os juros pagos à financeira, exibindo somente o valor das parcelas (cerca de 1700 reais) e a quantidade das prestações (48). Caso o consumidor não fizesse essa conta, acreditaria que o valor pago era cerca de R$53 mil e não os mais de R$88 mil, que representa o valor do financiamento somado à entrada.

Comentários Facebook
Propaganda

economia

Peac Maquininhas liberou R$ 3,19 bilhões em 2020

Publicados

em


Programa que socorreu empreendedores e pequenos negócios afetados pela pandemia de covid-19, o Programa Emergencial de Acesso a Crédito com Garantia de Recebíveis (Peac Maquininhas) emprestou R$ 3,19 bilhões no período de funcionamento, entre 15 de outubro e 31 de dezembro do ano passado. O valor foi divulgado hoje (19) pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia.

Nesse período, 112.161 operações foram realizadas. No Peac Maquininhas, os bancos emprestavam recursos a microempreendedores individuais (MEIs), micro e pequenos empresários. Em troca, as instituições financeiras recebiam, como garantia, os recebíveis (recursos a receber) gerados pelas maquininhas de cartão.

As garantias são executadas em caso de inadimplência. Como os recebíveis das maquininhas de cartão são de fácil recuperação, essa modalidade de crédito permitia juros mais baixos que as taxas de mercado. Segundo a SPE, o programa resolveu os dois principais gargalos na concessão de crédito a pequenos negócios: a falta de informações e a falta de garantias.

Segundo a nota técnica, 18% dos MEIs, 4% das microempresas e 2% das pequenas empresas dependeram exclusivamente do Peac Maquininhas para conseguirem crédito no último trimestre de 2020. Na divisão por setores, os segmentos mais beneficiados foram bares e restaurantes, com 14.985 empréstimos aprovados, e hoteleiro, com 1.507.

Estabelecido pela Lei nº 14.042, de agosto de 2020, o Peac Maquininhas teve a infraestrutura para as operações concluída em 30 de setembro. Os empréstimos começaram em 15 de outubro. Coube ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), como agente financeiro da União, repassar os recursos aos bancos comerciais.

Os bancos que mais emprestaram recursos da linha de crédito foram o Banco do Brasil (70%), Money Plus (17%), Safra (9%) e Caixa Econômica Federal (4%). Na divisão por estados, os tomadores concentraram-se em São Paulo, com 23,9% das operações; Minas Gerais (9,9%) e Paraná (7,5%).

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana