BRASIL E MUNDO

10 anos de guerra na Síria: “uma das maiores catástrofes humanitárias”, diz Papa

Publicados

em


source
Francisco pediu pelo fim do conflito em sua fala na manhã deste domingo (14)
Reprodução

Francisco pediu pelo fim do conflito em sua fala na manhã deste domingo (14)

papa Francisco fez neste domingo (14) um novo apelo em defesa do fim da guerra civil na Síria, que completa 10 anos neste mês de março. Em seu Angelus dominical no Vaticano, o líder católico pediu que “as partes em conflito manifestem sinais de boa vontade, para que se possa vislumbrar uma esperança para uma população exausta”.

“Torço por um decisivo e renovado empenho construtivo e solidário da comunidade internacional, de modo que, depostas as armas, se possa reconstituir o tecido social e iniciar a reconstrução e a retomada econômica”, disse o Papa .

Francisco ainda ressaltou que o “sanguinário conflito na Síria” causou “uma das piores catástrofes humanitárias de nosso tempo”: “um número impreciso de mortos e fétidos, milhões de deslocados, milhares de desaparecidos, destruições, violências de todo tipo e sofrimentos imensos para toda a população, principalmente os mais vulneráveis, como crianças, mulheres e idosos”.

A guerra na Síria começou após a repressão violenta do regime de Bashar al-Assad, no poder desde 2000, a manifestações contra o autoritarismo do governo, inspiradas pela Primavera Árabe. Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, pelo menos 380 mil pessoas morreram nos conflitos, mas o número pode ser ainda maior.

Você viu?

Apoiado por Irã e Rússia, Assad é tido como vencedor da guerra, mas ainda não recuperou o controle sobre a totalidade do território sírio. Parte do país ainda é dominada por grupos rebeldes, principalmente curdos. Algumas áreas, no entanto, estão sob as mãos de terroristas ligados à Al Qaeda ou de facções apoiadas pela Turquia, que defende a queda de Assad.

O Estado Islâmico (EI) também chegou a dominar vastos territórios na Síria, porém acabou derrotado por uma coalizão liderada pelos EUA, com participação crucial de milícias curdas.

Asma al-Assad

A Polícia Metropolitana de Londres, no Reino Unido, abriu uma investigação por crimes de guerra contra Asma al-Assad, esposa do presidente da Síria . Nascida em Londres, ela é acusada de ter “apoiado e encorajado o terrorismo” no país árabe.

A informação é da rede SkyNews. Caso Asma seja incriminada, a Justiça britânica poderá pedir sua extradição. O inquérito nasceu de relatórios produzidos pelo grupo de direitos humanos Guernica 37, que passou meses investigando a primeira-dama.

Segundo a organização, Asma faz parte de um grupo de “pessoas influentes” que utilizou uma “campanha propagandística” e táticas de “desinformação” para defender o regime.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Propaganda

BRASIL E MUNDO

Família de novo ministro teria tentado expulsar indígenas de terra em SP

Publicados

em


source
O novo ministro do Meio Ambiente e o presidente Jair Bolsonaro
Reprodução

O novo ministro do Meio Ambiente e o presidente Jair Bolsonaro

O novo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Álvaro Pereira Leite , integra uma tradicional família de fazendeiros de café que disputa uma porção da Terra Indígena Jaraguá, em São Paulo. As informações são da BBC Brasil.

Um documento da Funai (Fundação Nacional do Índio) diz que capatazes da família do ministro chegaram a destruir a casa de uma família indígena ao tentar expulsá-la do território.

A terra tem 532 hectares e fica nos municípios de São Paulo e Osasco. Nela moram indígenas dos povos Guarani Mbya e Ñandeva, segundo a Comissão Pró-Índio de São Paulo.

Segundo relatório de identificação da terra indígena, o pai do novo ministro, Joaquim Álvaro Pereira Leite Neto, teria, em 1986 exigido a Funai “retirasse os marcos físicos do processo demarcatório da área indígena Jaraguá, alegando ser o proprietário da área, acusando agressivamente a Funai de estar praticando um crime”.

Você viu?

“Tal agressividade, no entanto, extrapolou para além das missivas, e passaram então esses cidadãos a fazer ameaças aos índios, a intimidá-los com capatazes, e mesmo destruindo uma de suas casas”, segue o relatório.

Como a Funai não paralisou a demarcação, os indígenas teriam passado a sofrer ameaças da família.

No entanto, o Ministério Público Federal teria acionado a Polícia Federal, que interveio e evitou a expulsão.

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia

ENTRETENIMENTO

MATO GROSSO

Política Nacional

CIDADES

Mais Lidas da Semana