MULHER

5 dicas para escolher um modelo de mesa para sala de estar

Publicados

em

source
5 dicas para escolher um modelo de mesa para sala de estar
Redação EdiCase

5 dicas para escolher um modelo de mesa para sala de estar

Arquiteta explica o que deve ser considerado para combinar a peça com o ambiente

Por Danilo Costa 

Tamanho da área disponível, estilo decorativo, predileção dos moradores e o layout do ambiente. Esses quatros fatores designam a decisão pela melhor mesa de centro e lateral para constituir espaços sociais. Empregada como apoio para itens diários, incrementar o décor e receber uma bandeja no momento de servir os convidados, esse mobiliário é versátil e pode mudar completamente a atmosfera de onde estão presentes. 

“Além da beleza que cada uma expressa, mesa de centro e lateral expressam composições únicas com a seleção de livros de arte, vasos de flores e outros objetos que tornam o espaço ainda mais especial”, revela a arquiteta Ana Rozenblit. Experiente na seleção e arranjos de mesas que se configuram em um décor único em cada ambiente, a profissional compartilha cinco dicas para escolher a mesa perfeita para sala de estar. Confira!

> 4 dicas para escolher o tapete ideal para sua casa

Combine os elementos

Segundo Ana, o segredo para um visual impactante é combinar os elementos em cima da mesa de maneira organizada. Apesar de normalmente a mesa de centro fazer parte de um living, o móvel também pode integrar a estrutura de uma varanda, uma sala de lareira ou mesmo na parte externa, como na piscina.

“Sem dúvidas, as mesas atuam com esse intuito de bem receber”, argumenta. Ela ainda reitera que não existe uma regra para combinar tamanhos de mesas diferentes e destaca que o principal é respeitar a ergonomia do espaço.

Paleta de cores e o estilo de mesa 

Assim como as dimensões, não há um requisito a ser preenchido quando o assunto é combinar cor e estilo das mesas. “A partir da materialidade e a paleta de cores eleita para ser trabalhada no espaço, buscamos as referências que se encaixam nas escolhas das mesas de centro, lateral e apoio”, afirma Ana. 

Mas, independentemente de qual for o modelo eleito, a altura da mesa sempre deverá ser menor ou igual aos assentos de sofá, poltronas ou pufes. “Se o morador desejar, você pode ousar e evidenciar o objeto como destaque”, complementa.

Qualidade do material para mesa 

As mesas de centro e lateral podem ser encontradas em diversos materiais como a laca, madeira, pedra, acrílico ou o vidro. Entre suas preferências, a arquiteta indica que a madeira e o mármore se traduzem como elementos de altíssima qualidade para o uso. Entretanto, destaca a relevância do cuidado para evitar manchas. “No mobiliário de madeira, é impensável servir bebidas e alimentos sem um apoio. Além de conjuntos lindos, que deixam o décor belíssimo, esse é um zelo que assegura a estética e a durabilidade”, orienta Ana.

> Estilo urban Jungle: 4 ideias para decorar os cantinhos verdes do seu lar

Como não errar nas escolhas 

A mesa de centro ou lateral deve sempre expressar a harmonia com o décor, de forma que não transmita um aspecto carregado. “Ao decidirmos por peças com materiais atemporais como a madeira e o mármore, precisamos sempre aplicar a quantidade certa para não poluir o ambiente de acordo com a disposição. Além disso, outro ponto de atenção é eleger objetos pontuais para compor sua decoração”, recomenda a arquiteta.

Estilos em alta 

Entre os estilos que estão em alta para a decisão pelas mesas de centro e lateral, a arquiteta ressalta o design pautado nas formas orgânicas e a possibilidade de mesclar diferentes tamanhos e formatos para conceber uma peça única. Mas antes de bater o martelo com essas definições, é essencial analisar detalhadamente o espaço disponível para só então definir pelo emprego de uma, duas ou até mais peças que expressarão sua simbiose.

Confira mais conteúdos e dicas de decoração na revista ‘Projeto & Decoração’

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Propaganda

MULHER

Falsificação na moda: conheça as consequências desse tipo de mercado

Publicados

em

Falsificação na moda: conheça as consequências desse tipo de mercado
Redação EdiCase

Falsificação na moda: conheça as consequências desse tipo de mercado

A comercialização de produtos falsificados pode impactar negativamente na sociedade e no meio ambiente

Por Luana Pellizzer

A compra de produtos falsificados é uma prática muito comum no Brasil, especialmente no mercado da moda. Impulsionados pelos preços mais baixos do que os produtos originais, muitos consumidores optam por adquirir réplicas não oficiais. Mas a falsificação, além de ilegal, gera consequências para o meio ambiente, para a economia e para a sociedade. 

> Conheça as tendências de moda para o outono/inverno de 2022

Legislação Brasileira 

A especialista em direito da moda Dra. Regina Ferreira explica que o Brasil não tem uma legislação específica para proteger as criações de moda , mas que as leis vigentes são usadas na prática para resguardar os direitos dos criadores e para reprimir cópias não autorizadas. “A falsificação é crime e pode gerar consequências cíveis”, ressalta.

Consequências sociais 

Em um primeiro momento, a falsificação gera consequências às marcas, pois resulta na desvalorização de um produto exclusivo. Mas a Dra. Regina Ferreira destaca que o processo de produção e comercialização da falsificação também desencadeia uma questão social séria, que passa despercebida.

“O mercado ilícito, em razão da sua natureza informal, fomenta as atividades ilícitas de organizações criminosas, a exploração do trabalho. A penalidade para a falsificação é relativamente baixa, mas as consequências para a sociedade são altamente danosas”. 

> Cabelos coloridos: veja 4 tendências que não saem da moda

Problemas ambientais 

Além dessas questões, existe também o comprometimento ambiental. A Dra. Regina Ferreira explica que, “geralmente, as fábricas não respeitam legislações ambientais. Assim, o processo de produção pode conter resíduos e substâncias tóxicas, com a possibilidade de contaminação de afluentes e a exposição dos trabalhadores a esses produtos químicos que são danosos à saúde.”

Por fim, a especialista em direito da moda explica que em ações de busca e apreensão, os produtos falsificados são descaracterizados e descartados, já que não podem ser devolvidos ao mercado, e que por consequência geram ainda mais lixo para sociedade. 

Confira mais conteúdos sobre beleza.

Fonte: IG Mulher

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

Mais Lidas da Semana