Saúde

2ª pessoa mais velha do mundo, freira sobrevive à Covid perto de fazer 117 anos

Publicados

em


source

BBC News Brasil

Coronavírus: 2ª pessoa mais velha do mundo, freira sobrevive à covid às vésperas de completar 117 anos
Reprodução: BBC News Brasil

Coronavírus: 2ª pessoa mais velha do mundo, freira sobrevive à covid às vésperas de completar 117 anos

Uma freira francesa que é a pessoa mais velha da Europa sobreviveu à covid-19, poucos dias antes de seu 117º aniversário.

Lucile Randon, que assumiu o nome de Irmã Andre em 1944, apresentou resultado positivo para coronavírus em 16 de janeiro, mas não apresentou sintomas. Ela disse à imprensa local: “não percebi que eu tinha (covid)”.

As informações sobre as vítimas de covid-19 revelam, desde o início, que os idosos são os mais vulneráveis à doença. É exatamente por essa vulnerabilidade das pessoas mais velhas ao coronavírus, por exemplo, que elas estão nos grupos prioritários de vacinação na maioria dos países que começaram a imunizar a população .

Irmã Andre se isolou de outros residentes em sua casa de repouso em Toulon, sul da França, mas agora é considerada totalmente recuperada.

Ela, que é uma pessoa com deficiência visual e usa uma cadeira de rodas, vai comemorar seu aniversário na quinta-feira (11). Desta vez, no entanto, a comemoração será com um grupo menor de residentes do que o normal.

Você viu?

“Ela teve muita sorte”, disse David Tavella, porta-voz da casa de repouso Sainte Catherine Labouré.

Na França, onde vive a freira, já foram registrados mais de 3,4 milhões de casos de covid-19 e mais de 80 mil mortes devido ao coronavírus. No mundo, já são mais de 2,3 milhões de mortes devido à doença, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins.

David Tavella disse ao jornal Var Matin: “Ela não me perguntou sobre sua saúde, mas sobre seus hábitos. Por exemplo, ela queria saber se as refeições ou a hora de dormir mudariam. Ela não demonstrou medo da doença. Por outro lado, estava muito preocupada com os outros residentes.”

Mulher idosa é vacinada nos EUA

Reuters
A idade avançada é o principal fator de risco da covid-19

Irmã Andre nasceu em 11 de fevereiro de 1904. Além de ser a pessoa mais velha da Europa, ela também é a segunda pessoa viva mais velha do mundo, de acordo com a Lista de Classificação Mundial de Supercentenários do Gerontology Research Group (GRG).

Quando questionada pela emissora francesa BFM se teve medo de ter covid, a irmã Andre disse: “Eu não estava com medo, porque não estava com medo de morrer. Estou feliz por estar com você, mas gostaria de estar em outro lugar — para me juntar ao meu irmão mais velho, meu avô e minha avó.”


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Estudo da UNB investiga cepas do novo coronavírus encontradas no DF

Publicados

em


Pesquisa da Universidade de Brasília (UnB) está tentando entender melhor as variantes do novo coronavírus presentes no Distrito Federal (DF). Para isso, estão sendo feitos sequenciamentos dos genomas de cepas encontradas na capital. No mundo todo foram identificadas cerca de mil cepas do vírus. 

Nas amostras do Distrito Federal foram identificadas cinco cepas do vírus Sars-Cov-2, causador da covid-19. Entre as cepas já sequenciadas, três delas chamam atenção de pesquisadores e cientistas pela alta capacidade de replicação, pelo alto poder de transmissão e ainda pela possibilidade de causar quadros mais graves da covid-19. São elas:  P-1, encontrada originalmente em Manaus e predominante no DF; a P-2, no estado do Rio de Janeiro; e a N9, em São Paulo. 

A professora do Departamento de Biologia Celular do Instituto de Ciências Biológicas (CEL/IB) e integrante da equipe na Universidade que tem sequenciado o vírus, Anamélia Lorenzetti, explica que a avaliação da diversidade genômica é importante para conhecer quais variantes virais estão circulando no Distrito Federal e poder correlacionar com a epidemiologia da doença.

Segundo o coordenador do Laboratório de Microscopia Eletrônica e Virologia do Instituto de Ciências Biológicas da UnB, Bergmann Ribeiro, a partir do sequenciamento do genoma é possível desenvolver terapias e vacinas específicas para essas novas mutações, ainda podendo prever o nível de transmissão de cada cepa. “O sequenciamento é importante para conhecer o vírus e saber como ele está se adaptando e mudando”,

Conhecendo o genoma do vírus, também é possível chegar a uma vacina direcionada às variantes. ”As plataformas de vacina podem ser modificadas rapidamente e eu consigo fazer vacinas para essas variantes, mesmo que elas mudem, se tornem mais patogênicas”, explicou o pesquisador.

O cientista comparou com a vacina contra o vírus da gripe.  “[Com o sequenciamento do genoma] eu consigo fazer vacinas específicas para cada variante, e essas vacinas vão ser provavelmente modificadas a cada ano para se adaptar ao vírus. Como o vírus está mudando, você vai produzir novas vacinas, como acontece hoje em dia com o vírus da gripe, no caso H1N1 e outros vírus, que surgem todo ano”. Segundo o pesquisador, todos os anos são feitos sequenciamentos dos genomas desses vírus para saber quais estão circulando e produzir a vacina para combatê-lo.

Para este estudo das variantes do novo coronavírus, outro grupo fundamental é o da informática. Eles desenvolvem programas que ajudam na análise do sequenciamento e na comparação das sequências virais com as sequências que foram produzidas nos bancos de dados do mundo. 

Crise

Ainda em março de 2020, um grupo de professores do Instituto de Ciências Biológicas (IB-UnB), realizou o primeiro sequenciamento do genoma do novo coronavírus no Distrito Federal. A UnB foi a terceira universidade brasileira a realizar o procedimento no país. Mas com a alta no consumo de insumos e a pequena oferta no mercado global, hospitais, laboratórios e centros de pesquisa do mundo inteiro tiveram de refazer seus cálculos para que a produção e os atendimentos aos sistemas de saúde não fossem totalmente paralisados. 

Levando em consideração o aumento do valor de insumos necessários para dar continuidade ao sequenciamento do Sars-Cov-2, os procedimentos foram pausados por um período em 2020 e retomaram em janeiro de 2021. 

“Os recursos são essenciais para a realização desta iniciativa, pois os insumos são importados. Para se ter uma ideia, o custo por amostra sequenciada sai entre 600 e mil reais. Não é barato. Além disso, é necessário ter pessoas especializadas na preparação das amostras e para a realização das análises dos dados gerados no sequenciamento”, pondera Bergmann Ribeiro. E ainda sinaliza a demora na chegada dos insumos no Brasil. “Nossa equipe realizou a compra de materiais ainda no começo de 2020, mas acabou sendo feita a entrega pelos fornecedores apenas no fim do ano em novembro.”

Pesquisa

De acordo com Bergmann Ribeiro, o Brasil ainda faz pouco sequenciamento do novo coronavírus. “O Brasil fez no máximo 5 mil sequências, e no mundo mais de 1 milhão de coronavírus já foram sequenciados”. 

O pesquisador salientou a importância de o país investir em pesquisa. “O país como nação deveria pensar mais na ciência e investir mais na formação de recursos humanos capazes de responder rapidamente a esses problemas”, ressaltou e completou: “nós conhecemos vários vírus novos nas últimas décadas, nós não sabíamos o que era zika vírus em 2015, não sabíamos o que era o chikungunya, surgiu o H1Ni, o coronavírus. Então esses vírus vão aparecendo ao longo do tempo e precisamos estar preparados, e para isso tem que ter gente boa, gente formada pelas universidade, e para isso tem que ter pesquisa científica, tem que ter dinheiro pra financiar essas pesquisas”, pontuou.

*Com supervisão de Aline Leal

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana